Conto de carnaval: A máscara

15/02/2010

Todo cuidado é pouco com essa máscara, viu, Vi? Não, sua boba, empresto com prazer porque você sabe que é a minha neta preferida, e além disso tem outras coisas, sinto um arrepio só de imaginar que a minha máscara negra veneziana nariguda vai se soltar por essas ruas outra vez depois de meio século guardada numa caixa de chapéu com a tampa afundada, devia andar triste, a coitadinha, olha só esses olhos vazados caídos, tão merencórios. Ah, esses olhinhos viram coisa, Vi. Claro que não era como agora, era melhor, era pior. Diferente: eu nunca fui de folia e nem podia ser, sempre fui certinha. Seu avô, sim, aquele se esbodegava inteiro, saía no sábado pra voltar na quarta-feira que nem na música da camisa listrada, só que a fantasia dele, infalível, era de arlequim – conhece a música da camisa listrada? Ainda toca isso? Em vez de tomar chá com torrada ele tomou parati, não, imagine se vai tocar. Agora é diferente, pior, melhor, depende. Por exemplo, quando você casar, duvido que agüente o que eu agüentei. Não agüenta, Vi, mudou demais. Para melhor, nesse ponto eu acho que foi para muito melhor, porque se o seu marido um dia sair por aí com um canivete no cinto e um pandeiro na mão, sossega leão e tal, eu acho que você pode até aceitar, mas conhecendo você como eu conheço, eu sei que mal a porta bateu você vai sair também, você pra lá, eu pra cá, até quarta-feira, lalaiá, lalaiá. Sossega leoa – vai ou não vai? Pois eu acho que está certíssimo, querida, nós é que éramos bobas no meu tempo, eu era. Engolia, agüentava, chorava no travesseiro, noite em cima de noite perdendo o viço. Uma mulher guardada numa caixa de chapéu com a tampa afundada, cheiro de naftalina, ih, estou melosa, estou dramática, mas era assim. Não admira que os olhinhos fossem ficando merencórios, que o marido perdesse o interesse e procurasse cada vez mais passatempos, depois vinha cair na cama sem tirar nem o sapato. O seu avô, por exemplo: um homem bom, trabalhador, mas um patriarcão de antigamente, acho que um dos últimos. Pisada firme, vozeirão, chicote no cinto, chicote é maneira de dizer, que no Rio de 1950 ninguém usava chicote, mas você entende. Sua mãe não era nascida ainda, os outros quatro sim, aquela escadinha, e foi aí que ele me prometeu. O baile de máscaras do sábado de carnaval no casarão da Glorinha Pissaraçuba na Praia do Flamengo – não tinha programa mais cintilante, jóia social mais cobiçada naquele tempo. Era diferente demais, melhor, pior, eu não disse? Melhor, Vi, nesse caso era melhor porque nós íamos pela primeira vez no baile da Glorinha Pissaraçuba, ah, você tinha que ver a minha felicidade! A máscara veneziana eu comprei na Rua do Ouvidor para a ocasião, não foi barata, negra porque assim ficava mais discreto, mais digno, seu avô aconselhou. Aconselhou? Essa é boa, aconselhou nada, mandou, pois é. O vestido ia ser um verde brilhoso de festa que já começava a encardir no armário, mandei tirar, lavar, quarar, engomar, chegou o dia e eu fui fazer o cabelo, as crianças excitadas só de ver a minha felicidade, mamãe vai sambar, vai sambar, sambar, e quando chegou a hora, Vi – sambei, justamente. Seu avô ligou da rua dizendo que a gente não ia mais no baile de máscaras, imprevistos, ele falou, contratempos, uma palavra assim. Eu sabia o tipo de contratempo que ele gostava, aquele que o cabelo não nega mas em compensação a cor não pega, feito dizia o Lamartine. Seu avô não era fácil e a gente era boba demais, triste e amargurada, não tinha essa sabedoria das mulheres de hoje, não tinha o salve o prazer, salve o prazer. Me tranquei no quarto aquele sábado, os olhinhos merencórios dessa máscara negra aí, essa mesma, ficaram me olhando em cima da cama um tempão. Foi a Conceição que pôs as crianças para dormir, apagou a casa toda, você não teve tempo de conhecer a Conceição, até hoje eu sinto saudade. Ela cuidou de tudo enquanto eu ficava sentada na cama de vestido verde e laquê armado ouvindo as risadas, gritinhos, gente batendo na lata, os barulhos todos de carnaval que você conhece, isso não mudou tanto, ainda é assim. Eu nunca fui de folia e nem podia ser, sempre fui certinha, e quando cheguei na esquina de máscara e vestido verde e vi um grupo de clóvis me olhando do outro lado da rua, me veio um pânico doido, quase dei meia volta. Nem sei como continuei andando, marcando o passo com o meu coração, acho que eu corria. Não lembro de ter entrado no Cadillac que o pierrô de porre parou do meu lado, me deu um branco mas eu sabia que, tendo entrado ou não, a verdade era que eu estava dentro dele agora, sentada no banco do carona com a cabeça girando e a mão do pierrô no meu joelho enquanto a estradinha cheia de curvas passava por nós, o mar rugindo lá embaixo, reconheci a Niemeyer. Quem é você, diga logo que eu quero saber, ele me disse que se chamava Jorge, depois Álvaro, mais tarde Toninho, e com o céu começando a clarear já tinha virado Camilo, Ciro, Ismael. Eu também não pronunciei o nosso nome, Vi, e a máscara negra nariguda eu só tirei enquanto a escuridão nos protegia, o pierrô não soube que eu me chamava Elvira. Mas nunca vou esquecer os olhos verdes dele, aqueles não tinham nada de merencórios, eram da cor do mar de São Conrado quando amanhece num domingo de carnaval – idênticos aos que me olham agora da sua cara espantada, Vi, isso também não mudou, e no fim daquele ano sua mãe nasceu.

Este conto, escrito sob encomenda para uma edição temática do extinto “Paralelos”, apareceu aqui pela primeira vez em 18/2/2007.

14 Comments

  • Ana Cristina Melo 15/02/2010 at 12:05

    Um ótimo conto, Sérgio, com a surpresa do final, que nos leva a repensar tudo que lemos. Adorei. Parabéns!

  • Noga Sklar 15/02/2010 at 14:02

    bonito. programão de carnaval.

  • Valéria 15/02/2010 at 17:36

    Lindo conto! Parabéns! Fiquei foi emocionada. Muito agradecida!

  • Rubia 15/02/2010 at 19:00

    Sérgio, o que vou dizer?!!! Hoje é segunda-feira de Carnaval e eu já estava começando a ficar com pena daquela mulher… agora tenho pena do marido dela!!!!! Criou e amou uma filha que não era dele e agora os netos…. hahahahaha
    E quantos maridos mais, naquela época e agora, que fazem e acontecem… e acaba ACONTECENDO?!!!

  • Marcela Tagliaferri 15/02/2010 at 19:34

    Vc já leu a Lívia Garcia-Roza? Adorei seu conto! Me lembrei dela. E em ritmo dos Mascarados. Bjs.

  • José Tadeu Almeida Pinto 15/02/2010 at 20:12

    Parabéns Sérgio, seu conto é de uma criatividade incrível. Primeiro nos faz recordar dos antigos carnavais, de músicas imortais relacionadas ao carnaval, depois, o machismo dos homens daquelas décadas, por fim, quando começamos a ler o conto, jamais imaginamos o final dado por você ao conto, e, nos mostra, com tamanha imaginação e inteligência sua, que o que acontece hoje, óbvio, também acontecia naquela época. Conto, sem dúvidas, merecedor de premiações. Quem é você… (Grande Chico Buarque, Grande Sérgio Rodrigues).
    Abraços, Tadeu, 15/02/2010 – Juiz de Fora – MG.

  • Aleksandra 15/02/2010 at 20:45

    Fantástico!!! Um prêmio para a Literatura Brasileira. Em tão poucas linhas, quantas reflexões…Obrigada por este belo presente de Carnaval!

  • José Carlos 16/02/2010 at 10:46

    Sérgio, que belo conto. Parabéns. Vou guardá-lo. Excelente também a citação do Groucho no topo da página. Sempre impagável.
    É bom começar o dia desta forma, seus artigos são excelente. Obrigado e abraços.

  • Sérgio Rodrigues 16/02/2010 at 11:10

    Agradeço a todos a gentileza dos comentários. Abraços e bom resto de carnaval.

  • DEYSE CAMARGO 16/02/2010 at 12:58

    Espetacular o final. Adorei. Um abração.

  • DEYSE CAMARGO 16/02/2010 at 12:58

    Espetacular o final. Adorei.

  • João Baptista Neto 16/02/2010 at 15:40

    Um lindo conto,Sérgio! Aparentemente melancólico mas surpreendente, no final! Para os “machões ou machistas” daquela época até, que a paga foi sinjgela! Estou lendo seu conto por primeira vêz e lhe parabenizo,desejando-lhe muito mais sucesso! Vou procurar seus outros livros! Abração!

  • olney figueiredo 16/02/2010 at 17:10

    Eu já o havia lido quando da primeira publicação; me lembrei disso já nas primeiras linhas. Mas, claro, não me lembrava mais dos detalhes e foi um enorme prazer reler e me emocionar novamente com a bela, triste, interessantíssima, estória!

  • ricardo 17/02/2010 at 11:36

    sérgio, quando você vai publicar um novo livro de contos? tá na hora…

    parabéns

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial