Bibliotecas depois do terremoto

18/03/2011


As fotos de bibliotecas japonesas pós-terremoto que vêm sendo reunidas pelo site Togetter.com, enviadas por voluntários de diversas cidades, levam Macy Halford a especular, no blog de livros da “New Yorker”, por que essa preocupação com estantes tombadas e tomos esparramados no chão em meio a uma devastação tão completa, que deveria fazer este parecer o menor dos problemas. Bom, talvez por isso mesmo, imagina ela, ao dizer que “as imagens nos permitem ter uma ideia da destruição num ambiente relativamente benigno – livros não são gente”. As bibliotecas funcionariam então como uma poderosa metonímia, tirando sua força menos do que as imagens mostram do que daquilo que sinistramente sugerem.

Faz sentido, mas acho que fica faltando dizer alguma coisa. Num país de povo tão proverbialmente organizado, estudioso e culto, bibliotecas podem ser vistas também como uma metáfora do próprio edifício social – e de sua fragilidade. Num minuto, todo aquele mundo de livros estava perfeitamente ordenado em suas prateleiras por assunto, ordem alfabética etc. No minuto seguinte…

4 Comments

  • zanzoreia 19/03/2011 at 08:47

    E evolucionistas ainda crêem que do caos pode acontecer, espontâneamente,o organizado. ( Vão pentear macaco, ora).

    Esta postagem foi forte.

  • Dourado 19/03/2011 at 16:06

    “EXCLUSIVO: BARACK OBAMA FALA A VEJA”

    Esse ‘a’ não seria craseado?

    • sergiorodrigues 20/03/2011 at 12:28

      Dourado: não é. Por norma de redação, Veja não usa artigo antes de seu nome. Um abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial