Carpinejar, discípulo de Artur da Távola

15/05/2006

Este blog, fiel a seu nome, não discute poesia. Fabrício Carpinejar, o talentoso e festejado poeta gaúcho de 33 anos que escreveu, entre outros livros pelo menos interessantes, “Um terno de pássaros ao sul” e “Cinco Marias”, pode ou não ter sua importância exagerada pelo momento pouco exuberante da poesia brasileira – isso não vem ao caso. O certo é que nada me preparou para o choque de encontrar nas suas crônicas, reunidas no volume “O amor esquece de começar” (Bertrand Brasil, 288 páginas, R$ 35), o trabalho de um desenvolto seguidor de Artur da Távola.

Entre o livro de Carpinejar e um Távola clássico como, digamos, “Do amor – Ensaio de enigma”, as diferenças são adjetivas ou nem isso. Por exemplo, qual dos dois escreveu, com rima involuntária e tudo, que “no momento em que a gente ama, é difícil não sentir timidez ao mostrar a nudez. Quem não tem vergonha não ama”? E quem disse que “a mulher que perdeu o seu amor é alguém com óculos de ver eclipse na alma. Fica com olhar de rinoceronte e olho de cambaxirra”? Um deles escreveu que “o casado não suporta fazer relatórios de onde vai e quando volta. O solteiro não suporta não ter alguém para contar o que anda fazendo”. O outro rebate: “A descoberta mútua prescinde de escolha. Ela cria um mágico território comum de adivinhações”.

(Resposta, só para constar: Carpinejar, Távola, Carpinejar, Távola.)

O gênero é antigo: a prosa sentimental em que platitudes são enfileiradas para criar a ilusão de que o autor vai ao âmago das relações afetivas, homem supersensível que é, quando na verdade apenas enovela algodão-doce. Crônicas para adolescentes suspirosas copiarem no caderno, só isso. Nada contra: adolescentes suspirosas também são gente – sobretudo, adolescentes suspirosas compram livros. Mas ninguém pode me culpar por não esperar isso de alguém que, em sua poesia, parecia tratar a escrita com boa dose de rigor.

16 Comments

  • Juca Adenauer 15/05/2006 at 01:47

    Sérgio,

    Você atribui o sucesso do Carpinejar ao suposto contraste com o “momento pouco exuberante da poesia brasileira”. Diga aí, então, o nome de 5 livros de poesia brasileira que você leu nos últimos anos e que o levaram a concluir por esta falta de “exuberância” (aliás, que vocabulário, hein? Este adjetivo me parece mais adequado para tratar de moda que de poesia).
    Mas vou ficar à espera da sua listinha de livros. Porque tenho certeza de que você não leu nenhum livro de poesia brasileira contemporânea, e está só repetindo o lugar-comum de criticastros sobre o tema.

  • Luis Fragoso 15/05/2006 at 08:15

    Caro Sérgio,

    Curioso: sua crítica (com uma ponta de amargura) sobre o belíssimo livro de Carpinejar acaba justificando (involuntariamente? Jamais saberemos) a epígrafe de Eliot que você mesmo cita…

    Seja como for, ponto pra ti por ter trazido o livro para o blog.

    Abraço,

    Luis

  • Sérgio Rodrigues 15/05/2006 at 08:52

    Adenaer, aprenda a ler. Talvez por escrever versos, suponho, e ter se sentido pessoalmente atingido por minha nota, viu tudo borrado. Não “atribuo” nada, digo textualmente que Carpinejar é talentoso. Mas o momento poético é pouco exuberante, lamento, e vou te dar mais uma notícia que pode perturbá-lo – não só no Brasil.

    Quanto ao seu desafio pueril de cinco livrinhos de poesia, tenho mais o que fazer. Se você acha realmente que alguém pode ter um blog de literatura dentro de uma revista eletrônica como o NoMínimo sem ter lido cinco livrinhos de poesia em anos, você deve viver num mundo intelectual de faz-de-conta.

  • Luis Antônio Escobar 15/05/2006 at 12:43

    Influência ou plágio?

  • Bruno 15/05/2006 at 14:06

    Escobar: influência. Plágio é outra coisa.

    Rodrigues: e se o Updike resenhasse o Carpinejar?

  • totonho 15/05/2006 at 14:15

    dá-lhe pau, sérgio! Esse adenaver é uma besta! Sangue e literatura: uma dupla que tem feito falta!

  • Sérgio Rodrigues 15/05/2006 at 18:12

    Aquele Juca Adenauer do comentário ali em cima teve a honra duvidosa de ser o primeiro leitor de Todoprosa a ter um comentário excluído por ofensa gratuita. O pau pode até quebrar aqui, a idéia é essa mesmo. Mas gente sem um mínimo de educação e argumentos racionais não vai se criar. Todos os outros, sintam-se à vontade.

  • Shirlei Horta 15/05/2006 at 21:25

    Sérgio, muito da prosa de Cecília Meirelles é poético (verificável no ritmo, sons, no encadeamento das palavras) como também é poético o Splen de Paris de Baudelaire. Em casos especiais, de gente muito especial (sem dúvida) é difícil delimitar onde termina a prosa e se inicia a poesia e vice e versa.
    Verdade seja dita: há má poesia e má prosa pra todo lado.

  • fat james 17/05/2006 at 18:53

    Boa ou má, ainda fico com a frase de Octávio Paz:
    “A Poesia é a arte da imensa minoria.”

  • Juca A. 18/05/2006 at 01:22

    Vocês querem saber qual foi meu comentário sem educação, que o Sergio Rodrigues excluiu?
    Apenas reafirmei (não lembro mais com que palavras) que, pela resposta escrota dele, era evidente que não havia lido um mísero livro de poesia brasileira nos últimos anos.
    Esqueci de dizer que ele é mais um jornalistinha de merda repisando os lugares-comuns de outros jornalistinhas de merda sobre literatura. A poesia vive um momento pouco “exuberante”… OK, Sérgio Rodrigues… Demonstre o que diz. Saia da generalidade covarde e burralda.
    Na verdade, pouco “exuberante” (o adjetivo é engraçadíssimo!) é a imprensa cultural brasileira, que criou uma fraude como Carpinejar e agora vem com essas lengalengas.
    Porque o destaque que o Carpinejar vem tendo não se deve à suposta superioridade de sua poesia diante de um deserto poético. Deve-se, sim, ao fato de que, há alguns anos, quando ele conquistou um prêmio fajuto na Itália, mandou releases para os cadernos de cultura divulgando o fato – e os jornalistas caíram na dele. O resto está aí.

  • Juca A. 18/05/2006 at 01:37

    Só mais uma pergunta: quando você escreve que “o momento poético é pouco exuberante (…) não só no Brasil”, depois de ter dito que o Carpinejar provavelmente se destaca por contraste com este momento pouco “exuberante” (risos), está sugerindo mesmo (pelo menos é o que parece) que a poesia dele é superior não só à poesia brasileira contemporânea, mas também superior à poesia contemporânea de qualquer lugar? Sério, Sérgio? Que piadas mais você tem para nos contar?
    Não há nada de bom sendo escrito em francês, em italiano, em alemão, em inglês, em espanhol? (Imagino que pelo menos estas línguas você leia.) Nada em catalão, em basco, em finlandês, em hebraico, em árabe, em farsi, em malaio, em sueco, em húngaro, em búlgaro, em romeno, em quéchua, em tupi, em tailandês, em mandarim? Nada em japonês? Pô, o Carpinejar se destaca mesmo em relação aos poetas que escrevem em esperanto? Em volapuque? Bom, então me rendo, o momento é pouco “exuberante” mesmo. Você venceu.
    (Mas claro que você vai apagar este comentário também… Tudo bem. Eu volto.)

  • Juca A. 18/05/2006 at 01:42

    Se um dia você se dignar a apresentar a listinha dos cinco “livrinhos de poesia” que você leu e não gostou, ou que não leu e não gostou (tudo bem… tá valendo), aproveite e anexe uns dois ou três exemplos da “boa dose de rigor” que você encontra na poesia do Carpinejar.
    (Hoje ao meio-dia, comi uma espiga de milho, sem mastigar direito. Deu caganeira, claro. Ao sair da latrina, olhei para baixo. O que vi ali? Uma “boa dose de rigor”.)

  • Sérgio Rodrigues 18/05/2006 at 09:03

    Senhoras e senhores, com vocês, nos três comentários acima, o Adenauer. Como desta vez ele conseguiu usar mais argumentos (tolos e ressentidos, mas fazer o quê) que palavrões, escapou de ser apagado. Aproveitem.

  • Alberto C. 19/05/2006 at 13:34

    Literatura é pior que política.

    Uma paixão pelo que sei lá o que lhes sai à cabeça…

  • Ana Lúcia Rodrigues 19/05/2006 at 17:09

    Fui ao lançamento do livro (Caixa de Sapatos) do Carpinejar aqui em Lisboa, curiosa depois de ter lido uma entrevista dele no suplemento literário de um jornal local (está lá no site dele a tal entrevista). Fiquei curiosa porque não o conhecia; porque estou longe e quero saber do que há de novo no Brasil. O lançamento me surpreendeu, pela presença tão exuberante e bem-humorada do autor. Mas o livro, que comprei, disse-me pouco. Como se fosse algo velho com aspecto de novo. Digamos até que ele sabe criar a expectativa, mas quando se abre o livro, ele não chega lá. Não justifica qualquer arrebatamento. Entretanto, vou continuar atenta. (PS. costumo ler poesia)

  • diana kraercher 31/12/2006 at 21:43

    pena que o adenauer parou de postar… era tão divertido!
    volta, adê!!!
    faz a galera rir outra vez!!!

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial