Geração agora é Ediouro

02/08/2006

Para quem gosta de acompanhar os movimentos – nos últimos tempos, todos concentradores – do mercado editorial, é imperdível a reportagem do jornal “Valor Econômico” de hoje sobre a transformação da editora paulista Geração, fundada há 14 anos por Luiz Fernando Emediato, no nono selo da gigante carioca Ediouro.

14 Comments

  • Saint-Clair 02/08/2006 at 20:31

    Sinceramente espero que isto não aumente o valor dos livros da série “Os mundos de Crestomanci”, da inglesa Diana Wynne Jones, que são publicados pela Geração. Atualmente eles estão com preço na faixa dos R$20,00. Convenhamos, um preço muito, muito simpático.

  • Writing Ghosts 03/08/2006 at 01:29

    pô.

    a Geração tem livros interessantes, e bem diversos das linhas mais conhecidas da Ediouro. espero que isso não afete os futuros lançamentos do novo selo, nem condicione sua política aos rumos da “gigante”.

    é esperar pra ver.

  • Paulo Osrevni 03/08/2006 at 11:35

    Acho que ninguém gostou da notícia. A Ediouro não costuma ser muito caprichosa nos livros; letras pequenas, feias, capas medíocres, livros clássicos sem prefácio nem notas explicativas, traduções apressadas…

    Mas nada contra.

  • Palhares 03/08/2006 at 13:52

    Creio que vocês não têm visto as mudanças editoriais da Ediouro. Apenas dois exemplos: a edição de “Almoço nu” com tradução do Pellizari e o lançamento do livro de entrevistas do Edward Said “Cultura e resistência”. Além disso, ela mantém uma linha muito boa no selo Agir.

  • Saint-Clair Stockler 03/08/2006 at 18:37

    Pois é, a Ediouro melhorou MUITO de uns anos pra cá… Não é mais aquela coisa dos clássicos com letras minúsculas não! Tá ÓTIMA agora.

  • Marcelo Moutinho 03/08/2006 at 21:02

    Desde que o Paulo Pires foi para a Ediouro, acabou a era dos projetos gráficos medíocres. Até discordo de certos elementos da linha editorial que ele anda empregando lá, mas inegavelmente a editora deu um salto sob ponto de vista gráfico. Seria que bom que algumas das outras majors a acompanhassem…

  • Paulo Osrevni 04/08/2006 at 10:56

    Sei não; outro dia caí na besteira de comprar uma caixa (até que bonita por fora) com a Ilíada e a Odisséia, de Homero. Achei tudo muito ruim, mas muito ruim mesmo, da tradução á edição, passando pela falta de revisão etc etc… A Agir já foi melhor, convenhamos. Isso pra não falar da Coquetel, que é uma lástima, aquelas palavras cruzadas que sempre repetem os mesmos “verbetes” e têm algumas definições pra lá de questionáveis.

  • Palhares 04/08/2006 at 13:03

    Paulo, eu também tenho essa caixa. Apenas duas observações. Primeira: já tem cinco anos que saiu a edição mais recente, e a renovação tem dois ou três anos. Segunda obs.: essa tradução me foi indicada pelo curso de Letras da UFRJ.
    Quanto à nova Agir: ela lançou o André Laurentino, o angolano Onjaki e vai relançar a obra em prosa do Nelson Rodrigues. Como assim já foi melhor?

  • Rosa 04/08/2006 at 13:23

    Marcelo, acho que a ida do Paulo Roberto Pires para a Ediouro deu mais um toque de qualidade à linha editorial. Mas a mudança começou antes, com a dupla Jiro Takahashi e Sheila Kaplan, uns anos atrás.

  • Peter Blake 04/08/2006 at 21:51

    No tempo dos blogs e do print to demand, os movimentos consolidadores das grandes editoras (não só no Brasil) são análogos às baleias encalhadas na areia da praia. Vai acontecer com as editoras o mesmo que aconteceu com as gravadoras. O que não significa dizer que o livro vai ter o mesmo (triste) fim do CD.

  • Mauricio 05/08/2006 at 16:56

    A Ediouro já tinha melhorado muito graficamente antes do Paulo Pires ir para lá. Parem de babar o ovo desse cara. E a presença dele na Ediouro é perigosa (muito perigosa!!!) pois como entusiasta dessa geração “paralelos” e “eraoditos” de escritorezinhos de mentira, o Paulo pode, isso sim, acabar com qualquer resquício de qualidade literária na editora, publicando as nulidades que aprecia como JP Cueca, Daniela Abade, Gianetti e assemelhados. Paulo Pires tinha que ser afastado de qualquer atividade editorial e confinado na estação espacial internacional para não concretizar sua meta de acabar de uma vez com a literatura (sic!) brasileira.

  • Rosa 05/08/2006 at 18:31

    Cuidado, Mauricio. Ressentimento dá câncer, sabia?

  • Mauricio 05/08/2006 at 22:31

    Oi Rosa,
    Sabia sim. Obrigado pela informação. Você está com câncer? Fique tranqüila, que hoje muitos casos já tem cura, viu?
    Abraços e cuide-se

  • pedro 06/08/2006 at 04:16

    esse “mauricio” tem toda a pinta de autor que teve manuscrito negado pelo paulo pires…

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial