Escrever é difícil

09/07/2009

11 Comments

  • ROSE 09/07/2009 at 15:50

    É bem assim. A ilustração não podia ser melhor.

    Forte abraço

  • John Coltrane 09/07/2009 at 15:54

    Gênio

  • gilvas 09/07/2009 at 15:55

    coincidência: eu estava mesmo escrevendo sobre uma frase clichê que me assombra. perdi o link de um texto que relacionava livros começados com a frase que o snoopy bate em sua maquineta, uma pena.

  • olney figueiredo 09/07/2009 at 17:38

    E como…

  • josé rubens 10/07/2009 at 08:49

    Sérgio,

    A folha em branco é um verdadeiro tormento para a maioria dos que se enveredam pela escritla literária. Mas talvez o melhor exercício seja se espelhar em Montaigne, na leveza e despretenciosidade de seus Essays.

  • C. S. Soares 10/07/2009 at 14:17

    Primeiro: ‘wha’s good writing?’ Bem, penso que para alguns, uma coisa, para outros, algo completamente diferente. Whatever… Não sei se escrever é difícil, talvez o que complique mesmo seja a insegurança (estéril, diga-se de passagem) sobre se fizemos ou não a escolha adequada das palavras na tentativa de representar uma ideia ou imagem. No final das contas, isso é uma tolice já que a palavra é um símbolo cuja representação mental variará de leitor para leitor. A tarefa do escritor já é, de antemão, fracassada. A leitura é heurística, não é algoritmica. As palavras jamais esgotam as coisas que pensamos e imaginamos, mas, como somos seres tão supersticiosos, procuramos nos convencer (e nos confortar) de que “hard work” e condição sine qua non para uma “good writing”. Sem o prazer da escrita, jamais haverá “good writing”. Prazer com responsabilidade, claro, já que ‘good writing’ é, antes de mais nada, um dom. Quem o tem, deve agradecer a Deus, diariamente.

  • Thiago Maia 10/07/2009 at 19:44

    C. S. Soares, toda heurística é algorítmica.
    Acredito que você quis dizer que a leitura não é determinística, se me permite.
    Um abraço.

  • C. S. Soares 13/07/2009 at 22:22

    Thiago, os algoritmos, sempre que possível, não devem se basear em intuições (caso da subclasse dos algoritmos heurísticos). Conceitualmente, algoritmos buscam exatidão; a heurística admite aproximações. Abs.

  • Thiago Maia 14/07/2009 at 00:37

    C. S. Soares, queira notar que você escreve “algoritmos heurísticos”, o que é oposto ao que escreve no comentário anterior, mas coincide com o meu. Só me senti, antes, obrigado a intervir por dever de profissão (hoje às 13h30min lecionarei uma das duas aulas semanais que ministro na disciplina Análise e projeto de algoritmos, o que certamente não vem ao caso nem tem importância), e pelo TP. Agora já não sinto nada.

  • C. S. Soares 14/07/2009 at 10:42

    Fique tranquilo,Thiago, sei do que falo, veja, não há oposição alguma, atente para o “subclasse” com que prefixei “algoritmos heurísticos” (reforço que de um algoritmo, SEMPRE, devemos esperar soluções ótimas). Fico contente em saber que somos colegas de profissão e mantemos o gosto comum pela literatura. Estive em sala de aula (como professor) por 3 anos, hoje, no que diz respeito à tecnologia, escrevo no portal de tecnologia iMasters/UOL e no blog Academic Initiative da IBM Brasil (developerWorks). Entretanto, os algoritmos, para além da tecnologia, estão inseridos no nosso dia a dia, por isso os citei, com o reforço de contrapo-los à heurística, no sentido básico de que computadores (apesar do gênio de Turing) são algoritmicos, mas a mente humana é heurística. Duas ideias básicas explicam a nossa sociedade da informação (e aqui você haverá de concordar comigo): o cálculo e o algoritmo.

  • Fabio 17/07/2009 at 21:30

    esse blog é uma versão gratuita do catho?

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial