A volta do ponto de exclamação!

29/04/2009

Scott Fitzgerald disse que usá-lo é como rir da própria piada! Mas agora ele vive uma renascença, segundo este post de Stuart Jeffries no blog do “Guardian”! E a culpa – adivinhem – está sendo atribuída mais uma vez à internet! (Vão acabar descobrindo que a gripe suína se espalha pelo Twitter!)

14 Comments

  • Tibor Moricz 29/04/2009 at 18:42

    O que Scott Fitzgerald tinha contra o ponto de interrogação?

  • Tibor Moricz 29/04/2009 at 18:51

    Perguntem ao C.S. Ele confirmará que o twitter tem esse poder. O twitter é miraculoso. Deveria ser santificado. Ponham um ponto de interrogação no Twitter. Ficara “Twitter!”. maravilha!!

  • isaac 29/04/2009 at 18:53

    morte à literatura publicada na internet!

    pronto, falei.

  • Tibor Moricz 29/04/2009 at 19:16

    Devo ter comido alguma coisa estragada. Onde lêem “interrogação”, entendam “exclamação”…rs

  • marco 29/04/2009 at 21:24

    Sérgio, caro, terminei hoje a leitura de Elza, A Garota.
    Scott que me desculpe mas o livro merece muitos pontos de exclamação.

    abs,
    ma

  • Cláudio Soares 29/04/2009 at 21:41

    Sérgio: post suscinto, treinando para o Twitter?

    Tibor: não, esse era o Yahoo!

    Isaac: ué, literatura e internet não eram incompatíveis?

    Repito: não somos donos da verdade, agora, o incômodo nos gera perguntas e por isso buscamos respostas. E se vocês pararem para pensar, indivíduos inteligentes que são [de pouca fé, mas inteligentes — lembrando que fé e inteligência não são incompatíveis] verão que os “status updates” [no twitter, seriam as respostas à “What are you doing?”] emergem em todas as áreas da nossa sociedade da informação.

    Por que não chegariam à literatura?

    Inclusive, já há quem esteja trabalhando os “status updates” sob a ótica dos chronotopes de Bakhtin. Não por acaso.

  • Cláudio Soares 29/04/2009 at 21:42

    *sucinto

  • Sérgio Rodrigues 30/04/2009 at 00:22

    Marco, digna de exclamação é sua aparição por aqui tanto tempo depois, obrigado.

    Claudio: sucinto nada, estourei mais de cem caracteres. Um desastre com exclamação!

    Abraços.

  • Lya Tapajós 30/04/2009 at 11:54

    Quem tinha horror ao ponto de exclamação era o Graciliano Ramos. E ao gerúndio também.

  • Rafael 30/04/2009 at 13:53

    Pelo jeito, anda tísica, tênue, mínima, raquítica a pauta do The Guardian.

    O mora, o tempores, como se dizia antigamente.

  • Eric Novello 01/05/2009 at 11:58

    Como disse a Ana dia desses, internet não é gênero, é veículo. E sim, vou repetir até todo mundo encher o saco e esvaziar ^^ Abss!

    ps. Tibor, vai montar um blog, vai! :)

  • Claudio Soares 01/05/2009 at 12:59

    Eric: é mais do que veículo. Algo novo sairá daí [em termos literários, digo].

  • Hefestus 06/05/2009 at 23:01

    “Algo novo sairá daí [em termos literários, digo].”

    O otimismo alheio sempre me impressiona quando é tão delirante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial