Começos inesquecíveis: Martín Kohan

04/07/2008

O caderno de anotações estava aberto no meio da mesa. Tinha só uma frase escrita nessas duas páginas que ficavam à vista. Dizia: “A partir de que idade se pode comesar a torturar uma criança?”

O fortíssimo começo de “Duas vezes junho” (Amauta Editorial, 2005, tradução de Marcelo Barbão), do argentino Martín Kohan, que comprei ontem na tenda montada pela Livraria da Vila em Parati, fez crescer meu interesse pela mesa que começa daqui a pouco (e que terá ainda Nathan Englander e Vítor Ramil). A novela de Kohan aborda a violência da ditadura argentina de forma original já a partir de seu começo estarrecedor: o erro de ortografia representado por “comesar”, uma bobagem, será prontamente corrigido; a barbaridade demencial, mas ao mesmo tempo burocrática, de torturar um recém-nascido para obrigar sua mãe a falar, não.

9 Comments

  • Felipe 04/07/2008 at 16:16

    Muito bom.

  • Tibor Moricz 04/07/2008 at 16:45

    Assustador.

  • André Gonçalves 04/07/2008 at 17:50

    curiosíssimo!

  • Andréa 04/07/2008 at 18:03

    Fibrilei!

  • Mr. WRITER 04/07/2008 at 18:52

    Eu quero ler…

  • Jonas 04/07/2008 at 19:42

    Me deram o Ciências Morais, que saiu agora. Eu folheei e não tive vontade de ler. Vou espiar de novo.

  • renatinha 04/07/2008 at 20:36

    instigante, eu diria.

  • Anderson 05/07/2008 at 12:16

    O começo é tão bom, mas tão bom, que o livro, infelizmente, não vai muito além dele. Não chega a ser ruim, mas não é nada que empolgue.

  • Clara 08/07/2008 at 02:30

    Comprei o Ciëncias Morais, dele.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial