A sombra de Tanizaki

22/05/2007

Escrevo (…) estas coisas por ter a impressão de que em algum lugar, quem sabe no campo da literatura ou das artes, resta-nos um caminho capaz de invalidar as já referidas desvantagens. Eu mesmo quero chamar de volta, pelo menos ao campo literário, esse mundo de sombras que estamos prestes a perder. No santuário da Literatura, eu projetaria um beiral amplo, pintaria as paredes de cores sombrias, enfurnaria nas trevas tudo que se destacasse em demasia e eliminaria enfeites desnecessários. Não é preciso uma rua inteira de casas semelhantes, mas que mal faria se existisse ao menos uma construção com essas características? E agora vamos apagar as luzes elétricas para ver como fica.

Eu nunca tinha lido o escritor japonês Junichiro Tanizaki (1886-1965) quando o encontrei no papel de personagem – e talvez um pouco mais do que isso – do bom “O sol se põe em São Paulo”, de Bernardo Carvalho (leia trecho aqui). Mas o ensaio “Em louvor da sombra”, que acaba de sair (Companhia das Letras, tradução de Leiko Gotoda, 72 páginas, R$ 27), me deu a certeza de estar dormindo no ponto. O livrinho, escrito em 1933, é um delicioso – e, paradoxalmente, luminoso – elogio das sombras, valorizadas na cultura oriental de uma forma que o Ocidente, com sua inclinação pelo brilho e pelas transparências, nunca compreendeu nem compreenderá.

Bem diferente da escuridão do “Elogio da sombra” de Jorge Luis Borges, que é reveladora por levar o poeta cego a mergulhar em sua própria alma, a de Tanizaki é uma sombra matizada, suave, que se manifesta até no tom da pele de seu povo. Enquanto ele escreve, porém, a paisagem, sobretudo nas grandes cidades, vai perdendo para sempre parte de sua escuridão na esteira do progresso tecnológico importado. O que leva o escritor a imaginar a cena acima, que soa até estapafúrdia, por parecer invertida, para uma sensibilidade ocidental: a literatura como santuário de obscuridade contra a luz cegante de tudo. Uma delícia. De Tanizaki, a mesma editora já lançou no Brasil os romances “Amor insensato”, “A chave”, “Há quem prefira urtigas” e “Voragem”. “Diário de um velho louco” e “As irmãs Makioka” saíram pela Estação Liberdade.

12 Comments

  • Mr. Ghost(WRITER) 22/05/2007 at 19:58

    Espetacular Sérgio, muito bom mesmo.

    A escuridão é linda… as pessoas que associam a escuridão, a penumbra e os tons de cinza com algo ruim estão perdendo na verdade algo maravilhoso…

  • Djalma Toledo 22/05/2007 at 20:49

    Peraí . Se escuridão fosse linda Deus não teria dito ” — HAJA LUZ! ”
    Eu já tive a oportunidade de ver em um bloco de carvão, ôco, com apenas uma abertura a escuridão. não é nada agradável.

  • Jonas 22/05/2007 at 22:10

    Há Quem Prefira Urtigas é um dos mais delicados relatos sobre o fim de um casamento que já li.

    Sérgio, tinha que rolar um post com as leituras de férias.. ou conseguiu tirar férias delas?

  • Saint-Clair Stockler 22/05/2007 at 23:05

    Voragem é maravilhoso. Tanizaki é um dos grandes escritores japoneses de todos os tempos. Gosto muito.

  • Cezar Santos 23/05/2007 at 08:55

    Bem-vinda de volta, Sérgio… por que o post anterior não foi sobre literatura…

  • Sérgio Rodrigues 23/05/2007 at 09:55

    Agradeço as boas-vindas gerais, que facilitam – sério – a volta ao batente. Quanto às leituras, Jonas, foram tão preguiçosas e despreocupadas que não tenho comentário nenhum a fazer. Do contrário não seriam bem férias. Abraços a todos.

  • Daniel Brazil 23/05/2007 at 10:59

    Talvez Saramago tenha tido a mesma inspiração ao escrever o Ensaio sobre a Cegueira. Os personagens ficam cegos de luz, a cegueira é uma imensidão branca. Será que ele leu Tanizaki?

  • Bernardo Brayner 23/05/2007 at 15:24

    Ótimo trecho, Sérgio. Só conhecia o Tanizaki ficcionista.

  • Pedro Curiango 23/05/2007 at 16:14

    Simone de Beauvoir, no seu livro sobre a velhice, lá pelos idos de 1960, já chamava a atenção para a excepcional qualidade de Tanizaki, principalmente pelo seu “Diário de um Velho Louco”.

  • Claudia Noronha 23/05/2007 at 17:57

    Salve, Sergio! acabei de ler “O sol se põe em São Paulo”, do Bernardo Carvalho, que gostei muito, e fiquei muito curiosa a respeito do Tanizaki. obrigadíssima pela dica! bjão

  • Bola 24/05/2007 at 08:26

    Diário de um velho louco é muito bom. Aquilo é o meu ideal de velhice, doido, cabeça dura, cheio de manias mas ainda capaz de se enfiar em aventuras fetichistas, hehehe

  • Bola 24/05/2007 at 08:26

    Diário de um velho louco é muito bom. Aquilo é o meu ideal de velhice, doido, cabeça dura, cheio de manias mas ainda capaz de se enfiar em aventuras fetichistas, hehehe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial