Desista se for capaz

19/06/2009

Que conselho o senhor daria a alguém que deseja dedicar-se à literatura no papel de escritor?

Meu conselho-padrão, que muita gente acha que é piada mas é sério, costuma ser o seguinte: desista se for capaz. O mundo da literatura parece charmoso e tal, mas a verdade é que o jogo é muito duro e nem sempre leal, as recompensas são fugidias e as chances de fracasso – não só comercial, mas estético mesmo – estão todas contra você. Agora, se depois de considerar tudo isso o sujeito ainda for incapaz de desistir do seu plano maluco, então é escritor mesmo, e nesse caso todos os conselhos se tornam fúteis. Cada um tem que encontrar seu próprio caminho. Ler muito, ler tudo, e não ter pressa demais de publicar talvez sejam recomendações úteis. Arranjar um jeito de sustentar seu “vício” também me parece um bom toque. A menos que seja rico de berço ou de baú, um escritor deve ter outra profissão, sob pena de ser levado pela ânsia do profissionalismo a vender seus escritos cedo demais, tornar-se um marqueteiro juramentado ou sair à caça de bocadas estatais – e nada disso é muito saudável para aquilo que realmente importa, isto é, o texto.

Da minha entrevista ao “Rascunho” deste mês, que está online.

14 Comments

  • Tibor Moricz 19/06/2009 at 14:18

    Poxa, senhor Sérgio, eu adoraria uma bocada estatal. O senhor, não?
    Li essa entrevista faz teeeempo…rs.

  • dade amorim 19/06/2009 at 14:27

    Sensatos conselhos, Sèrgio. Mas que um baú ajuda, isso ajuda ; )

  • Kleber 19/06/2009 at 15:10

    a grande prova do amor do escritor pela escrita é continuar escrevendo mesmo sem a menor perspectiva de que alguém vai sequer bisbilhotar o que ele rabiscou em algum canto… nem todos conseguem, mesmo alguns grandes escritores dependem muito da sensação de repercussão para motivar a mão a não ficar parada. Não considero isso errado, são posturas. Alguns escritores como Valéry desconsideravam totalmente a necessidade do outro (tanto que sua maior obra, seus Cadernos, é praticamente ilegível e impublicável), outros enfatizam o caráter comunicativo da atividade. Para esses, a falta de leitores (reais ou, ao menos, prováveis) é castrante.

  • Luis Eduardo Matta 19/06/2009 at 16:02

    Ótima entrevista, Sérgio. Muito elucidativa e equilibrada. Parabéns. Abração!

  • Otto 19/06/2009 at 16:53

    É isso ái, Sérgio: o escritor é aquele que é incapaz de desistir, pois se o cabra for investir em outra área o mesmo coeficiente de tempo e energia que ele consome em um livro, ele ganharia muito mais dinheiro e prestígio…
    Li só agora a entrevista, pois, quando fui catar o Rascunho nos pontos em que ele é distribuído aqui em Curitiba, ele já tinha acabado — será algum indício? E as vendas, como estão indo?
    O livro pretendo ler ainda esta semana.
    Abraços.

  • Marcelo Moutinho 19/06/2009 at 17:57

    Muito bom, sobretudo o final.

  • Rodrigo O. 19/06/2009 at 18:03

    Gosto dos escritores-prostitutas; são menos esnobes e mais sinceros.

    As prostitutas-escritoras também estão na minha lista de apreço, embora por outros motivos.

  • C. S. Soares 19/06/2009 at 18:44

    Sérgio: lista tão eclética quanto interessante, a dos autores que não lhe abandonam. Achei curiosa a pergunta final do Rogério, mas seguindo por esse ‘labirinto’, concluiria que a literatura é a melhor forma (não de se esperar mas) de se enfrentar a morte (pelo menos enquanto ainda acreditarmos em sua comovente eficiência).

  • Kaputt 19/06/2009 at 19:48

    Os escritores deveriam ser melhor estudados… a ciência ainda não os considera malucos o suficiente. O que realmente importa é a p*rra do texto, mesmo que o cara ganhe uma miséria ou seja sustentado pela mãe. Nunca se aproxime demais de um escritor, é o meu conselho. Leiam seus livros, mas não os considere como amigos. Nunca. Nem de brincadeira. Eles não gostam de você. Eles não gostam de ninguém. Tire a literatura deles e o que sobra é ódio puro. Não permito que ninguém da minha família se aproxime de um escritor, mesmo do Paulo Coelho, que é santo e faz chover. E digo para minha filha, com conhecimento de causa: ” É para o seu bem.” – Dos três que ela admira, a saber: Philip Roth, V.S. Naipaul e Norman Mailer, os três já tentaram matar uma mulher. E o Mailer quase conseguiu!
    Viu? É o que estou dizendo, escrever bem não garante nada. Nem mesmo caráter. Será que um dia a ciência explica o surto de um Céline? Nem vale a pena. O cara era doido. Ponto. Sócrates, o pederasta mais famoso da antiguidade, antes de beber seu veneninho, disse para sua amiga Platão: ” Não esqueça de expulsá-los da República, tá? Cambada de ingratos!” Escritores só servem ( quando servem) para ser lidos. Deus castigou. Não sinto pena.

    Kaputt.

  • Otto 19/06/2009 at 20:20

    Quer dizer: semana que vem.

  • Sérgio Rodrigues 20/06/2009 at 13:45

    Otto: Elza vai muito bem nas livrarias, obrigado. Depois aguardo seus comentários.

    Moutinho, valeu. E feliz aniversário.

    Claudio: obrigado. A lista (que não saiu no jornal de papel, só no site) tem espírito brincalhão mas é séria também.

    Abraços a todos.

  • Carlos Magno 21/06/2009 at 11:45

    Não ter pressa em publicar, economizar dinheiro suficiente para comprar a divulgação de suas obras, com revisões ao fino trato, com prefácio de algum famoso, com marketing, entrevistas na TV e tudo mais, também é excelente e promissor começo.

    Mas quem não tem economia vai mesmo é tirar minhocas do asfalto!

  • Pablo 22/06/2009 at 18:48

    Talvez o melhor mesmo seja escrever por hobby. Se começar a funcionar, que se mude o foco.

    Abraço,

    Pablo
    http://cadeorevisor.wordpress.com

  • Pablo 22/06/2009 at 18:49

    Talvez o melhor mesmo seja escrever por hobby. Se começar a funcionar, que se mude o foco.

    Abraço,

    Pablo.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial