Curiosidades etimológicas: Cachê

10/04/2010

A consulta vem do leitor Olney Figueiredo:

Dá pra explicar o motivo do uso de “cachê” (do francês, “oculto”) como forma de pagamento de artistas?

Na verdade, nosso cachê foi importado do francês cachet, que não guarda relação com o verbo cacher, “disfarçar, dissimular, esconder”. Embora possa sugerir a imagem de um pagamento envergonhado, feito na moita, o cachê não tem nada a ver com isso. A palavra cachet, cujas acepções mais antigas são “sinete, carimbo, selo”, acabou adquirindo em francês o sentido, entre outros, de remuneração dada a um artista por cada uma de suas apresentações. O caminho que percorreu para chegar a esse ponto incluiu carnês – carimbados, claro – que iam sendo destacados a cada pagamento.

Publicado no “NoMínimo” em 11/9/2006.

24 Comments

  • Alfredo Barros 10/04/2010 at 20:23

    Parabéns ao autor por nos ajudar a desemburrecer.
    Aprendi a origem de mais uma palvra de origem estrangeira muito usada por aqui. Obrigado.

    • Carlos 10/04/2010 at 20:32

      Prezado Alfredo Barros, o desconhecimento das palavras nao pode e nao deve ser rotulado como burrice, mas como falta de cultura.

  • Laura 10/04/2010 at 20:38

    Acredito mais na interferência do inglês “cash”.

    • Ricardo Salgado 11/04/2010 at 13:43

      Laura, a influência do inglês no idioma pátrio é bem mais recente, a partir da segunda metade do século XX, quando o termo “cachê” já era de uso corrente no Brasil. Até então, a maior parte dos estrangeirismos era de origem francesa, idioma considerado à época “mais chique” e de uso universal nos meios diplomáticos.

  • Paulo Ilmar Kasmirskiq 10/04/2010 at 21:23

    Cachê faz parte da banda de decide tudo

    Vou expor um pequeno fato ocorrido a anos atras e quem quiser a prova pode tirar que esta a disposição

    Um advogado, tinha garantido uma causa, ai no dia da audiencia, o filho do contratado teve que ir ao tribunal

    Ao subir a escado do tribunal, o advogado estava passando um passo de dinheiro a um cidadão de terno

    O advogado disse entre naquela porta que a audiencia vai começar

    A surpresa quem era o dito cujo que recebeu o cachê

    O juiz da audiencia, eu era o filho do contratado

    Moral da historia, o meu pai foi trapaceado pelo cachê do advogado dado ao Juiz na escada

    Isso aconteceu em Joinville SC quando tinha 15 anos

    Se não fosse o cachê a causa seria ganha

  • realista 10/04/2010 at 21:28

    Na realidade vem de cobertura em françes.
    O pagamento se referia a uma cobertura finaceira.

  • Valfredo 10/04/2010 at 23:11

    Esta palavra cachê tb está nos computadores.

    • Mário Z. 11/04/2010 at 09:47

      Mas no caso dos computadores a palavra inglesa cache (sem acento) vem do francês cacher. Originalmente ela se referia aos buracos onde colonizadores e exploradores escondiam munição e provisões.

  • Gaulês 10/04/2010 at 23:53

    Cachet é mais usado com selo, chancela, autenticação(fig).
    Nós geralmente pronunciamos cachê, em Português, mas na verdade é caché, como em Chevrolet. Algumas pessoas falam, no Brasil que crochet é crochê, deveria ser como a marca da GM, croché.

    • Dora 11/04/2010 at 00:40

      Aqui, Nelson Piquet torna-se “Piquê”; os franceses dizem “Piquét”, com “e” aberto e o “t” ligeiramente marcado. Ahh, esses franceses…rsrsrs.

    • Mário Z. 11/04/2010 at 10:09

      Cada povo faz (ou deveria fazer) o que bem entende quando pronuncia um termo de origem estrangeira. Os franceses pronunciam um nome próprio como “Klossowski” acentuando a última sílaba, e não há nisso “verdade” ou “erro”. Eles pronunciam como bem entendem justamente porque não são servis. Nós, por outro lado…

    • ojan 11/04/2010 at 11:50

      De fato, um estrangeiro que falando o português tenha uma boa construção de frases e um vocabulário razoável, mesmo com um sotaque carregado dizemos que seu português é ótimo. Mas um brasileiro com os mesmos atributoa falando inglês, dizem dele que “seu inglês” é horrível, e tem sempre alguém que ri a meia bôca e corrige o pequeno erro de pronúncia. Isso é ser demasiadamente rigoroso, mas somente com os seus pares.

    • Ricardo Salgado 11/04/2010 at 14:02

      Lamento dizê-lo, Gaulês, mas você está parcialmente enganado. Os vocãbulos franceses terminados em “et” (cabriolet, ballet, cassoulet, crochet) são pronunciados com a tônica aberta, como em “rapé”; já os terminados em “é” (René, plié, passé, fermé e todos os particípios passados masculinos) têm pronúncia fechada, como em “fazer”.

  • maria helena correa piresd 11/04/2010 at 08:02

    Paulo Ilmar, você não entendeu o espírito da coisa. Cachê é lícito.
    O que o Meretíssimo recebu mesmo foi PROPINA, dinheiro ilícito. Igual aos nossos malfadados politicos.

    • Renato Batisteli 11/04/2010 at 11:31

      O significado que uma palavra assume é uma questão cultural. Em terras lusitanas, onde vivo, propina refere-se ao valor que o estudante tem de pagar anualmente à faculdade onde estuda. Nada a ver com o sentido que adquiriu no Brasil.

    • Carlos Soares 11/04/2010 at 14:41

      Maria Helena Correa Piresd, você tb está enganada: Quando estava na escola, meus pais pagavam trimestralmente a PROPINA, legal, através de um selo fiscal.
      O que vc quer dizer como ilegal é suborno.

  • Rosângela 11/04/2010 at 09:37

    Olha… vejo que aqui cabe este link perfeito.
    Ah… Sérgio, sua A Palavra é …
    …gostiu muuunntooo..hehe
    http://www.affonsoromano.com.br/blog/index.php?titulo=547

  • DOURADO 11/04/2010 at 10:13

    Ainda bem que não sou apenas eu o burro.

    • Dicesa 11/04/2010 at 10:22

      Cai fora sua besta tatuada.

    • Serginho 11/04/2010 at 10:23

      Oi Dourado tudo bem?

    • ojan 11/04/2010 at 11:52

      Claro que não, existem muitos outros colorados.

  • Ricardo Salgado 11/04/2010 at 14:05

    Pelo visto, a origem de “pagamento às escondidas” se aplica muito bem no caso do uso do termo pelas chamadas “garotas de programa”… Que provavelmente desconhecem a origem do termo, pegando-o emprestado da profissão de modelo.

  • maria helena correa piresd 11/04/2010 at 23:31

    Carlos Soares, obrigado pelo esclarecimento. Mas me parece que hoje em dia, já que não há mais selo fiscal, tanto suborno(corrupção) como propina( gorgeta, agrado) passaram a ser sinônimos.

  • DANILO COSTA 28/10/2014 at 20:11

    Grato,mas creio que a pronúncia devesse ser cachê e não cash,como ouço comumente,e principalmente em minha área;informática,onde utilizamos este verbete para expressar memória de acúmulo ou reserva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial