Bog

03/01/2009

The Bogus Writer inspeciona as fotos sobre sua mesa de trabalho, imagens de um preto-e-branco granulado e vagamente difuso, como se tivesse baixado uma neblina diante da lente do fotógrafo no momento em que ele, The Bogus Writer, posava contra o muro pichado do centro da cidade com seu ar de tédio, sua gola rulê, seu Gauloise camusiano. As imagens são bonitas, claro. Mas não seriam, o horror, o horror – bonitinhas? No relevo de sua testa alta, billboard semifamoso de uma inteligência superior, franzida neste momento em ondinhas ligeiramente trêmulas, percebe-se que Bog (para os íntimos) não está feliz. Uma dúvida o tortura: e se aquele visual pós-existencialista estiver ficando out-of-date? Solta um suspiro impaciente, atira as fotos sobre a mesa com violência e acende um Marlboro. Na megatela de sua imaginação prodigiosa se vê, imagem difusa, suspirando impaciente e atirando as fotos sobre a mesa com violência, para em seguida acender um – bom, um Gauloise, claro. Pequenas correções desse tipo são a alma do negócio. O cérebro de Bog trabalha atarefado e stacatto, como uma fábrica art déco num poema futurista. Uma nova sessão de fotos com Mika encareceria demais os custos de produção do livro? Atrasaria o lançamento? Irritaria a editora? E se, em vez de Mika, ele se contentasse com um fotógrafo menos cultuado? Ah, mas isso no, non & nein. Atraso, sim; barateamento estético, jamais. Seria la mort annoncée, como disse, às vésperas daquela batalha napoleônica – quem mesmo? Precisava checar no Google. Uma vez aberto o site de busca, porém, The Bogus Writer acaba por se distrair. Encontra na memória do computador a última consulta que fez ontem à noite: “Toshiro Ito”, páginas em português. Decide repetir a busca. O resultado demora dois segundos a aparecer. Logo no alto da tela, como temia, TBW encontra a péssima notícia: Toshiro Ito, o príncipe ultragay do movimento Animal Evisceration e dos minicontos canibalísticos, adolescente genial que há três meses tomou de assalto o submundo de Tóquio, essa peça rara e supostamente intragável acaba de ganhar mais um elogio na imprensa burguesa brasileira, esta manhã. Uma onda de ódio sobe ao rosto de Bog, que apaga com fúria seu Marlboro no cinzeiro em forma de penico. Absurdo, absurdo, repete baixinho, apertando os dentes. Com este, são três os elogios que a dita grande imprensa, hoje uma coisa desgovernada, totalmente perdida em sua decadência inexorável, são três os elogios – e elogios luxuosos, caprichados – que Toshiro Ito amealha neste paisinho de bosta. Ou seja: seguindo o princípio que estabeleceu para si mesmo há anos, Bog, que até este momento foi um empolgado porta-voz extra-oficial de Ito no Brasil, será obrigado a nunca mais tocar no nome do rapaz em público. Ou, se tocar, precisará compor meticulosamente aquela máscara de lábio superior retorcido que todo escritor digno deste nome dedica aos coitados que o público em geral aprendeu a admirar. Eis o primeiro mandamento do Supercool Writer’s Decalogue, a cartilha seminal de Otto Bax, o berlinense suicida. Que, pelo menos este, nunca foi citado na grande imprensa brasileira – nem tudo está perdido. Bog acende outro Marlboro-Gauloise e pega de novo a pilha de fotos em que fumega o Gauloise verdadeiro. Então, pela primeira vez hoje, sorri. Quem disse que seria uma vida fácil?

3 Comments

  • Saint-Clair Stockler (v.2009) 03/01/2009 at 09:53

    Esse texto me lembra o Santiago Nazarian. Rsrsrsrs.

    Saint-Clair – Versão 2009 – melhor, mais pesada, com todos os originais de fábrica mais bluetooth, e ainda – oh, yeeeeeeah!!! – mais caliente.

  • Henrique Araújo 03/01/2009 at 11:01

    Ri às pencas…

  • Isabel Pinheiro 03/01/2009 at 12:15

    Sérgio, boa notícia para começar o ano, essa dos Sobrescritos em papel. Parabéns!

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial