‘Em família’: sob o signo de Tolstoi

07/07/2012


Zuenir, Carrascoza, Dulce e Castro Rocha

Todas as boas mesas se parecem; as ruins são ruins cada uma à sua maneira. A paródia da frase de abertura de “Ana Karenina”, de Leon Tolstoi – citação mais batida da Flip 2012 – deixa pendente a tarefa de entender por que não funcionou a mesa “Em família”, que reuniu hoje à tarde Zuenir Ventura, João Anzanello Carrascoza e Dulce Maria Cardoso, com mediação do crítico João Cézar de Castro Rocha. Este não conseguiu se desincumbir da tarefa, certamente ingrata, de dar liga a um trio heterogêneo demais.

Até Zuenir, jornalista consagrado que está estreando no romance com “Sagrada família”, ressentiu-se do pouco tempo propiciado pelo recurso – de falência atestada há anos – de dividir o palco entre três autores. Com a simpatia e o carisma de sempre, encaixou algumas boas tiradas – “família unida, sim; reunida, jamais!” – mas deixou a impressão de que faltou tempo para dar seu recado. Menos conhecidos do público, Carrascoza e Dulce tiveram problemas maiores.

Prestigiado pela crítica, o contista que está lançando “Aquela água toda” tentou uma autodefinição: “Tematizo a vida miúda, o cotidiano, o contrário deste momento aqui. A vida não é feita de Flips”. A festejada autora portuguesa acaba de desembarcar por aqui com o romance “O retorno”, baseado na experiência autobiográfica de deixar Angola à força, fugindo da guerra de independência, e voltar com a família para Portugal. “Não conheço amores mais fortes nem violências maiores do que as que acontecem no seio familiar. Como advogada, tratei de muitos processos, mas os processos de família eram sempre os mais assustadores”.

No Comments

Comments are closed.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial