E por falar em alta cultura x cultura de massa…

31/07/2008

A lista dos 13 finalistas do Booker 2008 (em inglês, acesso gratuito) está provocando algum estupor por incluir “Criança 44”, de Tom Rob Smith, uma história de serial killer ambientada na Rússia de Stálin que a Record acaba de lançar por aqui.

Não, o romance – que já teve seus direitos para o cinema comprados por Ridley Scott – não deve ter a menor chance de levar o prêmio. Sim, o favorito é um velho conhecido da casa: Salman Rushdie, com “The Enchantress of Florence”.

Mesmo assim, Smith, um estreante de 29 anos, já fez história. É a primeira vez que um thriller assumidão, desavergonhado, penetra nesse clubinho.

13 Comments

  • Ernani Ssó 31/07/2008 at 16:58

    A gente deve insistir, Sérgio: não é o gênero que torna um livro melhor ou pior. Mas, apenas, se é bem ou mal escrito.

  • ricardo 31/07/2008 at 17:22

    estou torcendo por Netherland, de Joseph O´Niell.

  • Sérgio Rodrigues 31/07/2008 at 17:23

    Não custa insistir, Ernani, concordo. É o óbvio, mas ainda encontra resistências. De qualquer forma, o que acho mais interessante nessa notícia não é a provável qualidade do tal thriller. Outros excelentes terão sido lançados nos últimos anos, e até então não emplacavam a lista do Booker nem em sonhos. Se não for só um acidente, talvez indique que a “literatura literária” que o Booker representa como poucos está sentindo necessidade de abrir as janelas, renovar o ar. Só aguardando pra saber.

  • Luis Eduardo Matta 31/07/2008 at 18:49

    Muito bacana, Sérgio. Quem sabe, no futuro, essa abertura não acontece também por aqui?
    Abração do
    Lematta

  • ana maria santeiro 31/07/2008 at 19:00

    afinal o sol nasce para todos, não é?

  • Hiago R.R. de Queirós 31/07/2008 at 20:15

    Como Realtragista de carterinha… dou saudações ao escritor que enfiou o velho e pisoteado, aposentado e já gagá psicopata nos holofotes da fama… mas acontece o seguinte:

    Na minha opinião, a literatura está aí para transcender.. para transpassar à reflexão as intrigas, inquietudes e demais sentimentos humanos…. e restringir tudo isso a uma cega e até mesquinha vontade e arte de matar (caracterizada pelos sub-gêneros psicopáticos) chega a fazer da literatura uma história de papel higiênico…

    Tem de ter um fundo (na minha opinião) que vá além de simples morte… de simples e cruel espirrar de sangue.. tipo: o drama do psicopata, e das vítmias.. os motivos (embora quase não hajam para um psicopata) que levam tantas mortes… e que esses motivos sejam algo que faça o leitor pensar-se na história, e não como algo por fora dela… algo que só aconteceria nas circunstâncias da ficção… não por isso que os thrillers são bobões, por que sim, o psicopatismo é um sentimento e um comportamento humano (e que em alguns aparece mais, e em outros quase não aparece), mas, deixá-lo como tema principal de alguma história fica ridículo.. pequeno e mesquinho.

  • Edielton de Paula 31/07/2008 at 20:50

    Sérgio, essa história de favorito ao prêmio sempre dá chabú… lembra do McEwan que depois que ganhou por Amsterdam, é sempre favorito – incluindo ano passado? E o próprio Rushdie foi favorito com Shalimar, o equilibrista. De qualquer forma, eu gosto muito desse prêmio, sempre descobri bons autores nele, como o Banville quando foi indicado por O livro das provas.

  • Eric Novello 01/08/2008 at 10:29

    Um viva para o psicopata genérico! o/
    Melhor renovar do que virar um Oscar da vida… tédio puro.
    Respirar envelhece o corpo, mas é fundamental para a sobrevivência (filosofias baratas de biscoitinho chinês, I know it.) Abss!

  • Tibor Moricz 01/08/2008 at 11:49

    É a primeira vez e não será a última. Quem viver, verá.

  • Cezar Santos 01/08/2008 at 15:05

    Thriller pode ser alta literatura, no sentido de desvendar facetas do ser humano, esse bicho estranho demais. E o serial killer é talvez o mais estranho e fascinante do zoológico humano, né não?
    Thriller pode ser bom demais da conta, vide o “Sobre meninos e lobos”, do Lehane, um livraço que deu um filmaço.
    Esse “Criança 44” aí parece que é do cacete e já entrou na minha listinha precária. Torço por ele.

    PS. acho que não entendo muito dessa separação de alta cultura x cultura de massa. Cultura de massa pra mim é plantação de macarrão.

  • Zé Carlos 01/08/2008 at 21:10

    rapaz, olha isso:
    Por que Woody Allen é superior a Dostoiévski

    http://www.revistabula.com/colunas/579/Por-que-Woody-Allen-e-superior-a-Dostoievski

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial