Enfim, o nosso Booker?

29/05/2008

A Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo vai lançar nos próximos dias o mais bem pago prêmio literário do Brasil. O Prêmio São Paulo de Literatura pagará R$ 200 mil para o melhor livro de ficção do ano, mais R$ 200 mil para o melhor livro estreante, também ficção. A primeira edição levará em conta livros de autores brasileiros publicados no ano passado.

A quantia ultrapassa com folga os valores máximos de outras láureas já concedidas no país, como o prêmio Portugal Telecom (R$ 100 mil), o Zaffari & Bourbon (R$ 100 mil), da Jornada de Passo Fundo, e o Jabuti (R$ 30 mil), o mais antigo e tradicional de todos.

A matéria de Eduardo Simões publicada hoje na “Folha de S. Paulo” (só para assinantes) é uma ótima notícia, e não apenas pela grana. Outro dia eu comentava aqui que não temos no Brasil um prêmio literário que chegue perto do peso cultural do Goncourt ou do Rómulo Gallegos, do tipo que vale manchete e faz os leitores correrem para as livrarias. Agora teremos, pelo menos, mais um concorrente à vaga.

A inspiração para o prêmio, segundo o secretário paulista de Cultura, João Sayad, é o britânico Booker – um bom começo. Naturalmente, para virar um galardão tradicional é preciso primeiro, como direi, tradição. Leva tempo, e as armadilhas no caminho são muitas e conhecidas. Politicagem e irrelevância estética são apenas duas das mais comuns.

Vou torcer pelo São Paulo – o prêmio, não o time. Por falar nisso, o nome não podia ser um pouquinho mais criativo?

53 Comments

  • Rafael 29/05/2008 at 19:20

    Sim, poderia ter sido mais criativo.

    Eu, por exemplo, daria ao prêmio o seguinte nome: Prêmio Livreiro.

    Originalíssimo, não? Tal como o Booker Prize.

  • Sérgio Rodrigues 29/05/2008 at 19:31

    Rafael: Livreiro seria um nome lamentável, mesmo porque mal traduzido (booker está mais para bookmaker que para livreiro). Mesmo assim, seria mais marcante que São Paulo. Quando falo em nome criativo, me refiro a um que fique em pé sozinho. O Jabuti está caidaço, mas não se pode negar que um bom nome ele tem.

  • dona de casa gorda 29/05/2008 at 20:27

    o nome não é dos melhores, mas o que você sugeriria, “prêmio rio de janeiro”?

  • Sérgio Rodrigues 29/05/2008 at 20:38

    Caramba, quem diria: a criatividade não é o forte dos comentaristas do blog…

  • usagi 29/05/2008 at 20:49

    Mais importante que o nome é a questão do premio. Num país onde a literatura é algo desperzado pela maioria que mal sabe ler é analfabetos funcionais, um premio desse calibre se torna um sonho.
    Escrever uma historia (falo de quem realmente ama escrever) é muito mais do que rabiscar um papel para vender nas livrarias, é criar todo um mundo maravilhoso, e quem escreve deseja ser reconhecido por isso, mais do que ganhar dinheiro. O preio nesse caso une o dinheiro que hoje é fundamental e o reconhecimento pelo trabalho, a pesquisa e o esforço. Por isso o nome do premio para mim é menos importante do que a o valor que ele tem para quem ganhar.
    Ser reconhecido pelo que escreveu é um sonho que a maioria dos escritores nunca realizará, e mesmo que seja por apenas cinco minutos esse reconhecimento é um divisor de águas na vida de quem escreve.

  • Adair 29/05/2008 at 21:45

    Que tal Escrita Fina?

  • otto 29/05/2008 at 22:14

    No universo da lusofonia temos também, a partir deste ano, o Prêmio Leya, da holding lusitana do mesmo nome. O valor é de apetitosos cem mil euros, só que pra livros inéditos. Este parece ter sido chupado do Prêmio Planeta, do gigante ao lado.

  • moacir palmeira alves 29/05/2008 at 22:15

    livro a ser escrito entrará no prêmio

  • Fábio Santiago 29/05/2008 at 22:16

    isso vai dar um grande valor ao país se vier com justiça e imparcialidade. todo mundo sabe que nós brasileiros, não damos muito bem com a leitura e com o mercado editoral de livros, mas vai ajudar no custo de vida dos escritores que merecem ser reconhecido financeiramente. não vamos fazer como antigamente que escritores morriam perseguidos e na miséria. um caso desse foi e escritor alagoano GRACILIANO RAMOS, que passou a vida com graves problemas financeiros.
    Obs: desculpe os erros ortográficos e de concordância.

  • Mônica 29/05/2008 at 22:23

    Sinceramente, o nome do prêmio será irrelevante se ao menos for realmente levado em consideração trabalhos sérios e de autores novos, pois dar títulos a quem já tem renome não vale a pena.Conheço uma série de autores jovens que são pouquíssimo valorizados em virtude de serem apenas mais um nome no mercado editorial. Em um país que pouco se valoriza a leitura, talvez um prêmio como este seja o diferencial que faltava para direcionar as atenções do público jovem à leitura e escrita.

  • Alex 29/05/2008 at 22:26

    Ih, Sérgio, talvez venham me chamar de “vendida” mas concordo com suas considerações. Inclusive com a questão do nome: “Prêmio São Paulo…” é fraco.
    Aqui no Nordeste são comuns estabelecimentos comerciais que carregam o nome de seus donos. Multiplicam-se as “Oficinas O Osmar”, “Mercadinho O Paulo”, “Auto-Escola Eliana”, “Lanchonete O Chicão”, “Sorveteria O Juarez”. A vantagem é que, nesses casos, a gente sempre pode se divertir (e, às vezes, se emocionar) com as estórias do Juarez, da Eliana, do Osmar…

  • Eduardo Fonseca 29/05/2008 at 22:28

    A secretaria de cultura de Minas Gerais lançou ano passado um premio aliás que parece muito melhor que esse, uma vez que esse se restringe a livros editados, ou seja, que já passaram por uma triagem ultra-conservadora das editoras brasileiras que por sinal sao em sua maioria uma merda. Mas como o mundo se restringe a Sao Paulo, o blogueiro e o blogados nao estao sabendo disso. Mas o premio de minas dá 200 mil para o conjunto da obra, uns 50 mil para ficcao ainda nao publicado e mais 42 mil para um jovem escritor de até 35 anos.

  • Andréa 29/05/2008 at 22:36

    Prêmio Arabutã, pra não perder a brasilidade!
    Claro que o importante é o conteúdo mas, óbvio que para o fim a que se destina, o booker que me perdoe, mas o nome adequado é fundamental…
    Podemos continuar tentando , inobstante a escassez de criatividade, Sérgio?

  • Sérgio Rodrigues 29/05/2008 at 22:37

    Eduardo, não moro em São Paulo e, aliás, sou mineiro. Soube da iniciativa do governo de Minas, que naturalmente é bem-vinda, mas considero o formato do prêmio paulista muito superior. Desculpe, mas é ingenuidade pensar que teremos um ambiente literário saudável premiando só autor inédito, de um lado, e medalhão (conjunto da obra) do outro. A produção melhor tenderá a estar sempre entre esses dois extremos.

  • ÍgorO. 29/05/2008 at 22:51

    Realmente uma ótima notícia!
    Também torço pelo sucesso do prêmio, sobretudo como instituição a favor de nosso desenvolvimento literário. Minha sugestão é Paulo Lendo. Ou melhor, Prêmio Paulo Lendo de Literatura. Creio que não só para em pé, como planta bananeira! Imaginem:
    – E o Paulo Lendo vai para…
    (Risos!)
    Até.

  • Sérgio Rodrigues 29/05/2008 at 22:51

    Andréa, gostei da sonoridade. Mas não fica estranho um prêmio paulista ter o nome de uma cidade catarinense?

  • Raquel 29/05/2008 at 22:53

    que tal Piratininga?

  • Andréa 29/05/2008 at 23:04

    É que antes de virar cidade catarinense, era só o pau-brasil..rs

  • Sérgio Rodrigues 29/05/2008 at 23:14

    Está certo, Andréa, mas nunca subestime o bairrismo. Acho que nessa linha nativista Pindamonhangaba (onde o rio faz a curva) teria chances melhores.

  • Edielson Meireles 29/05/2008 at 23:20

    E os livros que não foram lançados, porque não abrem espaço para livros de autodidatas anônimos e desconhecidos, que não tiveram ainda a oportunidade de mostrar a sua arte e merecem reconhecimento e sucesso.

  • Romero Evandro Carvalho 29/05/2008 at 23:22

    Acho, o nome de ” Prêmio São Paulo”, está muito bem dado. Afinal, quem está dando o prêmio, somos nós, os paulistas, que contribuímos com o “grande” Estado de São Paulo.E tem mais, esse nome, na verdade, está representando a força locomotiva que representa o nosso ESTADO.

  • joana Dark 29/05/2008 at 23:26

    Pra nós que vevemos num país que a educação não tem o menor valor acaba sendo ilário um prêmio neste valor. Um professor no estado de SP por exemplo ganha super mal porque o José Ferra todos o funcionalismo Público e aumenta o sálario . Enfim uma empregada domestica ganha igual um professor que tem o dever de formar um cidadão que vai servir a sociedade . Enfim JOSÉ FERRA

  • Phylos 29/05/2008 at 23:33

    Que tal “Prêmio Paulista de Literatura”?….
    Quanto a ler, discordo: o brasileiro lê sim. O problema é o preço absurdo dos livros. Ninguém fala, ninguém comenta, mas o setor é dominado por um grupelho, amigos de uísque, que combinam os preços. Quem não sabe disso? Agora, livros usados, o brasileiro lê e muito. É só ver o numero de Sebos que apareceram no país.

  • marcela 29/05/2008 at 23:43

    Prêmio Literatura Esquecida. KKK. Palhaços

  • thiago 30/05/2008 at 00:12

    Achei a notícia interessante. Mas algumas questões precisam ser feitas.
    Quem vai garantir a continuidade do prêmio com uma mudança de governo? Não seria melhor atrelá-lo a uma estatal?
    O valor do prêmio é muito bom, mas acho que mais importante seria garantir que o livro vencedor chegasse a toda biblioteca pública do estado. Assim a função de estatal de disseminação da cultura seria atingida.

    Prêmio Piratininga seria assaz interessante e mais laico.

    PS: Cada troll que começou a pintar por aqui depois da mudança, hein Sérgio?

  • Morfil 30/05/2008 at 00:24

    ‘Escritas e Bandeiras’ é o nome que melhor cabe a um prêmio como esse. Pelo fato de pretender abrir novas sendas no inóspito da literatura brasileira e, além disso, por dar prosseguimento ao espírito dos desbravadores paulistas. São seus herdeiros, afinal, os que pagarão a conta, né isso?

  • Maria Inês dos Santos 30/05/2008 at 00:33

    Prêmio Ciranda dos Leitores ???

    Bem, o que eu quero saber mesmo é como consigo mostrar meus romances, não tenho posses para bancar uma publicação e as editoras com quem tentei a dificil arte de me comunicar, por falta de receptividade nem tomaram conhecimento…
    Meus romances são bons, alguns são picantes, uma delícia de se ler, vc me ajuda a entender essa complexidade de entar no meio literário ?
    Eu até aceitaria vender alguns… Tô sem grana mesmo, viro capitalista por algumas miseras horas.
    Sucesso.

  • 30/05/2008 at 03:25

    Rá rá rá! Quanto leitor louco!

    Gostei desse:

    E os livros que não foram lançados, porque não abrem espaço para livros de autodidatas anônimos e desconhecidos, que não tiveram ainda a oportunidade de mostrar a sua arte e merecem reconhecimento e sucesso.

    Comentário de Edielson Meireles — 29/5/08 | 23:20

    (Risos)

  • claudio roberto weber 30/05/2008 at 08:16

    Hoi, com alegria recebo a notícia do nascimento deste prêmio litrário, Preciso saber como devo proceder para concorrer. Tenho um trabalho pronto, por falta de capital não tenho como publicar. Preciso concorrer nesse prêmio. O trabalho é bom e tenho fé.
    Obrigado, tchau!

  • Iran Di Valença 30/05/2008 at 09:21

    O autor que se preza não liga para valor monetário, conquanto tal prêmio num mundo consumista seja importante. O nome poderia ser REVELAÇAO. Outra coisa, porque impedir a concorrencia de autor inédito?
    Eu próprio esdcrevi um livro de ficção que iria repercutir no meio literario. É sobre a teoria da Criação do Cosmo ter sido obra de uma Deusa (tudo na natureza procede de geração de femea) e Ela, depois gerou,por se sentir solitaria, um ente à sua imagem e semelhança, o batizando de Deus. Este, fez a divisão do Cosmo em 7 ceus e então aparece como o Pai Criador. Opine por favor.

  • ricardo 30/05/2008 at 10:01

    Um prêmio como esse é muito bem-vindo. Mas e os bastidores? Será que o prêmio vai ter fôlego para ficar? Ele será mais parecido com o Nobel (no qual questões extra-literárias influem bastante) ou o Booker (mais estético, como disse Sérgio)? Vamos esperar para ver.
    Quanto ao nome, penso que deveriam fazer uma homenagem a algum grande escritor de ficção paulista.

  • norival da silva 30/05/2008 at 10:24

    Este premio de ficção já tem dono …..
    A Constituição Brasileira
    Nossos politicos não cansam de cita-la , más ….

  • norival da silva 30/05/2008 at 10:24

    Este premio de ficção já tem dono …..
    A Constituição Brasileira
    Nossos politicos não cansam de cita-la , más ….

  • norival da silva 30/05/2008 at 10:24

    Este premio de ficção já tem dono …..
    A Constituição Brasileira
    Nossos politicos não cansam de cita-la , más ….

  • norival da silva 30/05/2008 at 10:24

    Este premio de ficção já tem dono …..
    A Constituição Brasileira
    Nossos politicos não cansam de cita-la , más ….

  • norival da silva 30/05/2008 at 10:24

    Este premio de ficção já tem dono …..
    A Constituição Brasileira
    Nossos politicos não cansam de cita-la , más ….

  • norival da silva 30/05/2008 at 10:24

    Este premio de ficção já tem dono …..
    A Constituição Brasileira
    Nossos politicos não cansam de cita-la , más ….

  • Rafael 30/05/2008 at 10:24

    Até onde me lembro Fernando Pessoa, com Mensagem, e Guimarães Rosa, com Magna, tiraram o segundo lugar nos prêmios literários a que concorriam. Os primeiros lugares foram agraciados a… não sei, a História não registrou o nome desses magnos artesões da palavra.

    Bem, estou felicíssimo com o novo prêmio e torço por aqueles que tirarem o segundo lugar!

  • Rafael 30/05/2008 at 10:25

    Magna, não. Magma (consta que o próprio Guimarães Rosa não gostava da obra).

  • João Cirino Gomes 30/05/2008 at 10:51

    Só quem nunca tentou buscar tais prêmios se sente empolgado. Só acredito vendo e mesmo assim vai permanecer as minhas duvidas; neste país tudo é falso, a começar por nossa independência. Quando nosso país passar a ter representantes sérios. Ai sim; poderemos ter um pouco mais de confiança em nossos semelhantes! Por enquanto, os concursos são para arrecadar taxas dos crédulos e mal informados. Parece até piada; mas cobram taxas até para uma vaga de emprego, e por fim escamoteiam as taxas e os empregos.
    Precisamos é de seriedade e não de oportunistas com suas propagandas mirabolantes e sensacionalistas, onde as promessas são vantajosas, e a realidade amarga e enganosa. Escritores nós temos muitos, e dos bons, difícil é publicar e ter quem se interesse em ler neste país inculto. Não me julguem amargo, pois na atual conjuntura social, não posso ser conivente com estas tristes realidades!
    Só quem não tentou publicar neste país desconhece as enganações e jogos de empurra!

    Quanto a sugestão do nome do concurso: Lá vai:
    Tão mangando deu!

  • Perez 30/05/2008 at 10:59

    Um prêmio deste, ainda mais em setores complexos como a literatura no Brasil, tem sentido ambiguo. De um lado, aos vencendores, um grande estímulo á continuidade e uma “chance” de sobrevivência, de outro, a divulgação, o prestígio, que pode provocar uma sociedade que sequer tem recebido subsídio intelectual para ler, a buscá-lo. Nesta segunda “função”, creio que o nome, além de outros elementos de comunicação é relevante sim, pois pode dar uma identidade tendendo ao universal e com o tempo, criando a empatia das pessoas. Com esse nome, já denota-se que é público (que não anda com o melhor dos conceitos), que é paulista (que são uns chatos para o resto do país) e ainda tema cara de elite (que favorece uns e afasta muuuitos outros).

  • Saint-Clair Stockler 30/05/2008 at 11:54

    Pois é. Já que não temos prêmios literários com o peso e a importância do Goncourt, do Pulitzer & assemelhados, decidiram “carregar” na grana. Será isso o essencial?

    Quanto a mim, fico mesmo é com o Goncourt, que não tem cerimônia engalanada de entrega, o premiado recebe a grana (um valor simbólico, tipo 50 reais) em cheque via correio, e ponto final. E ninguém reclama.

    O que vai ter de gente querendo virar escritor só pra ganhar prêmios… rsrsrsrs. Tipo assim: “Eu sempre quis ser escritor. (Pausa). Desde pequenininho. (Pausa). Sempre sonhei em ter 100 mil paus na minha conta corrente!”. Rsrsrsrsrs.

  • C. S. Soares 30/05/2008 at 11:56

    o nome é o que menos importa, apesar de achar que está muito bem escolhido (e sou carioca). torcemos para que outras iniciativas surjam nos demais estados da federação. investimento em cultura, sempre será muito bem vindo.

  • Saint-Clair Stockler 30/05/2008 at 11:57

    Sugestão de nome para o prémio:

    PRÊMIO LITERÁRIO GUARANÁ & AÇAÍ

    Pourquoi pas? rsrsrsrs. Quer coisa mais brasileira do que guaraná e açaí? E o “literário” no título não deixa dúvidas a que se refere…

  • Chico 30/05/2008 at 12:01

    Gostei do cometario do Romero ai em cima respeito da missao civilizatoria da locomotiva. Adorei a ironia bem colocada – eh ironia nao eh? – sobre o estado (grafado por ele com letra maiuscula) de Sao Paulo. O Love – o Joseph, nao o Wagner – deve estar dando gargalhadas, tambem.

    Enfim – entre deslumbramento de provincia e a xenofobia – , esses premios sao sempre importantes. A questaso do nome eh complicada mesmo. A exemplo do Romulo Galegos, qual nome? O de um escritor paulista? Ligia Fagundes… eh por azeitona em empada de quem nem fez carreira em SP. Mario? Isso ia dar uma polemica danada.

    Quem leva e quem nao leva eh uma outra estoria, que em nada infere na producao e na qualidade literaria. Por isso… pior sem eles [premios] que com eles.

  • Saint-Clair Stockler 30/05/2008 at 12:03

    Aliás, isso é típico de gente com mentalidade de rotos & esfarrapados. Como se a qualidade literária (ou o prestígio) aumentasse com o aumento do valor do prêmio. Fala sério, né?

    Brasileiros, quando é que a gente vai mudar, hein? (Pergunta retórica, não precisam responder)

  • Brasileiro 30/05/2008 at 12:24

    Mudar? Faz tempo que tendo mudar. Mas o Tim Sam não me concede o visto de entrada…

  • Tibor Moricz 30/05/2008 at 15:07

    Dane-se o nome do prêmio literário. O importante é sua existência e sua suposta seriedade,

  • Raquel 31/05/2008 at 13:53

    Sérgio,
    Pindamonhangaba é impronunciável…risos…

  • Cezar Santos 31/05/2008 at 14:57

    Que tal “Prêmio Ó o Auê aí Ó”;…….kiakiakia

  • Marco 01/06/2008 at 15:39

    Por que só ficcção? E a poesia? E a dramaturgia? Não é um prêmio de literatura?

  • Chico 12/06/2008 at 12:02

    Perguntar que nem vem ao caso mas que as vezes incomoda…. quem eh mesmo o ministro da cultura? Gilberto Passos ou Juca Ferreira?

  • carlos magno de melo 31/10/2009 at 12:38

    Fico besta. Cada vez mais besta. São Paulo lança um prêmio literário tão signficativo para as letras brasileiras, pois poderá influenciar outros estados ou cidades a fazerem o mesmo,e o que leio na maioria dos dos comentários? A relevância ou não do nome do concurso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial