A polêmica da vez

09/11/2006

É boa a polêmica surgida entre Vinicius Jatobá e Gaston Gallimard na caixa de comentários da nota “Littell, Goncourt no bolso, é da Alfaguara”, aí embaixo. Boa, exaltada e complexa, mas no geral vejo uma dose maior de bom senso nos argumentos de Gaston. Tudo indica que a Alfaguara empregou bem seu dinheiro em Jonathan Littell – qualquer que seja o valor exato. Com a histeria internacional de público e crítica que cerca “As Benevolentes”, não é improvável que o investimento gere lucro. Quem sabe, até, muito lucro. Creio ser este o ponto fraco do retrato que Vinicius faz dos best-sellers – ralos de dinheiro que o autor brasileiro, se bem entendi, financia. Ora, best-sellers fazem dinheiro. É o que eles fazem, por definição. Exatamente de que forma isso seria ruim para o autor brasileiro aspirante?

Na história da indústria editorial, pelo contrário, é recorrente que fenômenos comerciais financiem o ambiente de afluência em que bancar a publicação de meia dúzia de escritores duvidosos, “literários”, passa a ser encarado como um piquenique. Convém não esquecer que o negócio de livros é, como sempre foi, um negócio. Interessa ao ambiente intelectual como um todo que o negócio seja saudável. Comprar os direitos de um livro que o mundo inteiro está comprando não é ruim para o Brasil. É fundamental, é o básico. Isso me parece cristalino: o mínimo para quem quer estar pelo menos na platéia de um certo Concerto das Nações.

Acho também que não se deve abusar do argumento nacionalista. Em seu sucesso, Jonathan Littell é parente próximo de Paulo Coelho, de Luis Fernando Verissimo. Do mesmo modo que o autor brasileiro incompreendido pelas editoras é primo do autor americano – ou, a propósito, búlgaro, ugandense, islandês – incompreendido pelas editoras.

Está tudo uma beleza, então? Sabemos que não, longe disso. Mas algo me diz que a culpa não é de Jonathan Littell.

61 Comments

  • Roberto 09/11/2006 at 15:41

    Acompanhei a discussão e tendo a concordar com monsieur Gallimard. Não que Jatobá esteja inteiramente desprovido de razão: às vezes falta, de fato, um pouco mais de coragem para algumas editoras brasileiras, que poderiam investir mais em novidades nacionais. Mas aí vai um pouco de exagero, porque acho que os autores novos estão sendo razoavelmente bem publicados – muito mais do que na década passada, por exemplo.

    Não entendo como a compra de best-sellers poderia revelar descaso com o autor nacional. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Pode-se perfeitamente editar (e pagar caro por) grandes sucessos internacionais e ao mesmo tempo investir na moçada nova e promissora. A choradeira – e o destempero do Jatobá ao ser confrontado com uma opinião diferente – me pareceram um pouquinho exagerados. Devagar com o andor, rapaziada!

  • Roberto 09/11/2006 at 15:51

    Só um complemento: nota-se que o Jatobá, ao defender tão veementemente a identificação dos comentadores, é partidário do substitutivo do senador Azeredo. Talvez o Sérgio deva exigir que aqui se inclua, além de nome e email, o CIC, o RG e a filiação literária do comentador – assim ficaria mais fácil debater, não acham?

  • Rafael Rodrigues 09/11/2006 at 17:22

    Os argumentos do Jatobá e do Gaston são “concordáveis”. Talvez o Jatobá tenha exagerado um pouco, mas ele tem razão. E o Gaston, mesmo tendo feito comentários curtos, tem razão também. Afinal, o dinheiro é da editora, ela faz o que bem entender. Autores nacionais ficam encalhados ou porque não são bons, ou porque faltou marketing. Sinceramente, tenho visto muito autor nacional ruim sendo publicado nos últimos tempos. O jeito é apelar para os estrangeiros. Fazer o quê? Mais especificamente sobre a Alfaguara, tenho uma visão bem capitalista: eles chegaram com dinheiro e editaram obras muito boas e em edições de muita qualidade. E alguns títulos estão bem baratos, não dá pra negar. Acho que quem ganha, com esses investimentos, somos nós, leitores. Mas é óbvio que falta um pouco mais de apoio ao autor brasileiro. Só que, como as editoras podem dar esse apoio, se os leitores brasileiros não se interessam por lê-los? Essa discussão é parecida com a discussão da Educação em nosso país: não adianta medidas emergenciais no ensino superior. O correto é corrigir o ensino de base. E mais não digo pra não misturar mais as coisas.

  • Vinicius Jatobá 09/11/2006 at 17:35

    Bom, Sérgio, em nenhum momento pensei nos autores de livros policiais ou trillers jurídicos ou narrativas históricas para consumo de massa. Falo mesmo de autores de ‘qualidade’ que não vendem tanto assim e recebem valores altíssimos para terem seus livros editados no Brasil. Em nenhum momento pensei em livros de best-sellers, até mesmo porque a lógica desse tipo de literatura é encontrar que livro no estrangeiro podemos pagar uma bagatela para ganhar muitíssimo. Veja o caso do ‘Caçados de Pipas’: seus direitos custaram 15000 dólares. Essa é a questão que levantei: paga-se, muitas vezes, uma valor irreal ao nosso mercado para consumir autores de qualidade. A Alemenha paga 450000 dólares por cada romance do Lobo Antunes; chegou a 700000 euros a compra dos direitos de Houellebecq… Mas eles têm um mercado que aguenta isso, eles têm bibliotecas públicas, universitários que lêem, programas de literatura muito assistidos… Não acredito que o Brasil possa, pelo mercado que tem, entrar numa competição dessas, porque cada vez fica mais caro publicar autores de qualidade. Eu mesmo trabalhei numa editora e tentei comprar dois anos atrás uma autora que a Cia das Letras está publicando agora e era um absurdo os direitos de publicação. Então eu entendo porque a Cia está publicando essa autora por 45 reais, porque simplesmente nosso mercado, por não possuir uma pletora de edições mais rica (hardcover, e-book, paperback, etc), e não tem mesmo como recuperar esse dinheiro gasto. O dinheiro com best-seller é fácil de recuperar; o dinheiro que se gasta pelos direitos do Roth, Amis, Munro, etc, etc, e agora Littell, serão recuperados como? Como nosso mercado produzirá uma venda que recupere esses seis dígitos gastos, provavelmente, em euros? Como, se quando um livro de qualidade vende 12000 exemplares a editora já comemora? É disso que estou falando. As editoras reclamam tanto de dinheiro, e como gastam dessa forma? E é claro que o Littell não se pagará, e quem é ingênuo de acreditar que são os outros livros que vão ter que absorver esse prejuízo? Se os livros vão se inflacionando, menos pessoas compram livros; e escritor, que quer se profissionalizar, tem que vender livro, tem que formar leitor. Então falamos de quê: fazer de bons autores objetos de culto para aqueles que tem 60 reais para gastar, ou de formar um público leitor com preços justos? Porque se os livros começarem a se inflacionar do modo que estão se inflacionando (trabalho com livros à seis anos, e o aumento no preço de capa é superior à 100%), chegaremos ao paradoxo de um mercado que edita o melhor produzido no mundo mas que colocará os leitores na berlinda de terem de escolher entre comer ou ler. Quanto ao ignorante e mal educado do Gaston, ele vem com uma estória de que sou ressentido, que estou propondo defensionismo literário, e não é nada disso. Estou apenas dividindo com pessoas interessadas em leitura algo que tenho notado com esse meu trabalho de anos com livros, editoras, resenhas. Essa é a minha impressão, é a minha preocupação, e divido-a com quem quiser pensar nela. Se os próprios editores não estivessem preocupados com isso, eles não estariam pensando em coleções de bolso. Há um problema, há um inflacionamento. Pergunto-me: quê fazer?

  • Vinicius Jatobá 09/11/2006 at 17:41

    …e quem é ingênuo de acreditar que não são os outros livros que vão ter que absorver esse prejuízo?…

  • Saint-Clair Stockler 09/11/2006 at 18:41

    Eu me sinto exatamente como aquele leitor descrito pelo Jatobá: não tenho R$60,00 pra comprar livros de bons autores como o Lobo Antunes, a Alice Munro e o Roberto Bolãno (que, dificilmente, aparecem em sebos). Portanto, concordo com ele. Está a se formar uma situação esquizofrênica no mercado de livros de qualidade no Brasil: oferta há, mas não se tem como comprá-los. Fico imaginando aonde essa situação vai nos levar. Provavelmente a lugar nenhum: quem pode, compra. Quem não pode, pega as sobras. Estou me sentindo uma hiena.

    Não acho que seja uma situação “natural” os livros já começarem a bater na casa dos 70 reais. Há algo de muito assustador nisso. Algo de profundamente inquietante. Será que ninguém de peso vai criar coragem e dizer que o Rei está nu?!?

  • Clarice 09/11/2006 at 18:50

    Eu idem. Quero comprar livro.

  • Vinicius Jatobá 09/11/2006 at 19:12

    Que tal, então, mudar o mercado, diversificá-lo? Certo, não há como editar por menos, então os escritores nacionais, como os escritores lá fora, passam a poder negociar edições diferentes de um mesmo texto seu. Publica-se uma edição de brochura pela editora A e, depois de uma janela estabelecida legalmente, pode-se negociar o mesmo texto com uma editora especializada em edições de Bolso, que pode não ter nada haver com essa editora A. Durante muito tempo foi assim nos EUA, até que as editoras maiores foram comprando as editoras de paperbacks e transformando-as em selos editoriais. Creio que assim teríamos o livro de 45; depois, um livro de 22-25. Vejo o caso do Javier Marías, da Alfaguara espanha. Não satisfeito com a edição de bolso dos seus livros pelo selo de bolso da Alfaguara, simplesmente fechou com a Mondadori, maior rival da Alfaguara na Espanha, para ter os livros que publica em brocura em uma editados em bolso na outra. O mercado está amadurecendo; e o escritor nacional, não vai andar junto? O que acredito, mesmo, é que essa lógica atual não será benéfica nem para os escritores nem para os editores que desejem publicar autores nacionais. Qual o limite disso? Romances à 70, 80? Sinceramente, essa faixa é para livros de referência, dicionários, enciclopédias, e não para romances. Acho que os escritores têm uma atitude muito passiva, e acabam assim publicando seus livros só de cinco em cinco anos. Porque a questão não parece ser de dinheiro pelas cifras que são gastas lá fora. E as grandes editoras não investem tanto assim em novos autores, e muito menos nos clássicos. Quantos grandes clássicos estão fora de catálogo à décadas? Só agora Murilo Rubião voltou a ser editado. Na França Flaubert nunca está esgotado. Há sempre edições de bolso que estudantes podem comprar. Ou o mercado se diversifica, ou será pra meia dúzia. E, na verdade, o Best-Seller serve para financiar o próximo best-seller; se fosse o contrário, editoras que emplacam muitos livros editariam dezenas de escritores nacionais. O que pode ser observado é que a estória não é bem essa… A editora pode fazer com o dinheiro dela o que bem entender; mas o escritor brasileiro, diante do quadro que se desenha, tem que escolher também: ser profissional e lutar para receber publicidade e ter seus livros com tiragens maiores e preços justos, ou ser um bobo alegre por ter 2000 exemplares encalhados em um estoque por aí, com ‘prestígio’ mas sem um tostão furado no bolso?

  • Roberto 09/11/2006 at 19:53

    Vinicius, sua revolta é louvável, mas acho que você confunde um pouco as coisas. O autor brasileiro vende pouco por um motivo bastante simples: o leitor praticamente não existe. Não tem publicidade e preço baixo que façam um autor de ficção estreante vender mais que 3000 exemplares no Brasil. Entendo seu desespero, porque você deve fazer parte da ínfima camada de leitores não-remediados desse país – os remediados são mais raros ainda -, e para nós o livro é caro mesmo. Mas acho que, a despeito dos aumentos, temos tido alguns avanços. A coleção de bolso da Companhia das Letras, por exemplo, que começou como um experimento temporário, cresce cada vez mais. Semana passada comprei um Freud, um Vonnegutt e um Dostoievski por menos de quarenta reais (os três), todos editados pela LP&M. Dava pra fazer mais? Sem dúvida. Mas enquanto o Brasil não tiver um público-leitor razoável, viveremos eternamente à mercê da esquizofrenia do mercado.

    É sempre mais cômodo achar um “inimigo” para o problema, seja ele as editoras, os autores estrangeiros, os best-sellers. O fato é que nosso buraco é beeeem mais embaixo…

  • Angela Moss 09/11/2006 at 22:17

    Olá Sergio,
    eu sempre leio “no mínimo” e sempre leio a sua coluna e a do Fiuza. Coloquei um link em meu blog. Só tenho um problema: não consigo ouvir a seleção musical. Qdo eu clico aparece “concluido” e nada…
    É frustrante…
    Relamente o livro “Dalia Negra” é ótimo. Tenho até medo de ver o filme. Já cansei de ver meus livros prediletos sendo destruídos no cinema.Ah, e a minha capa é aquela antiga.
    Um abraço e parabéns pelo ótimo trabalho.

  • Gaston Gallimard 09/11/2006 at 23:47

    Mon cher Sergiô,

    Antes de mais nada, obrigado por não transformar meus comentários num laudo psicanalítico sobre auto-estima depreciada. Merci à toi.

    A regra número um pra botar uma editora a pique é pagar com os livros que vendem
    muito os livros que vendem pouco. São inúmeros os exemplos: o cara edita “Como comer sua mulher todo dia durante 25 anos” e ganha milhões de reais. Pronto: aí edita contos populares do Sudão, a nova sensação da Mauritânia e as obras completas de Karl Jaspers. O resultado é uma bela falência. Então é bobagem , e da grossa, associar o preço alto dos autores literários ao preço alto que se paga por eles. OU melhor, amadorismo, pois cada livro tem uma escala e deve ter uma saúde própria – é assim que trabalham todos os profissionais que dão certo.
    O que encarece, e muito, é a produção: quero ver o nosso Jatobá comprar os direitos de, por exemplo, um Martin Amis, por um preço alto, mas não exorbitante. Digamos, US$ 3 mil de adiantamento (que vai ser abatido na venda). Tem que traduzir (pagando mal já é caro, pagando bem, como convém, é bem caro), diagramar dignamente, fazer uma capa boa, comprar papel, pagar a impressão, manter estoque, distribuir, consignar, recolher o estoque e acertar o direito autoral cobrando, digamos, R$ 35 para um livro de 200 páginas. Não fecha. Ok, a culpa é da tiragem, modesta, 3 mil exemplares. Então a solução é fazer edições mais populares também. Vamos lá: rediagrama, faz nova capa (tem que ter nova capa), tira as orelhas, piora o papel (mas tem que comprar, né?), paga a impressão (cujo custo é o mesmo), tem que manter o estoque (alto, pois a tiragem aqui vai ser de 10 mil exemplares), distribui, consigna, recolhe, acerta, etc. Pela primeira edição o Martin Amis recebeu 8% de direito autoral. Pela segunda, 5%, pra viabilizar um preço de, digamos, R$ 15. Não fecha, simplesmente porque no Brasil não há 13 mil leitores de Martin Amis. É aquela história do Garrincha diante da estratégia perfeita do técnico: já combinou com o adversário?

  • Gaston Gallimard 09/11/2006 at 23:48

    E mais:

    Criar várias fases para o livro é bom quando se combina com o adversário, ou seja, quando se tem leitor. E não temos um público leitor como o da Inglaterra onde o Allen Lane inventou na Penguin o livro de bolso. Estamos por isso condenados à ignorância? Não, claro que não. Mas os livros têm que começar a circular de algum jeito. Hoje o Brasil traduz quase tudo e publica muita gente da nova geração. Está boa a situação? Não, mas não caminha para o desastre e a segregação, ao contrário. Mercado leva tempo pra se acomodar e o nosso, em termos modernos, tem pouquinho mais do que 20 aninhos.

    Isso para não falar nos poucos leitores: o cidadão que se esfalfa para dar conta dos preços praticados não quer “arriscar” seu dinheiro num autor brasileiro novo. Arrisca no estrangeiro em parte por colonização e em parte porque quando vem um estrangeiro não é “novo”: já há imprensa sobre ele, repercussão, etc. Aí os autores novos reclamam de marketing. Pois bem, quando um deles, os jovens, é bem divulgado, quase todos os outros dizem que ele não presta, que é puro produto de marketing. Quando o garoto ou a garota aparecem em revistas, na TV, na FLip, na Bienal, tem sempre gente para dizer que “fulano é invenção de marketing”. OK, e se for? Não é isso que se quer? O colega não está sendo “profissional”? Mas aí é a síndrome do caranguejo de Recife: Oliveira Vianna, o historiador, hospedou-se num hotel e encheu a banheira de caranguejos, que daria de presente a um amigo. O gerente reclamou, argumentando que os bichos poderiam criar problemas para os hóspedes. E vem a resposta, irretocável: “Não se preocupe não é tudo caranguejo de Recife: quando um está quase saindo da banheira vem dois e puxam ele pra baixo”… Ou seja, a caranguejada (que só é de Recife na anedota, eu conheço mais caranguejos em São Paulo, no Rio Grande e no Rio de Janeiro do que em Recife) não se ajuda e só se lê para falar mal. É, no barato, paroquial este mundo literário que vive da reclamação – ressentida, sim, pois atribui exclusivamente a um Outro um problema que é de todos.
    Já disse e repito: para se falar em profissionalismo é bom entender a profissão. Se não eu vou começar a reivindicar um “espaço na mídia” para os neurocirurgiões auto-didatas, que querem se profissionalizar. Já pensaram????

  • Paulo 09/11/2006 at 23:59

    Roberto,
    Se, como vc diz, o leitor praticamente não existe, como vc explica o fato de as editoras investirem milhares de dólares na aquisição de títulos estrangeiros? Nesse ponto o Vinicius Jatobá tem razão. Pois se o leitor não existe, então as editoras nem deveriam existir. E no entanto elas existem e os editores estão todos milionários. Acho que o problema é outro. A verdade é que o autor estrangeiro sabe falar melhor à massa de leitores do que o brasileiro. Quer um exemplo? “Dália Negra”, citado aqui no Todoprosa. Um livraço. Qual o autor brasileiro hoje é capaz de escrever um livro desses? (não adianta apelar para Rubem Fonseca, que esse não escreve um livro bom há bem uns 15 anos). O problema da literatura brasileira é que ela não tem público, ou porque é ruim, ou porque é chata demais, ou porque é umbiguista demais, ou porque é intelectual demais, ou porque é marginal demais, ou porque é indigesta mesmo… Escritor brasileiro não escreve pensando no leitor e o leitor retribui não comprando os seus livros. Simples assim…
    Se Sidney Sheldon ou o Dan Brown fossem viver só com o que ele vende no Brasil, viveriam muito bem, obrigado. Mas aqui todo mundo quer ser o novo Joyce ou o novo Proust ou o novo Kerouac ou a nova Clarice. Aí não dá!!!!

  • João Paulo Cuenca 10/11/2006 at 00:48

    Sérgio, apesar de nunca comentar, sou leitor assíduo do blog. Acabei de chegar de SP e li agora a curiosa polêmica entre os dois personagens fictícios que você cita no texto acima. Acho triste, tristíssima, essa postura chororô de autor novo (sou um deles) reclamando de mercado no país. Quem não tem editora interessada, deve partir para as independentes ou para a autopublicação, que está cada vez mais barata. Ou botar o manuscrito na gaveta e chorar na cama que é lugar quente. (Antes que digam que para mim é fácil dizer isso, já respondo: deve ser mesmo, porque nunca bati em porta de editora em editora pra empurrar livro, e, graças a deus, meu texto sempre chegou muito antes de mim em todos os lugares.) O resto do discurso-chororô é de uma chatice circular, de caminhos e argumentações intermináveis como o labirinto de Creta – onde eles são Teseu e descobrem que também são o Minotauro: perdem-se para sempre e jamais encontram a saída. Nessas rodas, fala-se muito mais sobre o “mercado” e suas intriguinhas do que sobre literatura ou a cor do céu à tarde, ou as moças passando, ou um poema do Baudelaire, ou a espuma do chope, ou aquele trechinho do Dom Quixote ou do conto do Foster Wallace, ou sobre o disco novo do Bob Dylan, ou sobre o Obina, que é melhor do que o E´to. Porque nego é careta, e é chato. E eu estou cada vez mais fora desses lugares, coquetéis e lançamentos, Sérgio. Por que esse discurso anódino, para mim, é anti-poesia. É rancor, e um rancor chatinho, não o poderoso rancor de um João Antônio, por exemplo. Esses pretensos escritores se preocupam muito mais em construir um ressentido discurso de batalha do que em produzir literatura. Até nesse sentido, acho uma perda de tempo e esforço, pois grandes romances foram alimentados pelo sentimento de exclusão. Mas esse pessoal sequer consegue articular o rancor em poesia. Não conseguem articular nada em poesia. Não são escritores, não são poetas. São chatos ranhetas desfiando erudição de google. No mais, parabéns pelo blog que é sensacional, principalmente quando fala de literatura. Grande abraço,

  • Rafael Rodrigues 10/11/2006 at 04:33

    Grande JP! Esse sim, um cara que corre atrás. E vou logo dizendo que isso não é alfinetada em ninguém aqui. Não quero polêmica nem pedradas. Mas eu quero falar sobre uma coisa que o Paulo falou, em um dos comentários: “o autor estrangeiro sabe falar melhor à massa de leitores do que o brasileiro”. Não é bem assim. Tudo bem que existem livros estupendos de autores estrangeiros, e que seria impossível um autor brasileiro escrever esse ou aquele livro. Ok. Mas que autor estrangeiro poderia escrever “Vidas secas” ou “Dom Casmurro” ou “Grande sertão: veredas”? (este último não li, mas cito pelo tamanho de sua importância). E ninguém é doido de dizer que esses três livros são clássicos e que não têm valor. Nosso problema é a falta de incentivo à leitura. O gosto pela literatura tem que ser estimulado nas crianças, para que elas possam crescer lendo e se interessando cada vez mais. Não precisa viajar muito pra ter uma noção do que acontece. É só olhar para um amigo ou para alguém da família, caramba. Eu tenho pouquíssimos amigos que gostam de ler. Meus pais lêem pouco e, quando lêem, é Paulo Coelho e Lya Luft (minha mãe) e umas coisas de auto-ajuda e inteligência emocional (meu pai). Meus irmãos vivem grudados na tv e não querem saber de livros, mesmo eu incentivando o tempo todo. Isso é cultural, não se resolve num passe de mágica. Aliás, cultural, social e econômico. Quem é que vai poder parar pra ler um livro, tendo não sei quantos filhos pra sustentar e trabalhando 12 horas por dia? Nós, bons leitores, só lemos porque podemos ler. Ninguém aqui se sacrifica pra ler, certo? Estou falando de tempo, e não de dinheiro. O camarada que trabalha que nem um cachorro quer chegar em casa, assistir um jornal e dormir. Ele lá vai querer saber de ler? Ou seja: a situação econômica do nosso país contribui com o pouco êxito de nossa literatura. A coisa é bem mais complicada do que parece. Não se trata de editoras gastarem uma pá de dinheiro com um livro e o lucro desse livro pagar edições de 2 mil exemplares de algum autor nacional. Livro barato tem por aí, e bom: Fernando Pessoa tem pela Cia das Letras e pela Alfaguara por pouco mais de 20 pilas. Menos de 20? Coleção Plus da L&PM, 6 pilas cada livrinho (e só livrinho bom!). Fora os pockets dela e as outras editoras pocket, como a Martin Claret, por exemplo. Tem Carver e Updike aqui na cidade por 6 reais pra quem quiser também. O que nos falta é o costume de ler, são as condições pra ler (leia-se tempo para se dedicar a um livro). Graças a Deus, nós, que aqui estamos discutindo tudo isso, temos condições de ler e gosto pela leitura. Mas somos poucos, e não podemos fazer muita coisa. Infelizmente é o governo que tem de colocar mais mãos na massa e fazer com que os livros cheguem mais cedo nas mãos dos nossos jovens. Mas isso, todos sabem, não é fácil, e só Deus sabe quando vai acontecer.

  • Noga Lubicz Sklar 10/11/2006 at 07:24

    concordo com o Cuenca que chororô é coisa chata. vida de autor novo é uma lenha, e ao contrario dele estou batendo na porta das editoras e pedindo uma atençãozinha, mas no final das contas o que é bom acaba aparecendo, e se não for bom, paciência. enquanto isso a gente escreve no blog e sonha. quanto ao mercado de livros, eu acho que melhorou. os livros aqui são muito mais baratos que nos EUA. qdo eu morava lá só comprava no baú das almas da Barnes&Noble. e aqui compro online em módicas prestações, às vezes em torno de 5, 10 reais. conheço muitos jovens que lêem, e não sei se é pq estou mais interessada no assunto, tenho lido muita discussão sobre literatura. editora sempre foi negócio, e foi aos poucos se tornando um negocio milionário. não vejo a mão do governo nisso, gente. só mesmo da publicidade e do marketing. além do que fora do Brasil todo mundo frequenta biblioteca. eu não gosto, portanto não sei se as daqui são boas, mas nos EUA na cidadezinha fajuta onde eu morava tinha duas, com computador grátis de ultima geração pra todo mundo ficar navegando à vontade. isso sim, achei coisa de primeiro mundo, me impressionou. então estou querendo lançar uma campanha, de leitor que compra pra leitor que não compra, vamos repassar os livros… doar pra bibliotecas… e dar de comer a quem tem fome de literatura. tenho uma meia duzia aqui pronta pra seguir viagem, tô prometendo botar a lista no blog, vou ver se no fim de semana faço isso. quem for solidário (e literário) me siga.

  • Vinicius Jatobá 10/11/2006 at 08:56

    Agora que os argumentos fantásticos de Gaston Gallimard (3000 dólares num Martin Amis? esse cara realmente não sabe do que fala) com as fantásticas divagações estético-etílicas do clássico contemporâneo João Mela Cueca (quem leu esse cara?) estão reunidas em defesa do autor que não vende e não vai à coquetéis realmente me convenci que devo transformar meu rancor em poesia e desisitir de toda minha ‘erudição à base de Google’. Peço desculpas. Vou ler as memórias do Gallimard e absorver algo de seu conhecimento e fichar alguns dos exemplares do ‘Copo Ausente’ que estão começando a pipocar em sebos pra ver se transformo toda esse energia em algo verdadeiramente criativo.

  • Noga Lubicz Sklar 10/11/2006 at 09:35

    help, Sergio! esse seu blog é um clubinho fechado falado em idioma cifrado e eu não sabia! tá virando lavação de roupa suja de desafetos e o que é pior, sob pseudônimo. vamos combinar, o autor do tal projeto controlador da internet está com a razão. neguinho se apresentar e falar o que quer sem se identificar é covardia. quem é Gallimard? o famoso editor francês? com um português tão bom? uai! (google rápido) ele não morreu não? (é humor, gente, ironia, viu?)) e “Copo Ausente”? minha erudição de google não deu pra esclarecer. tô me sentindo excluída pra caramba, como se já não me bastasse esse sentimento na vida real.

  • João Paulo Cuenca 10/11/2006 at 10:29

    Autor que não vende? Vendi (quer dizer, venderam pra mim) uma edição de 3 mil livros. Pelo que dizem, é o que sai de um escritor contemporâneo no Brasil (como o Marçal e o Sérgio). De qualquer forma, o número é muito maior do que a minha pretensão mais selvagem poderia imaginar quando o escrevi. Sou um modesto, Vinicius. Isso sem falar nas dezenas (seriam centenas?) de milhares de leitores que tenho por semana no Globo. Por enquanto, estou mais do que satisfeito. Sobre livro em sebo, é uma alegria pra mim. Fico emocionado quando vejo um! Outro dia, vi uma menina comprando. Quase chorei de emoção. Vinicius, você me faz sentir mais ou menos como a moça bonita na praia de Ipanema detratada pela gordinha de aparelho – acaba fazendo muito bem pra minha auto-estima. No mais, acho que você deveria tomar um banho de Lima Barreto (ou então de chuva, com a língua de fora) e tentar escrever alguma ficção que preste, ou editar um zine de xerox, ou ler poesia em pé numa cadeira de boteco no Catete. Literatura para as massas, Vinicius! Eu faço meu papel: escrevo e publico. E você? Você reclama do “mercado editorial brasileiro”. Ao contrário de você, eu não tenho nenhum interesse no assunto “mercado editorial brasileiro”. E o mais engraçado é que eu participo ativamente dele. Não é engraçado? Eu acho. Grande abraço, (PS. Noga, “corpo ausente” é um trocadilho divertido do Vinicius com o título do meu romance, “Corpo presente”. É também o título de uma coluna incrível do Bernardo Carvalho – esse sim, um escritor que respeito – publicada na Folha, sobre o mesmo livro.)

  • Pedro 10/11/2006 at 10:49

    É, o João Paulo tem razão. Essa discussão já tá um saco. Por isso, eu que nunca publiquei nada, vou publicar um conto:

    Alaranjados e Vermelhos

    Ela nem reparou, mas os dois peixes do aquário têm a cor de seu cabelo. Passa na sala todos os dias, senta no sofá, coloca as meias, o tênis, e sai. Muito mais fácil colocar a calça depois das meias, o algodão desliza melhor pelo jeans do que os pés nus, ainda um pouco molhados do banho. Mas a janela da sala não tem cortinas, e ela sempre esquece de levar as meias para o banheiro. Por isso, já vestida, anda até a sala com a toalha nas mãos, senta no sofá, pega o par de meias que estava dentro do tênis, coloca as meias, o tênis, e sai. Às vezes olha para o aquário na estante, em cima da televisão, mas não reparou ainda que os peixes têm a cor de seu cabelo. São dois, entre alaranjados e vermelhos. Acho que se chama japonês esse tipo de peixe.

    Ela não reparou. Desce despencando os três andares do prédio sem elevador, e na rua começa a aflição. Nada no Rio é tranqüilo. Mesmos nas atividades mais corriqueiras e prazerosas, como ir à praia, ou à padaria, sempre fica a sensação de que é preciso estar atento. A tensão não vem do que se lê nos jornais, ela mal tem tempo de ler os jornais, mas da própria cidade, não o Rio, mas a cidade que mora dentro dela, a cidade onde nasceu e viveu até os dezoito anos.

    No começo, ruborizava por tudo. O pior foi quando pediu uma pipoca sem casca.Teve que aturar o pipoqueiro rindo, um riso debochado, que lhe doeu. Ficou entre alaranjada e vermelha. Da cor dos peixes e do cabelo, mas na época não tinha nem peixes nem cabelos pintados.

    Hoje, os cabelos entre alaranjados e vermelhos deslizam com mais facilidade nas ruas da cidade, mas, ainda assim, sem o conforto das meias vestidas antes de se colocar a calça jeans. Talvez só abandone a cidade dentro dela para viver nessa de agora, quando encontrar na esquina um pipoqueiro que venda pipocas sem casca, que ela demorou dezoito anos para descobrir que só existem em Petrópolis. Ou quando alguém lhe mostrar que os dois peixes em cima da estante têm a cor de seus cabelos.

    Pedro

  • Claudio faria 10/11/2006 at 11:35

    Mundinho pequeno…

    Assim como alguns aqui, a grande maioria dos meus livros são comprados em sebos. Inclusive tenho vários que pertenceram a um dos que postaram, o Saint-Clair Stockler. O cara é tão rato do sebo Berinjela como eu. Provavelmente ele também adquiriu algum livro que já pertenceu a mim. O que mostra que temos alguns gostos literários em comum. Um abraço, Saint-Clair.

  • PW 10/11/2006 at 11:43

    Acho que vai ser preciso resolver a peleja numa luta no gel. Ou no abraço chinês.

  • Vinicius Jatobá 10/11/2006 at 11:56

    Cuenca, você é meu comediante favorito.

  • Palhares 10/11/2006 at 11:59

    Jatobá: “trabalho com livros à seis anos”. Escreve assim e ainda trabalha com livro????

  • Palhares 10/11/2006 at 12:01

    “Romances à 70, 80″… hahahahaha
    Em que editora você trabalhou?

  • Palhares 10/11/2006 at 12:17

    “Vai à coquetéis”… Meu deus, você não era revisor, não, né?
    Eu, cada vez mais, penso mais que venda não tem nada a ver com marketing ou imprensa. A Lia Luft estourou no boca a boca, depois de ter publicado uns dez livros – já que você está no mercado editorial, sabe melhor disso do que eu -, outros livros que foram capas de todos os “segundos cadernos” não conseguiram esgotar uma edição.

  • Noga Lubicz Sklar 10/11/2006 at 12:29

    uai, gente. estou um terço de caminho andado porque vendi mais de 1000 exemplares do meu primeiro livro, achei que era assim, digamos, uma irrelevância. no meu bolso, pelo menos, foi. pena que não escrevo conto, senão já ia tirar a minha casquinha aqui do espaço do Sérgio. o que eu gostaria mesmo era de ser publicada pela editora dele, que é das melhores. infelizmente fora do meu romance de 400 páginas só escrevo crônica, e nesse aspecto, se estivesse na posição do JP, estaria feliz, né? pra terminar, um instante pro comercial: noga.blog.br

  • Vinícius Trindade 10/11/2006 at 12:35

    Ô Palhares, segundo o Fausto Wolff, “a crase, assim como o hímen, não foi feita para humilhar ninguém.”
    Jatobá, amigo: “be cool, man”

  • Paulo 10/11/2006 at 12:45

    Rafael Rodrigues. Vc não entendeu uma linha do que eu disse. Vc acha mesmo que Dom Casmurro ou Grande Serão Veredas são obras para vender milhares de exemplares e encantar o grande público nos dias de hoje? Vc acha que o público leitor (veja bem, refiro-me ao público LEITOR, que compra livros de literatura todo mês) gasta o seu tempo lendo essas obras? Pois se acha, eu Se acha, eu sugiro que vc saia desse mundinho em que vc parece que vive e caia na real. A realidade é outra, cara. O público não está nem aí para essas “grandes obras”. Eu gosto de Machado, gosto de Guiramães Rosa, mas são leituras eventuais para a maioria. Quando eu falo de comunicação com o público, eu falo desses romances tipo best-sellers americanos e ingleses, que a crítica senta o pau, mas que é o que o público no mundo inteiro gosta de ler. E o Brasil nunca se dignou a produzir um só escritor nessa linha. O escritor brasileiro escreve olhando para o próprio umbigo, fica se achando o supra-suimo das letras e gasta o tempo extra com discussões rancorosas e babacas como as que estão acontecendo aqui. No dia que um escritor brasileiro resolver fazer uma literatura que conquiste um público, ele vai viver dela. Agora o que não dá é querer fazer literatura “nobre” e querer vender milhares de exemplares. Isso não é só no Brasil não. Se João Gilberto Noll, que é um autor indigesto, escrevesse nos Estados Unidos, ele também venderia pouco.
    P.S: Como é que vc pode falar de Guimarães Rosa, se vc nunca o leu? Vc é uma Maria-vai-com-as-outras que não tem personalidade e repete que nem um papagaio tudo o que o establishment fala? Cuidado, hein, cara!!

  • Jonas 10/11/2006 at 12:52

    Vinicius, como já te falei naquela outra discussão interessante que tivemos aqui no todoprosa, aquela criada pelo Galera, gosto bastante das suas resenhas e textos. Mas como eu também disse na época, acho que os seus argumentos ao falar da situação dos novos autores naufraga na sua própria posição como novo autor. Eu acho sim que editora é um empreendimento que visa lucro, e são os “grandes títulos” que sustentam o investimento nos novos autores. O que eu acho que deveria existir, como também já disse aqui, é investimento a longo prazo. Deixar o autor “construir” uma carreira. Em um mercado como o nosso raramente um estreante vai estourar – e do jeito que as coisas são, pode até acabar sendo negativo estourar muito rápido. E sejamos justos, não dá para reclamar muito: a Companhia das Letras lançou Daniel Galera e André Sant’Anna;a Record, Marcelino Freire e Mirisola;a Planeta, nosso colega Cuenca e Santiago Nazarian (agora na Nova Fronteira). As editoras estão dando as chances; resta saber se vão investir a longo prazo ou largar mão porque os livros não vendem tanto. Quanto à qualidade dos autores, bem, eu não suporto Freire e Mirisola e do Galera só li os contos (não gostei). Os outros não li (curioso para ler seu livro, Cuenca). Mas sinceramente acho que eles têm o direito à chance.

  • Paulo 10/11/2006 at 12:56

    Cuenca. Seu livro vendeu 3000 exemplares onde, se a edição foi de 2000?

  • Palhares 10/11/2006 at 13:10

    Vinicius, sei que a crase não deve humilhar ninguém. Só quero confiar nos livros que leio. Imagine se uma editora em que seu chará trabalhe publicasse um livro de resenhas, e nelas lêssemos (eu e você, me caro carona, hehehe): “a literatura alemã, de XXX à ‘O tambor'”! Vou colocar o livro de lado.
    Mas o Brasil melhorou: o Jatobá não trabalha mais em editora. Não corremos esse risco. Como diz o Tutti, isso a oposição não vê.

  • Palhares 10/11/2006 at 13:11

    aliás, xará

  • Paulo 10/11/2006 at 13:17

    Vinicus Jatobá está completamente equivocado. Sua revolta é cacoete mental terceiro-mundista. Seu pleito é manifestação de um nacionalismo mal trabalhado e do sentimento de impotência que o acompanha.

  • João Paulo Cuenca 10/11/2006 at 13:22

    Paulo, se identifica e me manda um email que eu te respondo essa pergunta. No mais, boa sorte pra todo mundo, arrivistas ou não: desejo que escrevam cada vez mais e melhor. No fim das contas, isso é muito mais importante do que ser publicado ou não, do que o mercado, do que a tiragem etc.

  • vinicius jatobá 10/11/2006 at 14:01

    Caro Sérgio, obrigado pelo espaço e destaque dado à esse debate. Creio que as coisas saíram um pouco do norte, mas não gostaria que esse assunto morresse aqui. Quem estiver interessado em debater e trocar algumas idéias comigo sobre 1) modos razoáveis de possibilitar uma maior profissionalização do escritor brasileiro, 2) como tentar aumentar o controle do escritor sobre seus textos (a questão brochura e a possibilidade do escritor ter, depois de uma janela legal, o direito de renegociar seu livro para edições de bolso) e 3) alternativas criativas de marketing além de chamadas em jornais, que estão se mostrando incapazes de fazer que os livros de qualidade sejam vendidos; bom, quem quiser trocar idéias sobre isso pode escrever para o e-mail outrababel@terra.com.br. E repito a pergunta que fiz: O mercado está amadurecendo; e o escritor nacional, não vai andar junto? Acho que é um assunto muito sério, que toca todas as facetas do mercado editorial, e que interessa a todos: leitores, editores e escritores. O mercado francês, inglês, americano, até o espanhol, teve debates e mais debates exautivos sobre isso. Eu tenho um exemplar do ‘Babélia’, suplemento do El País, dedicado inteiramente a discussão do mercado de bolso, com pontos de vista que vão dos escritores aos livreiros, passando pelos editores, leitores. Talvez o Brasil não esteja maduro suficiente para debater a sério isso. Mas acredito que deve-se debater, sim, um protocolo profissional mais claro entre todas as partes. Quê mal há nisso?

  • Paulo 10/11/2006 at 14:02

    Só pra deixar claro que, nesta caixa de comentários, há duas pessoas que assinam como Paulo. O comentário lá em cima não é meu, é do outro. Tenham discernimento, please.

  • Gustavo 10/11/2006 at 14:11

    TSC, TSC, TSC…. serginho, serginho.. teu artigo está interessante, como sempre, mas comparar L F Veríssismo a Paulo Coelho???!!! menos, né, serginho, bem menos !….

  • Roberto 10/11/2006 at 15:13

    Jatobá, por favor, isso já está ficando constrangedor. “Profissionalização do escritor brasileiro”? Jogadas de marketing para que os “livros de qualidade” sejam vendidos? Em que mundo você vive? Acorda, rapaz! Fecha o El Pais, esquece o mercado francês, inglês, americano! Aqui é o Brasil, meu chapa! Terra arrasada, sacou? O público-leitor da sua “alta literatura” se resume a cinco mil gatos pingados, se tanto! Seu esforço patético de “profissionalização” se assemelha a alguém que se tenta emplacar o boxe tailandês como esporte nacional tupiniquim. Aliás, devemos ter mais lutadores de boxe tailandês do que leitores no Brasil…

  • Vinicius de Morais 10/11/2006 at 15:47

    O Vinícius Jatobá diz que trabalha com livros há anos, mas tem um português sofrível. Vai ver é por isso que o tal “mercado editorial” está uma bosta: muito incompetente na lida.

  • Vinicius de Morais 10/11/2006 at 15:48

    Cuenca,

    Bem ridícula essa sua postura. Posar de fodão é coisa de quem, “no íntimo”, sabe ser um merda.

  • João Paulo Cuenca 10/11/2006 at 16:24

    Porra, Vinicius de Morais! Eu te amo, cara. Não faz assim comigo. Eu não poso de fodão nem por um minuto. Sou um jovem modesto. Só não aceito que me esculachem, ainda mais usando trocadilho com o meu nome, trauma desde a infância, como fez seu xará. E acho que antes de se preocupar em debater a “profissionalização do escritor brasileiro”, a rapeize deveria se preocupar mesmo é em escrever mais e melhor. Marketing, profissionalização? Tô fora desse papo anódino. Abraços do fã,

  • PW 10/11/2006 at 16:37

    Essa história de “escritor profissional” me dá uns arrepios… Pouquíssimos, como o Verissimo, conseguem ser ganhar o pão escrevendo e se manterem fiéis a si mesmos.
    Não conheço nenhum bom escritor novo que não consiga publicar seu livro numa edição decente. Todas as editoras têm coleções ou linhas de literatura brasileira contemporânea.
    E sobre publicar estrangeiros X publicar brasileiros, que preguiça desse papo. No fundo é o mesmo papo de quem diz “esses nordestinos vêm roubar os empregos dos paulistas”, só que revestido de uma causa lítero-social.

    O Brasil é um dos países que mais traduzem no mundo e isso deve ser motivo de orgulho. Significa circulação de idéias, de sintaxes, histórias. Os escritores brasileiros só têm a ganhar. Pobres dos americanos, que com seu mercado pujante só traduzem 8% dos livros que publicam.

  • Clarice 10/11/2006 at 16:47

    Sérgio, proximo post, por favor.
    Post bem ameno de preferência com autor daqueles inatacáveis.
    Meninos, o que é isto? Vocês estão brigando por causa do mercado editorial? Eu heim! Já não basta ter de pagar um absurdo por livros?
    Homem tem que ter a palavra final. Oh raça! Ainda bem que sou mulher e posso falar bobagem. Vocês dizem “-Bobinha” e fica até bonitinho. A gente faz muchocho, beicinho e vocês vem logo abraçar a gente. Mas entre vocês… nossa senhora! Daqui há pouco vão começar a discutir futebol, política nacional… Tô fora.

  • Gaston Gallimard 10/11/2006 at 17:09

    Mon cher Jatobá,
    mais uma vez,vc fugiu da discussão para subir no caixote e fazer comício. Se vc quiser, aumentemos o adiantamento do Amis para US$ 5mil (embora vc se recuse a acreditar, ele não é mais a estrela que foi nos anos 80). OU ainda para US$ 8 mil (US$ 10 mil ele não bate mais). A conta continua sem fechar. A discussão é realmente séria, mas é preciso saber do que se fala.
    Na continuação de desqualificar os meus argumentos, reais, que vc se recusa a discutir, vc me faz o favor (merci!) de demonstrar a tese da caranguejada: quando um caranguejo sobe (o Cuenca) vem outro ( o Jatobá) pra puxar pra baixo. Eu, como autor, ficaria feliz de ver um cara iniciante ganhar espaço. Não por ser bonzinho e bom samaritano, mas pela ÓBVIA constataçãode um+um+um+um é sinal de interesse por autores novos e, assim, cria-se o “bolo” de onde sai o tal do “mercado maduro” a que vc se refere.
    Enfin, acho que não há mais o que discutir porque isso aqui virou o exemplo do que descrevi: a caranguejada trocando sopapos e ninguém pensando que tem que combinar suas estratégias com o adversário. Que, curiosamente, neste caso é o leitor mesmo.
    Daqui do meu túmulo no Père Lachaise, isso é muito claro…

  • Nelson Rodrigues 10/11/2006 at 17:12

    O brasileiro não está preparado para ser “o maior do mundo” em coisa nenhuma. Ser “o maior do mundo” em qualquer coisa, mesmo em cuspe à distância, implica uma grave, pesada e sufocante responsabilidade.

    Vinícius Jatobá é nome de agente funerário. Jatobá, qual o caixão mais apropriado para a Dona Maroquinha, aquela senhora gorda e babona do segundo andar?

  • Gaston Gallimard 10/11/2006 at 17:15

    em tempo, cher Jatobá,
    embora vc não saiba, talvez porque não tenha assinado nenhum contrato, é perfeitamente negociável ter os direitos para uma edição pocket. o diabo é encontrar quem queira publicar.
    e, em tempo,o que quer dizer, na prática e concretamente, “aumentar a profissionalização do escritor brasileiro”? não vale responder me xingando… ou melhor, vale o que vc quiser, pois até agora só estou respondendo às tuas questões…

  • Rafael Rodrigues 10/11/2006 at 17:27

    Eu só vou comentar de novo porque fui eu quem deu corda. No comentário anterior eu peguei um trecho do comentário de um dos “Paulo” e falei um pouco sobre. Eu não critiquei ninguém nem ironizei nada. O Paulo disse: “A verdade é que o autor estrangeiro sabe falar melhor à massa de leitores do que o brasileiro. Quer um exemplo? “Dália Negra”, citado aqui no Todoprosa. Um livraço. Qual o autor brasileiro hoje é capaz de escrever um livro desses?”. Eu só quis expressar a seguinte opinião: o autor nacional fala melhor à massa do que os autores estrangeiros. O que faz com que estes últimos vendam mais que os nossos é, ao meu ver, o marketing feito em cima dos livros deles e o fato de não termos cultivado, desde crianças, o gosto pela leitura. Acredito que muita gente compre “Dom Casmurro”. Se não por livre e espontânea vontade, por livre e espontânea pressão, pois é obra obrigatória em vestibulares e muitos professores de ensino médio “obrigam” seus alunos a lerem o romance de Machado, além de outros livros. Sobre eu ser um “Maria vai com as outras”, eu não falei nada demais, apenas disse o seguinte: “Mas que autor estrangeiro poderia escrever “Vidas secas” ou “Dom Casmurro” ou “Grande sertão: veredas”? (este último não li, mas cito pelo tamanho de sua importância).” Eu sei da importância de “Grande sertão”, já li sobre o livro, converso com pessoas que sempre falam muito bem dele, e não vejo mal nenhum em citá-lo. Eu não escrevi uma resenha sobre um livro que não li. Apenas citei, num comentário em um blog, o nome de uma obra (e ainda deixei claro que não a lera). Não vejo nada de mais nisso. Enfim, eu só fico chateado com o fato de a caixa de comentários do Sérgio ter virado um mural de ofensas bobas e sem sentido, baseadas em sabe-se lá o quê. Não falo do comentário do Paulo, mas dos outros comentários trocados entre os outros leitores. Vamos pegar leve, pessoal. Opinião cada um tem a sua e temos que respeitar. Discordar é um direito que todo mundo tem, mas sair ofendendo fica chato. E pra terminar, se o Paulo quiser continuar a conversar, é só mandar um email. Abraços a todos!

  • Nelson Rodrigues 10/11/2006 at 17:40

    Sérgio e Rafael, meus queridos sobrinhos-bisnetos, vocês estão defendendo muito bem o nome de nossa família, estou com os olhos rútilos.

    Deve-se ler pouco e reler muito. Há uns poucos livros totais, três ou quatro, que nos salvam ou que nos perdem. É preciso relê-los, sempre e sempre, com obtusa pertinácia. E, no entanto, o leitor se desgasta, se esvai, em milhares de livros mais áridos do que três desertos.

  • André 10/11/2006 at 17:47

    bom, depois de ler TODOS os comentários, a única coisa que tenho a dizer é: sou redator publicitário, ganhador de alguns prêmios,o que,no caso, não vem ao caso. O que vem ao caso é: tenho um livro pronto(de contos) e outro de poemas. Moro em Teresina, onde assino uma coluna no mais tradicional jornal do Estado há 5anos. Quem quer receber meus originais para ver se quer publicá-los? Já que se falou em novos escritores sem oportunidades de serem editados…

  • Rafael Rodrigues 10/11/2006 at 18:36

    André: se ainda não imprimiu e mandou os originais para várias editoras, faz isso. E depois aguarda. Se já fez isso, faz de novo. Se não der certo, tenta uma publicação independente, é o jeito… Espero que você tenha sucesso. Abraço!

  • vinicius jatobá 10/11/2006 at 19:18

    Caro Gaston, estou enviando rosas para Pére Lachaise. Vou falar por alto, e vou esconder as melhores idéias…

    Formas razoáveis de profissionalizar os autores seria debater certos arranjos fiscais de isenção de impostos para escritores (caso da Irlanda), tiragem numerada dos livros para diminuir as fraldes nas contagens (quem não se recorda do caso da Bojunga?), um sindicato forte que faça com que as editoras cumpram seus compromissos (quantos escritores publicam até por grandes editoras e simplesmente não recebem: eu conheço alguns casos).

    A idéia do livro de bolso é complexa, mas creio que seria de grande ajuda estabelecer uma janela padrão (como no cinema) para que o escritor possa, a partir de certo momento, e sem qualquer tipo de autorização, negociar com quem deseja edições de bolso do seu trabalho. Você acha que se isso fosse debatido não surgiria um empresário disposto a investir seriamente nisso? Alguém perderia a chance de publicar Marçal Aquino, Adriana Lisboa e Rubens Figueiredo, digamos, três anos depois de suas publicações originais? O escritor não possue tanto controle assim do seu texto; conheço vários que tem a impressão de que seus livros mereceriam reimpressões, mas que como o lançamento é o fetiche dos livreiros as editoras preferem não arriscar. O livro fica esgotado; têm leitores buscando; e as editoras não arriscam. Porque o escritor, que dedicou anos nesse livro, tem que se submeter a isso? Pelo que sei, ele negocia livros que já fizeram parte de catálogos. Quem sabe edições mistas como o bem sucedido e exemplar caso dos pocketts Simenon?

    Estou ventilando idéias; não vou dar as soluções. Quanto ao marketing criativo que falo seria levar a literatura para o espaço além do livro. Eu vejo o livro como um suporte, não como a finalidade. É um suporte. Acredito que as editoras deveriam criar estratégias específicas para cada escritor. Querem vender todos os escritores da mesma forma: uma imagem, uma chamada de jornal, uma foto. Mas quê há de comum nos universos imaginativos de, digamos, Bernardo Carvalho e Marcelo Mirisola? Se são literaturas diferentes que utilizam o mesmo suporte, o que deveria ser anunciado é essa literatura. Não o livro em pé, em diagonal, com uma frase de efeitoe e elogios de amigos. A questão é que isso não funciona porque vender um livro demanda criar um meio de comunicar específico para esse livro. O Marçal Aquino é um autor que com a estratégia certa venderia 50000 exemplares. E sem gastar muito dinheiro.

    Pessoas acham que marketing é banalizar, mas Joyce era um gênio na hora de vender seus livros, o próprio Proust redigiu um anuncio de jornal para venda de seus livros; e ele quera pagar do próprio bolso! Cada livro deveria ser trabalhado pelo que ele tem de específico, e não com uma sempre mesma forma vaga de divulgação. Uma divulgação específica e honesta ajudaria o livro encontrar o seu leitor. Posso citar alguns exemplos: os anuncios de rua para o romance ‘Outra Vida’ de Pamuk são brilhantes: a primeira frase do livro, sem nenhuma outra informação. Eu vi outro dia uma foto. É fantástica; e dá a idéia exata do livro: é mágico, é magnético, enigmático. Esses cubos que a Alfaguara brasil coloca debaixo das mesas de lançamentos é brilhante, também. São formas criativas de despertar a curiosidade; as pessoas ficam curiosas. Não falo de enganar o leitor, mas dar a idéia exata do que é o livro. E são, muitas vezes, mais baratas que esses anuncios loucos no meio do nada.

    Seria interessante, sim, que escritores começassem a se interessar por conhecer mais a máquina das editoras. Balzac, Sthendal, Proust, Conrad, Faulkner, Bellow: todos se preocupam com isso. Quem escreve quer escrever mais. No Brasil quando escritor fala de dinheiro as pessoas acham um absurdo; mas, Faulkner, o grande Faulkner, sempre que perguntado sobre o motivo de escrever, respondia que era pagar suas contas. O escritor brasileiro gosta de se ver como um ermitão, comendo vento, flutuando num abismo de sensações. É um tema que me interssa e que em nada diminue o valor da literatura, até porque sempre desconfio de escritores que querem se manter limpos, intocados; escritor é fanático e compulsivo, e quer financiar seu trabalho. Fala-se de viver apenas de venda de livro? Não, apenas de que o livro possa circular de novo. O livro foi feito para circular. Não para ficar encalhado. Isso não é bom pra ninguém.

    Agora, ainda bem que tenho boa alto-estima… Porque vocês pegam pesado… Rs… Seria bom que o assunto não morrese aqui não porque é do interesse de todos, escritores, críticos, editores e leitores. Todos falam sempre do editor, pobre do editor, que está pobre, com prejuízo, etc… Mas e o escritor? E o tradutor? Como ficam? Acho que é isso, mas creio que o calor das intervenções distraíram um pouco as possibilidades de diálogo. Mas Gaston tem razão, pela ótica do editor. Mas falo do escritor. É errado um escritor querer melhorar suas condições de trabalho? Não é buscar paternalismo; é buscar apenas maior transparência.

    Grande abraço, foi legal, gostei muito de certas coisas, cresci intelectualmente, aprendi a usar a crase, relembrei Cuenca de traumas da juventude, mostramos paixão, indignação, revolta, e direto da França a maravilhosa metáfora do Carangueijo, e a conta um+um+um+um que Gallimard, como todo bom defunto, esqueceu de responder: que dia maravilhoso! Como diria meu avô: antes ser ridículo que ser resignado… Meu avô não lia Proust mas sabia das coisas… Grande abraço,

  • Clarice 10/11/2006 at 21:16

    E num é que continuaram? Entrou até o Père Lachaise. Gente mais esnobe. Contente-se com o Monmartre ou o Montparnaise. O Père é de Chopin para cima. Aliás quando eu visitei não tinha ninguém. E quando dei de cara com o túmulo do Chopin saí correndo. Se desse com algum escritor que gosto ia ser um “poblemão”. Ia dar trauma… A minha morte eu não tenho nenhum problema com ela. Mas a dos familiares e as de quem admiro fico arrasada. Ih saí do assunto. Não pode. Confesso que quando o Haroldo de Campos se foi eu fiquei triste prá chuchu.

  • Clarice 10/11/2006 at 21:17

    … o Cort… então, 1984… sniff

  • Clarice 10/11/2006 at 21:26

    Vinicius Jatobá,
    Mas que texto inspirado! Foi o único que tive vontade de ler. Cojmo já disse não sou muito ligada na máquina de publicação. Mas depois que te li abri os olhos. e: “Como diria meu avô: antes ser ridículo que ser resignado” … eu já escrevi em algum lugar que perder a indignação ou nunca ter se indignado é.. não lembro, mas algo por aí parecido com o que o teu avô disse.

  • André 11/11/2006 at 11:00

    Rafael,

    obrigado pelo toque.
    Ainda não enviei nada. Vou fazer isso. Quem sabe, né?
    Fui ao seu blog.
    Me interessei pelos livros.
    Deixo meu mail lá.
    Abraço!

  • vinicius jatobá 12/11/2006 at 11:22

    Foram 41 mensagens para meu e-mail, apenas cinco delas ofensivas. Duas questões imperam: reclamações pelo preço dos livros e certo desgaste com o excesso de publicações; e, por outro lado, curiosidade acerca da janela legal e possibilidade de um mercado de bolsos com livros de qualidade e não apenas republicações daquilo que já fazia sucesso em outras edições brochura. Sete escritores, quatro deles publicados por grandes editoras, estão entre as pessoas que escreveram. Ao que parece a questão é mais rica e interessante do que algumas pessoas aqui (e até o próprio moderador do blog) pensaram.

  • Sérgio Rodrigues 12/11/2006 at 16:36

    Vinicius, não entendi. Se eu não considerasse a questão boa – boa e complexa, foi como a chamei – por que diabos daria a você e ao Gaston o privilégio de uma nota inteira, com citação nominal e tudo? Compulsão por derrubar meu próprio blog? Auto-sabotagem? O tema se presta a argumentações simplistas e agressões gratuitas? Sem dúvida, como vimos. Mas isso não o diminui em nada. Um abraço.

  • Palhares 13/11/2006 at 08:04

    Das 41 mensagens pro email do Vinicius, não teve nenhum revisor se oferecendo, não? “Alto-estima” é brincadeira!!! Antes de buscar melhorar a “condição do escritor”, o sujeito deveria SER um escritor, ou pelo menos aprender a escrever.

  • Fraz Heilborn 15/11/2006 at 23:49

    Ê, Jatobá! Tu é anarfabeto, cabra da peste! Mió trabaiá de ajenti fonerário – u açuguero!

  • Psiu donimo 17/11/2006 at 01:23

    É chato esse Chatobá.
    Não surpreende que chore pitangas não publicadas. Tudo o que não precisamos é de complexo de embrafilme. Já temos burrice demais.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial