Começos inesquecíveis: Hilda Hilst

07/09/2006

Deus? Uma superfície de gelo ancorada no riso. Isso era Deus. Ainda assim tentava agarrar-se àquele nada, deslizava geladas cambalhotas até encontrar o cordame grosso da âncora e descia em direção àquele riso. Tocou-se. Estava vivo sim. Quando menino perguntou à mãe: e o cachorro? A mãe: o cachorro morreu. Então atirou-se à terra coalhada de abóboras, colou-se a uma toda torta, cilindro e cabeça ocre, e esgoelou: como morreu? como morreu? O pai: mulher, esse menino é idiota, tira ele de cima dessa abóbora. Morreu. Fodeu-se disse o pai, assim ó, fechou os dedos da mão esquerda sobre a palma espalmada da direita, repetiu: fodeu-se. Assim é que soube da morte.

Começa assim “Com os meus olhos de cão” (Editora Globo, 2001), novela lançada em 1986 pela escritora paulista Hilda Hilst (1930-2004). Ou assim começa sua parte em prosa: tomei a liberdade de excluir os doze versos curtos que a antecedem para ir direto a esse monumental, enigmático Deus “ancorado no riso”. Observa Alcir Pécora, organizador das obras reunidas de Hilda, que “o obsceno é nome do cordame grosso com que se desce a este fundo”. Acrescentar alguma coisa? Eu não. Ancorado no silêncio, leio.

7 Comments

  • Odeio Mala 07/09/2006 at 02:45

    Hilda Hilst será sempre respeitada pela obra tomada em conjunto, pelo estilo e pela agudeza intelectual.
    Surpreendeu, quando no final da vida, partiu para experiencias de certa forma extravagantes; navegou pelo erotismo, pornografia, escatologia, ciências ocultas ou esotéricas. Trocou o bálsamo pelo absinto e, ao invés do lirismo, cultivou o texto soturno, amargo, de quase deboche. Em parte, desencantou muitos leitores e admiradores.

  • Saint-Clair Stockler 07/09/2006 at 11:34

    Hilda é uma das minhas paixões mais enigmáticas. A definição de Deus é antológica… Amo esse texto!

  • ALFREDO GARCIA 07/09/2006 at 18:01

    Hilda merece todos os elogios. Seja lírica ou mesmo escatológica. Hilda é um monumento à criação literária em Língua Portuguesa.

  • JI JOE 07/09/2006 at 23:37

    Hilda Hilst era uma doida que morava com 30 cachorros e seus respectivos cocôs dentro de casa. Apodreça no inferno velha porca.

  • Flávio Rios 08/09/2006 at 12:12

    perturbado o rapaz em cima….

  • Deise Guelfi 08/09/2006 at 17:31

    Ahahahahahah!!! Não dá nem pra comentar mais nada.

  • Amigo do Blergh 11/09/2006 at 00:00

    Vou ali ler um livro que valha a pena e já volto.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial