24 horas de literatura e outros passatempos

18/04/2011

Você já ouviu falar de The clock, o filme (ou vídeo-instalação?) de Christian Marclay que faz uma colagem em ordem cronológica, com 24 horas de duração, de cenas de filmes em que aparecem relógios? Uma boa apresentação é esta crítica da escritora Zadie Smith para “The New York Review of Books”, que, além de ridiculamente bem escrita, é de uma empolgação inédita no jornalismo cultural dos últimos 30 ou 40 anos: ela diz que The clock é “sublime, talvez o melhor filme que você já viu”. O pessoal do blog de livros do “Guardian” também deve ter se apaixonado, porque está pedindo ajuda aos leitores para repetir o esquema no mundo das letras, com retalhos literários no lugar dos cinematográficos. Será que alguém com tempo à beça de sobra se habilita?

*

“As feiras de livro estão mais para feira do que para livro, e para os que têm medo do mundo digital, dos livros eletrônicos, eu sugiro: assustem-se primeiro com os grandes eventos, como os que acontecem aqui [em Londres] e em Frankfurt. Preocupem-se se ainda haverá boa literatura com tanta competição e sem o necessário tempo para se escrever, ler e editar.” Falando só por mim, claro, esse alerta do editor Luiz Schwarcz no blog da Companhia das Letras atingiu seu objetivo de assustar.

*

“Revolucionários cantando loas ao progresso tecnológico são mais ou menos como arcebispos recomendando o adultério. Esses cultores do experimentalismo cultural deixaram de levar em conta o fato de que nenhum sistema social na história foi mais inovador e dinâmico do que o capitalismo, sendo a confiança crédula no progresso uma crença fundamental das mesmas classes médias que eles procuravam escandalizar.” Terry Eagleton resenha no “Sunday Times” o livro 100 artists’ manifestos, coletânea de manifestos modernistas organizada por Alex Danchev.

*

Quem quiser participar do concurso de ensaios da revista “Serrote”, com prêmios de até R$ 5 mil, tem até o dia 30 de julho para se inscrever. O tempo não é longo, mas ajuda saber que não é preciso – aliás, é praticamente proibido – encher o texto de notas de rodapé. Literatura é um dos temas, ao lado de fotografia, artes visuais, cinema e música.

*

Uma arte tão fundamental quanto misteriosa: a romancista Claire Messud tece algumas considerações (em inglês) sobre a importância de nomear personagens de ficção. E se Capitu se chamasse Margarete?

4 Comments

  • Ernani Ssó 18/04/2011 at 18:08

    Se chamaria Marga.

    • sergiorodrigues 18/04/2011 at 18:10

      Hehe. Nome quase cortazariano.

  • saraiva 19/04/2011 at 07:52

    Eis que as hienas de outrora, com medo das hienas de agora, começam a dar “conselhos” morais sobre a “degeneração dos costumes”. Refiro-me ao comentário do dono da Cia das Letras. Feiras são lugares onde coisas são negociadas e vendidas, assim como Editoras.

  • Regina 19/04/2011 at 09:48

    Sergio, obrigada pelas dicas de leitura, são excelentes…pior é que corro o risco me perder nelas e o trabalho que (não)é bom, ficar de lado! Em tempo, estou lendo Freedom que vc. resenhou há algum tempo, estou gostando.

    Espero continuar atrapalhando seu trabalho, Regina! Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial