É hoje!

26/03/2009

Todos os leitores do Todoprosa estão convidados a comemorar comigo:

14 Comments

  • Tibor Moricz 26/03/2009 at 13:35

    Faça um lançamento em sampa e estarei lá para um 12 anos (Prosecco? ah…). No Rio fica ou pouco difícil.

  • Rafael 26/03/2009 at 14:03

    Concordo com o Tibor e faço uma sugestão: que o lançamento seja na Praça da Sé, cenário da inaudita e sem par Batalha dos Pijamas, a maior das escaramuças urbanas de que se tem notícia.

    Podemos aproveitar o ensejo para encenar a memorável Batalha. Sugiro que a organização do evento distribua aos presentes camisetas pardas e vermelhas. O Sérgio, por descender, em linha colateral, do velho Lênin, poderá fazer o papel do Luis Carlos Prestes; um outro candidato (talvez o Tibor?) fará Plínio Salgado, o líder integralista.

    Ah, sim: que venha, antes da Batalha, o prosecco, o líquido mágino que nos livrará do pudor e do senso de ridículo.

  • Rafael 26/03/2009 at 14:04

    Antes que me esqueça: parabéns pelo lançamento e boa sorte!

  • Tibor Moricz 26/03/2009 at 14:25

    Ei Rafael, sacanagem…rs.
    Plínio Salgado, que não era besta, não apareceu… quer que eu deixe de ir ao lançamento em plena Praça da Sé? E depois estendê-la (se possível) numa choperia para finalizarmos a noite de sucesso?
    Nada disso. Serei a velhinha corajosa e não arredarei pé até que o último Prosecco tenha sido vencido.

  • Thiago Maia 26/03/2009 at 14:40

    Parabéns pelo livro e boa sorte no lançamento, SR. Aqui em Feira de Santana não encontro, mas encomendarei pela internet com prazer (reconheço que não li seus contos publicados nem As sementes…, mas este não escapará).
    Mudando de pato pra ganso, como diz o José Trajano, se não me engano há bastante tempo você citou que o selo Alfaguara lançaria The book of Dave, de Will Self, e a partir de ontem O livro de Dave consta na página da Objetiva como um lançamento em breve, junto à reedição de Informação ao Crucificado, do Cony.
    Um abraço a todos.
    (Sou cruzeirense, Camisa azul…)

  • Rafael 26/03/2009 at 15:46

    Tibor,

    Eu sei que o Plínio não apareceu. Mas, na nossa reconstrução histórica, é completamente desnecessária a fidelidade aos fatos tais como se passaram. Se até os livros de História aprovados pelo MEC não seguem os fatos de maneira fidedigna, por que é que nós, amantes da boa ficção, precisamos ser assim tão subservientes aos fatos?

  • Carlos Marques 26/03/2009 at 16:03

    Sérgio, se e quando houver um lançamento em Sampa, estaremos lá para prestigiar e, por que não, colher um autógrafo ao autor.

    Abraços e bom lançamento.

  • olney figueiredo 26/03/2009 at 18:14

    Parabéns!
    Gostaria muito de estar no Rio para este lançamento.
    Saúde e sorte!

  • Daniel Brazil 27/03/2009 at 10:12

    Candidato-me ao papel de Edgar Leuenroth, no épico evento. Mesmo que não passe no teste, comparecerei como simples figurante.

  • Fernando Torres 27/03/2009 at 16:35

    Eu jurava que não tinha nenhuma livraria travessa em São Paulo. Oooops, essa é no Rio… Brincadeira, parabéns mais uma vez. Abraços

  • Eduardo 28/03/2009 at 22:34

    Boa, Sérgio. Parabéns.

  • Pedro 29/03/2009 at 22:33

    Por que o termo “A jovem comunista que o partido matou”, o partido não mata ninguem, quem mata são possoas com forte tendencia para tal, como asaltar bando a mão armada, sequestrar, matar para roubar…etc. A prova disso é que ate políticos de esquerda na Italia, defende a prisão do Battisti e no Chile o Norambuena. TRADUZINDO……….É BANDIDO MESMO.

  • Tibor Moricz 30/03/2009 at 18:28

    “como asaltar bando a mão armada”… isso é arrastão.

  • Pedro 11/04/2009 at 00:08

    Tibor Moricz, substitua bando por banco, por favor. Quero agradecer por ter pelo menos criticado o meu erro, porque depois do meu comentario ninguem mais escreveu.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial