Começos inesquecíveis: Rubens Figueiredo

24/11/2006

Não não. Papel, não. Ninguém vai falar de papel aqui. Não é coisa que se fale. Papel. Mas já reparou como tem papel por aí, espalhado, empilhado, grampeado, no mundo inteiro, um mundo de papel. Olha bem. Papel de parede, lenço de papel, papel-moeda, toda hora a gente está pegando ou olhando para um papel.

Que nem você aí parado.

E não precisa nem se mexer porque é aqui perto, bem pertinho, nessa página mesmo, que tem uma pessoa a um passo e a poucas páginas da maior complicação da sua vida por causa de um punhadinho bobo de papel.

Não conheço muita gente que concorde comigo, mas lamento que Rubens Figueiredo tenha abandonado tão definitivamente o estilo efervescente de seus três primeiros livros, “O mistério da samambaia bailarina”, “Essa maldita farinha” e “A festa do milênio” – em que brincava desvairadamente com a linguagem em farsas rebuscadas e divertidíssimas –, para se dedicar aos meios-tons melancólicos de obras como “As palavras secretas”, “Barco a seco” e “Contos de Pedro”. Sim, foi esta segunda fase, sem dúvida competente, que tornou Rubens respeitado pela crítica brasileira. Mas eu, que sempre tive medo de confundir seriedade com sisudez, confesso sentir falta de abrir um livro dele e encontrar um início empolgante como o de “Essa maldita farinha” (Record, 1987).

11 Comments

  • Saint-Clair Stockler 24/11/2006 at 18:43

    Meu professor Flavio Carneiro (outro bom escritor) disse isso uma vez: ele também é dos que gostam desses 3 livros. Dois deles (não me lembro quais) podem ser encontrados na cada vez mais empoeirada, defasada e nojenta biblioteca do andar de Letras da Uerj, mas eu nunca me animei a pegá-los. Vou experimentar.

  • Saint-Clair Stockler 24/11/2006 at 18:47

    Não sei se, de alguma forma, “O livro dos lobos” pode ser encarado como ocupando um lugar intermediário entre essa fase mais, digamos, “colorida” e a atual (já de algum tempo), mas é um ótimo livro de contos. Foi meu primeiro contato com a obra do Rubens.

  • Roberto 24/11/2006 at 19:36

    Eu sempre quis ler esses primeiros livros do RF. Sobre os últimos, tenho exatamente a mesma impressão que o Sérgio – e é o que sinto, também, em relação ao Michel Laub: puta escritor, puta texto, mas falta alguma coisa, uma irresponsabilidade, a sensação de que o cara escreveu aquilo com gosto, que pegou na veia mesmo. Acho os dois “profissionais” demais, se é que isso pode ser um defeito.

  • Jonas 24/11/2006 at 19:40

    Eu também vejo isso no Laub, Roberto, mas no Rubens não. Ele trabalha com frases mais longas, tem um estilo lento e pensativo que me agrada. O Laub é sem sal, insosso. Muito melhor crítico que ficcionista. Pelo menos pelo livro que li dele (Música Anterior).

  • Roberto 24/11/2006 at 20:15

    Talvez você tenha razão, Jonas. Comparando, eu realmente prefiro o Rubens ao Laub. Mas os dois são caras que me despertam a vontade de dar uma chacoalhada e dizer: “relaxa, cara!”.

  • Roberto 24/11/2006 at 20:17

    Se bem que “relaxa”, no caso do Laub, pode ser definitivamente soporífero…

  • Silviano Wilson Martins Tinhorão Piza 24/11/2006 at 22:13

    Laub é um ótimo sonífero. Sempre que estou com insônia saco meu exemplar de “Longe da Água”, leio dois parágrafos e em dois minutos estou afundado num sono pesado. Deviam vender o Laub nas farmácias. Melhor que Valium

  • Breno Kümmel 25/11/2006 at 07:41

    Eu prefiro a segunda fase do Rubens, mas admito que não há ninguém hoje que se pareça com sua primeira fase.

  • Moutinho 25/11/2006 at 15:33

    Tbm prefiro a segunda fase, com destaque para “Barco a seco”

  • Breno Kümmel 26/11/2006 at 21:00

    Tem a excelente frase inicial do conto “a arte racional de curar”, do Palavras Secretas:

    “Ao aproximar sua mão do cachorro, teve medo dos dentes de bronze”.

    (o conto na verdade não está entre os melhores dele, mas esse início é genial).

  • Simone 27/11/2006 at 03:45

    Pois é, até a literatura blogueira, que tinha tudo pra ser menos vetusta, é um apanhado de autobiografias de pessoas que levam muito a sério o fato de serem “cool”. Aí não dá.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial