Bogotá, capital mundial do livro

11/07/2006

A “Folha de S. Paulo” (aqui, mas só para assinantes do jornal ou do UOL) informa que Bogotá recebeu da Unesco, para ostentar ao longo do ano que vem, o título de Capital Mundial do Livro. A capital da Colômbia é a primeira cidade da América Latina a merecer a distinção, mas parece haver justiça nisso. Uma epidemia de leitura que a experiência brasileira torna difícil até de conceber estaria começando a mudar a imagem colombiana de país violento e ingovernável – ou pelo menos mostrando que ela não é exclusiva:

Com 2,7 milhões de visitantes por ano, a Biblioteca Luis Ángel Arango, em Bogotá, é uma das mais visitadas do mundo. Recebe, em média, 9.000 pessoas diariamente. É mais do que a soma de visitantes de Masp (Museu de Arte Moderna de São Paulo), Biblioteca Mário de Andrade e Pinacoteca juntos por dia.

Mantida pelo Banco Central do país, ela tem 2 milhões de livros e capacidade para 2.000 leitores sentados. Nos últimos anos, a BLAA fez escola: a prefeitura local construiu outras megabibliotecas pela cidade e criou diversos programas de leitura que visam formar leitores em massa.

11 Comments

  • O Espezinhador 11/07/2006 at 16:59

    Seria um bom exemplo para o Brasil. Mas num país que fica em último lugar no índice de compreensão e interpretação de texto no mundo, é mais fácil sonhar em ganhar a Mega Sena acumulada…

  • Cheirando Henrique Cardoso 11/07/2006 at 17:42

    Tudo cortina de fumaça. As páginas dos livros são usadas como papelote pra embalar cocaina.

  • BCK 11/07/2006 at 23:36

    Não entendi como o fato dos colombianos visitarem suas bibliotecas torna o país deles menos violento e ingovernável… Isso, claro, fora daquela utopia de “ler é o remédio para todos os males” que se vê espalhado por aí todos os dias.

    Garanto que ler Cem Anos de Solidão, por mais incrível que seja o romance, não te ajuda se você está no porta-malas de um carro amarrado e amordaçado.

  • Fábio 12/07/2006 at 01:47

    As vezes fico me perguntando se ver novela ou assistir filme também ajuda em algo quando você está preso dentro de um porta-malas de um carro amarrado e amordaçado. Óbvio, deve ajudar. Pois as pessoas culpam apenas os livros, falando, bem, se eu ler ou não, não vai mudar a minha vida mesmo ou me tornar rico. Mas por que ninguém culpa filme, televisão ou ver jogo de futebol em um estádio pela sua falta de dinheiro? Ou que não vai ajudar dentro do porta-malas amarrado e amordaçado? Sei lá hein…
    E garanto, se você ler Cem Anos de Solidão, ficará feliz. Pois saberá que foi um humano que escreveu aquilo e terá esperanças de que o lado bom da humanidade ainda existe.

  • Luiz Mozzambani Neto 12/07/2006 at 09:14

    Espero que este e outros bons exemplos sejam importados o quanto antes… Isso para equilibrar com as exportações que fazemos de maus exemplos.

  • Rafael 12/07/2006 at 09:58

    Espero que o Brasil pegue isto com exemplo, e passe a valorizar mais a educação

  • Paulo Osrevni 12/07/2006 at 10:12

    Comparar com a biblioteca Mário de Andrade é até covardia. Lá, pra você conseguir ler um livro, precisa ajoelhar e implorar aos funcionários a permissão para continuar respirando. Afinal, você está atrapalhando o descanso deles só por estrar no recinto!

  • Carlos 12/07/2006 at 11:51

    Os índices de homicídios vêm caindo ano após ano em Bogotá, e realmente é reflexo de um projeto chamado “cultura cidadã” implantado pelo Prefeito Antanas Mockus em sua primeira gestão. De janeiro a junho deste ano Bogotá registrou 966 homícidios, ou 27,4 por 100 mil habitantes, São Paulo, registrou o ano passado 36,93 por 100 mil habitantes, não obtive na SEADE dados pós ataques do PCC. Certa vez em um seminário sobre economia da cultura realizado em Bogotá o Presidente da Câmara Colombiana do Livro reclamava sobre o índice de pirataria na industria livreira, informando que a autobiografia de Gabriel Garcia havia saído com 1 milhão de exemplares legais e estimava que igual número havia sido publicado em edição pirata. Eu disse a ele que isto era sinal que o povo estava lendo, e as editoras deveriam analisar isto para tirar proveito lançando edições mais baratas.

  • Rosa 12/07/2006 at 11:54

    … E a gente continua procurando uma “utilidade” para a literatura … Agora, ela precisa também reduzir a violência? rsss Acho fantástica a experiência colombiana. Sinto uma falta imensa de coisa ao menos parecida no Rio de Janeiro.

  • Writing Ghosts 13/07/2006 at 01:39

    considerando apenas dois fatos: A) a eterna reforma da Biblioteca Mário de Andrade, B) e o MinC ser o penúltimo ministério em investimentos – só perdendo para o da Pesca -, já dá pra ver porque até Bogotá consegue investir mais em cultura, formando novos leitores e tal, que nós por aqui.

    aliás, mudando um pouco – mas no fundo nem tanto – não era Santiago, no Chile (!), que tinha um metrô maior que o de São Paulo?

  • evora oliveira 18/07/2006 at 14:16

    li essa semana na veja que a colombia eh o segundo pais mais feliz do mundo, deve ter a ver alguma coisa a ver pq qdo leio um bom livro, me sinto uma pessoa melhor…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial