Duas penas e dois martelos

09/06/2009

Dois casos inteiramente desconectados levam a literatura aos tribunais.

J.D. Salinger, o recluso autor de “O apanhador no campo de centeio”, está processando um escritor – aparentemente sueco, embora só se conheça seu pseudônimo, John David California – que escreveu um romance chamado 60 years later: coming through the rye. Programado para sair em breve na Inglaterra e nos EUA, o livro de California seria uma seqüência não autorizada da obra mais famosa do eremita de 90 anos, que há 45 não publica uma linha. A ação requer o “recolhimento e destruição” do livro. Na revista eletrônica “Slate”, Ron Rosenbaum especula, só meio a sério, se California não seria um pseudônimo do próprio Salinger, que estaria processando a si mesmo.

Menos graça tem o caso em que a escritora gaúcha Leticia Wierzchowski, autora de “A casa das sete mulheres”, processa por danos morais o blogueiro Milton Ribeiro, que, bem no estilo do meio, andou soltando alguns cachorros em cima dela. Um dos cachorros de Ribeiro tinha um latido comicamente duvidoso (“Vierschoschoten”) que muita gente pode condenar. Mas não foi para outra coisa que inventaram uma garantia chamada liberdade de expressão – se fosse para expressar sempre em termos moderados aquilo com que todos concordam, ela seria desnecessária. É triste e preocupante ver um escritor, tradicionalmente a maior vítima do desapreço que a Justiça brasileira demonstra ter por essa liberdade civil básica (não é, Roberto Carlos?), trocar de lado desse jeito.

20 Comments

  • Carlos Eduardo 09/06/2009 at 10:58

    Os dois casos são lamentáveis. Extremamente lamentáveis.

  • Eric Novello 09/06/2009 at 11:10

    Será aquela máxima verdadeira? Quanto pior o escritor, melhor o advogado? Abss.

  • Fernando Torres 09/06/2009 at 12:06

    Vale lembrar que MM. Bovary só alcançou a “fama” e passou a ser um dos livros fundamentais da literatura por conta de um processo movido por um promotor de Paris.

  • Tibor Moricz 09/06/2009 at 15:56

    Minha mulher é advogada e já está preparada. Ousem!!

  • Isabel Pinheiro 09/06/2009 at 16:38

    Caramba, não sabia desse caso da Leticia Wierzchowski. Muito feio. Do jeito que o Milton Ribeiro escreveu, achei que a crítica ficou, sim, parecendo pessoal. Mas não justifica um processo pedindo dinheiro.

    Quanto ao Salinger, não sei. Já achei que ele tinha razão, já achei que não tinha. Eu adoraria que tudo não passasse de um trote à moda do JT LeRoy.

  • Tomás 09/06/2009 at 17:41

    Vi um bom tanto de violência gratuita nas críticas de Milton Ribeiro.

  • Janaina Amado 09/06/2009 at 17:49

    Sérgio, é a primeira vez em que visito seu blog. Gostei! Da concisão, boa escrita, atualidade. Os inícios inesquecíveis de livros são um achado! Pretendo voltar, abraços.

  • Tibor Moricz 09/06/2009 at 18:33

    Hmmmm… mas voltando à vaca fria, também achei os comentários do Milton Ribeiro exagerados. Eu não o processaria. Uns dentes quebrados resolveriam a questão…rs

  • Daniel Brazil 09/06/2009 at 19:42

    É o fim da picada processar um crítico – mesmo que seja um bêbado no meio da platéia xingando o teu show – exigindo dinheiro em vez de reparação, pedido de desculpas, retratação ou coisa parecida.
    É o caso de defender Milton Ribeiro com a fórmula clássica: “Não concordo com uma linha do que escreve, mas tem todo o direito de escrevê-las”.
    Imagine se o Paulo Coelho resolvesse processar seus críticos, pedindo dinheiro por ter sido ofendido! Seria ridicularizado, e sabe disso. A Letícia parece que não sabe…
    (Cá entre nós, o Milton acertou no atacado e errou no varejo!)

  • Rodrigo 10/06/2009 at 00:27

    Vierschoschoten é engraçado…acho que eu também tenho um humor duvidoso. hehe

  • Thiago Maia 10/06/2009 at 00:36

    Agora virou sala de bate-papo!
    Não acredito que reencontrei você, Jana.
    Um abração!
    (Nos “conhecemos” em 2001, na Oficina do João Silvério Trevisan)

  • marcos 10/06/2009 at 09:26

    não levem a mal, mas alguem pode me explicar a piada? o que ele quis dizer com “Vierschoschoten”? seria apenas um trocadilho com o nome dela? porque se for isso que eu entendi, não tem a menor graça.

  • Luiz Cláudio 10/06/2009 at 09:37

    A vantagem de processos como esse é divulgar a estupidez de uma escritora. Tanto no sentido literário quanto no pessoal.

    Eu não conhecia a tal Letícia, nunca tinha lido nada dela, nem sabia que ela era a autora do livro “A Casa das Sete Mulheres”. Agora sei de tudo isso e sei mal. Pois a tal Letícia, ao processar um despretensioso blog (que eu passei a conhecer e gostar graças ao Todo Prosa), exibe-se, agora sim, ao Brasil em sua inteireza.

    Ou seja: o feitiço volta-se contra o feiticeiro. Neste caso, o processo volta-se contra a autora da ação: ela se sai pior ainda como pessoa e como escritora por ter aumentado um pequeno episódio que revela sua pouca familiaridade com o idioma pátrio e com um que ela se arroga conhecer. E o blogueiro Milton se agiganta, pois aumenta o número de leitores e informa mais e melhor sobre a escritora, agora, sim, menos desconhecida…

    A despeito da grosseria do trocadilho de Milton, o que grita mesmo em todo o episódio é a falta de bom senso da escritora, pois, ao invés de querer espaço para rebater violenta e justamente o texto de mau gosto do blogueiro, pede dinheiro!! O caráter do gesto fez ela perder o mínimo de razoabilidade.

    Ou seja: que burra, não?

  • marcos 10/06/2009 at 09:40

    Bom, Luis, então foi isso mesmo que entendi??? Que falta do que fazer…

  • Rodrigo 10/06/2009 at 10:29

    Bom saber que os trocadilhos ainda são infames, restam algumas áreas de sombra na paisagem extremamente iluminada da intelectualidade contemporânea.

  • Luiz Cláudio 10/06/2009 at 13:56

    Caramba, o caso está ficando mais engraçado do que eu podia imaginar.

    Entrem na página do Milton Ribeiro e acessem o link “Leticia Wierzchowski processa este blog (III) – Algumas opiniões equilibradas”

    (Bom, para ir mais rápido, a página é esta: http://miltonribeiro.opsblog.org/2009/06/10/leticia-wierzchowski-processa-este-blog-iii-algum-equilibrio/ )

    Na parte dos comentários há um texto da escritora Leticia Wierzchowski, mas enviado por meio de um tal de “marcos nunes” (“marcos nunes” é um hiperlink que leva ao blog de Rachel Nunes, vai-se entender esse troço de blogs…)

    Bom, o fato é que o comentário da autora de A Casa das Sete Mulheres, se for ela mesma a autora do texto, fala fala por si. Ela podia ter parado no terceiro parágrafo e voltado no fim, mas, fazer o quê, né?

  • Pandora 10/06/2009 at 14:30

    Bem explicado é o texto de Marcelo Backes, publicado no Biscoito Fino… Vale a leitura.

    http://www.idelberavelar.com/archives/2009/06/leticia_wierzchowski_a_casa_das_sete_leticias_por_marcelo_backes.php

  • Renata Figueiredo 11/06/2009 at 18:00

    Então é isso aí, ninguém escreve mais nada. E todo mundo fecha a boca. Assim, o país pode funcionar em sua mais perfeita ordem, certo? Façam-me o favor…

  • JULIO 12/06/2009 at 14:23

    Com tanta pirataria e scanners espalhados pelo mundo, acho que os autores devem realmente processar até o vizinho por pedir seus livros emprestados e não devolver. Essa coisa de malandro embarcar na obra dos autores consagrados não é coisa nova. Mas vamos lá, o que existe de novo a ser escrito? Se propriedade intelectual realmente valesse, teríamos de declarar sua quantidade e tamanho no Imposto de Renda!

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial