Começos inesquecíveis: Raymond Chandler

02/05/2008

chandler.JPGO vidro martelado da porta tem um letreiro em tinta preta trincada: “Philip Marlowe…. Investigações”. É uma porta razoavelmente decadente no fim de um corredor razoavelmente decadente, num edificio do tipo que era novo ali pelo ano em que o banheiro com azulejo até o teto se tornou a base da civilização. A porta fica trancada, mas ao lado dela há uma outra, com letreiro igual, que não fica. Pode entrar – não há ninguém aqui além de mim e de uma enorme mosca varejeira. Mas não se você for de Manhattan, Kansas.

O início de “A irmãzinha” (The little sister, The Library of America, tradução caseira), de Raymond Chandler, o grande estilista da literatura policial americana hard boiled, já devia ser inesquecível quando foi publicado pela primeira vez, em 1949. Ainda mais inesquecível se tornou, porém, depois que milhares de escritores mundo afora fizeram questão de lembrá-lo, lembrá-lo e lembrá-lo de novo, numa avalanche de imitações, sátiras, pastiches, glosas e homenagens que encheriam bibliotecas. Um processo de lugar-comunização tão avassalador que, a esta altura, estará desculpado quem preferir esquecer o inesquecível. É estranho pensar que nunca mais será possível ler esse parágrafo sem ouvir os ecos de suas palavras ricocheteando entre as estantes infinitas.

14 Comments

  • Saint-Clair Stockler 02/05/2008 at 09:01

    O que eu gosto no Chandler é esse seu humor que se entrevê às vezes, essa ironia curta e grossa.

  • Ernani Ssó 02/05/2008 at 13:37

    Sérgio, confesso minha culpa: também me somei ao eco, num conto chamado “Safári”, que saiu no jornal eletrônico NÃO. Ve aí:

    Na vidraça à prova de balas da porta, lia-se, em letras pretas: Félix Ferreira — Safáris. Era uma porta relativamente gasta, ao fundo de um corredor também relativamente gasto, num edifício que fora novo no ano da primeira colônia em Marte. A porta estava fechada com um dispositivo eletrônico, mas ao lado, com a mesma inscrição, havia outra, aberta, que dava para uma cabina de identificação.
    Pela janela, eu podia ver o Cristo Redentor, sem um braço e sem a cabeça, entre as nuvens de gases tóxicos. Há cinco anos estava assim, detonado numa guerra de traficantes. Era um fim de tarde e o verão rugia com o trânsito nas ruas, quarenta andares abaixo.

  • Tibor Moricz 02/05/2008 at 15:24

    Chandler tem uma ironia que encontro também nos livros de Rex Stout. Ambos incríveis.

  • Pedro Nash 02/05/2008 at 15:31

    Oi! Lembro que você comentou sobre o começo de Moby Dick, o famoso “Call me Ishmael”. Agora uma nova tradução saiu, gostaria de saber a sua opinião!
    Leia um trecho aqui: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u395648.shtml

  • Mr. WRITER 02/05/2008 at 16:19

    Ironia, taí um recurso muito interessante e que poucos sabem usar e que menos ainda são os que apreciam ou entendem…

    Bela dica.

  • Felipe 02/05/2008 at 16:30

    Então aí está a primeira “placa-na-porta-com-nome-de-detetive” da literatura? Que beleza…

  • Sérgio Rodrigues 02/05/2008 at 16:42

    Legal, Ernani. Eu devia ter imaginado que, como bom chandleriano, você estaria no time. Também tenho uns ecos aqui na gaveta, todos inéditos. Mas depois do escracho do Ed Mort, confesso que perdi um pouco o pique.

    Pedro, como comentei dia desses com o Felipe, acho a solução “Trate-me por…” muito boa. Já a decisão de manter a grafia Ishmael, em vez de Ismael, me parece menos feliz.

    Abraços a todos.

  • Sérgi Karam 02/05/2008 at 18:45

    Viva Chandler!!!

  • Silvio... Silva 03/05/2008 at 10:46

    Viva Chandler!!! [2]

    Que coincidência eu dar de cara com esse post! Nos últimos dias ando passando um planejado “pente fino” nos filmes do período noir (Pacto de Sangue, Crepúsculo dos Deuses, Relíquia Macabra, Marca da Maldade…)

    Essas produções devem muito à literatura de figuras como Chandler, Dashiell Hammett…

  • Harpia 05/05/2008 at 12:54

    Este processo de lugar-comunização pode inclusive gerar algumas decepções.
    Saindo da literatura, mas ainda no contexto, a 1a vez que ouvi Hendrix foi uma decepção. Não consegui identificar o “grande inovador da guitarra” no que ouvia, simplesmente porque os seus melhores truques e maneirismos já haviam sido devidamente assimildos e diluídos por uma série de guitarristas que eu, por acaso, conheci primeiro.
    No caso de Chandler, por exemplo, embora goste de seus romances, não consigo deixar de ouvir uma vozinha dizendo “Meu nome é Mort, Ed Mort …”

  • Cezar Santos 05/05/2008 at 17:46

    O estilo do Chandler é tão forte que fez a cabeça de gerações de candidatos a escritores e mesmo de escritores consagrados.
    O Veríssimo que o diga, cronista brilhante — pois que a crônica (principalmente aquela de cunho humorístico) aceita e suporta o pastiche —e romancista menos que mediano.
    Mas esse estilo ai, de tão imitado, já tá dando no saco…

  • Cezar Santos 05/05/2008 at 17:49

    E tem mais, imitar isso, principalmente tendo os livros do Chandler à mão, é facílimo. Mas quero ver a história, a psicologia dos personagens… ai é que tá o busílis.

  • Thiago Carvalho 11/05/2008 at 12:23

    Dizem que Raymond Chandler é incrível, mas nunca tive oportunidade de ler nada dele, mas pretendo em breve..
    Li Procura-se uma Vítima, livro do Ross MacDonald, que é considerado um sucessor dele, e gostei bastante.

    Parabéns pelo site..
    Estou colocando um link e um banner seu no meu blog, que é sobre romances policiais. O endereço é:
    http://romancespoliciais.blogspot.com

    Se tiver algum problema é só falar que eu retiro. Ok ?

    Abraços

  • Sérgio Rodrigues 11/05/2008 at 20:37

    Thiago, obrigado pelo link. E se você gosta de romance policial não deixe de ler o Chandler, o cara é um monstro. Um abraço,
    Sérgio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial