Humor negro

22/11/2008

O humor negro que caracteriza o novo filme dos irmãos Coen, “Queime depois de ler”, é uma locução comum a várias línguas, do inglês black humor ao francês humour noir. Definido pelo Houaiss como a graça feita “a propósito de uma manifestação grave, desesperada ou macabra”, tem tudo para se tornar, como se vê, um dos registros mais visitados pela arte nesse período sombrio de recessão mundial que vem chegando.

Como a época do derretimento financeiro também é, por acaso, a de Barack Obama, não custa frisar que o humor é chamado de negro sem o menor traço de racismo. Embora um certo pensamento politicamente correto tenha tentado criminalizar todas as expressões que contenham a cor do piche – como lista negra, língua negra e a velha frase “a coisa está preta” –, o bom senso não recomenda ver insulto onde há apenas coincidência cromática. Do contrário, o elefante branco e a expressão “dar um branco”, com seus sentidos negativos, também ficariam sob suspeita. Para não mencionar a febre amarela e as contas no vermelho.

Se recuarmos na história da palavra humor, a viagem será longa. Ela veio do latim humor com sentido médico. Na Antiguidade o humor era apenas – como ainda é, em acepção menos corrente – o nome genérico dos fluidos corporais, que se acreditava serem responsáveis pelas condições físicas e mentais de uma pessoa. Foi entre os séculos 16 e 17, a princípio em inglês, que uma extensão de sentido em duas etapas transformou o humor em sinônimo de estado de ânimo e, em seguida, em disposição galhofeira ou alegre, isto é, bom humor.

O humor negro, aquele que consegue fazer rir com o lado escuro da existência, parece ter nascido no século passado: em francês, foi registrado pela primeira vez nos anos 1930. Mas novo é o nome, não a coisa que ele designa: tragicomédia é um termo que existe em português pelo menos desde 1622.

Publicado na “Revista da Semana”.

37 Comments

  • Adriano 22/11/2008 at 13:34

    É lamentável que um autor precise desperdiçar alguns minutos de sua vida para relembrar os idiotas do “politicamente correto” que a palavra “negro” pode ser utilizada com diversos sentidos que não a cor da pele. Talvez fosse melhor se o autor apenas tivesse postado um texto bem politicamente incorreto e apenas se divertisse com os comentários imbecis que seriam postados aqui.

  • Tefi 22/11/2008 at 14:00

    Humor negro não é diretamente relacionado com racismo,ou discriminação. Humor Negro é um tipo de humor macabro,gozações de assuntos polêmicos, nada com uma intenção de prejudicar,ou ofender. Quando falamos: eu gosto de Humor Negro. muitas pessoas já pensam: racista! Mais não é isso. E também depende muito de cada um,tem gente que acha muito forte,e sem graça. Eu particularmente acho terrivelmente engraçado,mais com a conciência que não devo contar esses piadas pro Padre,ou pro meu professor de História.

  • Melissa 22/11/2008 at 14:06

    Pois é, a gente ainda tem que aguentar pessoas burras, que não entendem que a palavrinha ‘negro’ não se refere apenas à cor da pele. Fazer o quê, né?! O jeito é explicar bem explicadinho, ou fazer um desenho, caso a pessoa não compreenda a idéia que estamos tentando passar. :)

    Obs.: A palavra negro, para mim, pode ser uma referência à cor da pele, ao lado obscuro da existência humana, ao macabro, etc.

  • Melissa 22/11/2008 at 14:14

    Já aconteceu de postarem uma música e as pessoas entenderem errado que poderia ser indício de racismo. Não era nada disso! O título da música é “The World is Black “(O mundo é ou está negro), que se referia apenas ao lado obscuro de fatos que ocorrem diariamente no mundo.
    Na maioria das vezes as pessoas não compreendem as coisas e saem julgando erroneamente tudo e todos.

  • Babi 22/11/2008 at 14:28

    Humor negro é coisa de gente mal comida! Que quer todo mundo se foda!

  • Sérgio 22/11/2008 at 14:35

    Daqui pra frente teremos que ter o cuidado em usar a palavra negro. Ex.: não poderemos dizer mais: a situação está negra, e sim: a situação está Afro-descendente. Os que consideram o uso da palavra “negro”, racismo, este cara é um tremendo racista, podes crer amizade!

  • cesar GREMISTA 22/11/2008 at 15:48

    Não estou nem aí com este tipo de comentário.Estou escrevendo estas palavras pois daqui a pouco a choradeira aumenta e nossos legisladores vão inventar que os brancos devem dividir com os negros suas posses e pedir mil desculpas pelo que aconteceu no passado. As pessoas deveriam estudar mais é a cultura de cada povo e o que se sujeitaram por ela.A hipocrisia e a falta de que fazer criam estes tipos de texto para criar sentimentos contra a ou b.A propósito sou decendente de índios charruas e poderia estar contra “B” ou “N” ,mas sou a favor de que trabalha e produz .Comecei do nada e hoje tenho …sem querer que os “B” devolvam as terras que tiraram do meu povo. È muito fácil ,agora ficar pleitiando tudo por culpa do meu conformismo e indolência.

  • OSWALDO JR 22/11/2008 at 15:57

    Sérgio, explicar que humor negro não é racismo para esses caras do ”politicamente correto” é o mesmo que você falasse Aramaico, pensasse em Japonês e escrevesse em Hindu, ou seja, nunca ia entender.

  • Celeste Dummer 22/11/2008 at 18:28

    Penso que há um grande desconhecimento do significado das expressões idiomáticas. Há pessoas que não têm humor nenhum e passam a interpretar de forma tendenciosa e equivocada a forma espontânea de expressar-se ou, até mesmo, usar linguagem figurada para falar de situações cômicas ou trágicas da vida e das pessoas. O bom humor faz bem em todas as situações da vida. Muitos indivíduos procuram culpados para as frustrações pessoais. Discriminação pode existir no emprego hipócrita de uma linguagem politicamente correta. A prática do dia-a-dia comprova.

  • Uwe 22/11/2008 at 19:06

    Há algo de errado hoje. Nas bancas posso comprar uma revista chamada Raça Negra, mas se eu quiser lançar uma chamada Raça Branca, vou ser crucificado.

    Onde ficam os direitos iguais?????????

    Cade nossa constituição para barrar esta revista???????

  • Uwe 22/11/2008 at 19:08

    Cuidem com a ditadura das minorias………

    Democracia é a maioria mandando, mas no nosso caso querem criar uma ditadura de minorias.

    Só gostaria de lembrar que no último censo a grande maioria da popúlação baiana se definiu como parda, não negra……..

  • Carlos 22/11/2008 at 19:09

    Mais que merda, isso já tá mais é encheção de saco.
    ô cambada de desocupado sem assunto, vcs estão “procurando cabelo em ovo”.
    Vão procurar um trabalho vagabundagem de qualquer cor e parem desse papo. Já estourou a COTA DOS BABACAS. Vcs já extrapolaram.
    Vão se distrair com um novo maníaco do parque. Vão lá dar uma semana de cadeia para ele vão.

  • leandro 22/11/2008 at 19:17

    Racismo seria se fosse “HUMOR AFRO-DESCENDENTE”.

  • Alvarez 22/11/2008 at 19:36

    Vc. pode ter revista exclusiva para raça negra, clube exclusivo para negros como existe na Inglaterra até hoje, musica, conjunto
    musical só para eles. Direito a entrar direto numa faculdade.
    Eu também quero.
    Eu li na imprenssa que dois irmãos nasceram de cor diferente um branco outro preto. Um deles pode ser discriminado na hora de conseguir emprego ou vaga na faculdade ?
    Eu também quero cota de branco pobre e tataraneto de quem lutou na querra defendendo o Brasil e morreu pobre sem direito a nada. A vó cuidou de 7 filhos sozinha com as mãos calejadas de tanto bater a enxada na lavoura. Nunca ganhou terra nenhuma nem ajuda. Morreu pobre sem nada.

  • Narcizo Filho 22/11/2008 at 19:52

    O que é preconceito?

  • Narcizo Filho 22/11/2008 at 19:52

    O que é racismo?

  • Narcizo Filho 22/11/2008 at 20:04

    Voltemos no tempo e devolvamos os negros que foram arrancados de seu habitat natural ao seio de seu país. Há, não nos esqueçamos dos indios também.
    Mas se devolvermos os indios ao seu habitat, onde ficariamos?
    Deveremos voltar, para onde? Bom o que fazer com aqueles que são folhos de negros e brancos? Filhos de indios e brancos?
    O que fazer com esses brasileiros?
    Será que a europa seria tão rica como é hoje se não invadisse a Africa? O Brasil? a Ásia?
    Como seri o mundo sem essas invasãoes?
    Imaginemos se os negros não trabalhassem nos canaviais para enriquecer este país? A propósito o Brasil esteve no rankng como um dos maiores produtores de açucar e café do mundo por conta de quem? Retire os negros! o que sobraria?
    Quem estava disposto a trabalhar pesado na época?
    Vamos por um lado mais fácil. Diremos que os negros fossem remunerados; será que hoje estariam reinvindicando o que reinviendica hoje? Teriamos tanta injustiça social como hoje?

  • Narcizo Filho 22/11/2008 at 20:11

    A bem da verdade é difícil imaginar como seria a vida no mundo hoje se não ocorrece tudo o que ocorreu no passado. Mas uma coisa é verdade, viva o indio como vivia, o negro como vivia, porem ninguém tém o direito de dizer o que é certo ou errado, ditar como eles tinham que viver.
    Hoje é muito fácil para as pessoas que fazem parte de uma classe média se irritarem em ver negros, indios reinvidicando o que lhes foi tirado no passado, até porque o que lhes foi tirado no passado esta nas mãos de uma classe que se diz, abastada.
    Perguntemos. De onde veio toda a riqueza desses países ricos hoje? Estes enriqueceram com um estalar de dedos? Nasceram ricos? Agora aqueles que acham certo a toma dos países que hoje são pobres, são os mesmos racistas difarçados hoje. São esses que mantém a ciranda racista hoje. Se assim não fosse, não se incomodaria com quem reinvindica o que lhe fora tomado.

  • Luciano 22/11/2008 at 21:43

    vamos discutir o Humor negro…do ponto de vista teatral, nada mais é que uma expressão de um fato, contado de uma maneira diferente, vale a pena refletir que riremos do assunto, mas nem todas as pessoas têm a inteligência de entender que aquela cena ou situação é para ser refletida, pensada, absorvida como lição, e que mais cruel que seja, rir é o melhor remédio que chorar um fato.

  • Cyrano Miname 22/11/2008 at 22:28

    É mole toda essa conversa!!!!
    Esquecendo um pouco o humor, pergunto O que foi tomado dos negros?
    A Europa teve pouca escravidão negra, teve muito mais escravidão branca durante toda sua história. A escravidão foi acontecimento em toda a história e nunca existiu preferência de escravos pela cor, escravos eram os derrotados nas guerras, e eram quem eram, independente da cor.
    Essa escravidão que discutimos é fato histórico mais rescente. Devemos lembrar que sempre ocorreu a escravidão de negros por negros, vencidos pelos vencedores, nas guerras entre tribos, e eram os negros que vendiam os negros.
    E eu devo o que para quem? Meus antepassados chegaram ao Brasil durante o século XX, e vieram para o serviço pesado, ganhando muito menos do que custariam sendo escravos e viveram sofridamente, sem casa, sem dinheiro, pobres, trabalhando duro na região norte do Paraná, deixando nada de herança financeira, mas deixando tudo o que podiam ensinando-nos a estudar e dar duro, crescer pelo trabalho sem depender de favores de qualquer um. Pergunto de novo, o que eu tenho a ver com a escravidão, devo o que para quem?
    Eu devo se tirei algo de alguém. Se foi acrescentado é ele que me deve… e volto a perguntar: o que foi tirado dos negros?
    Se todos retornarem a sua terra de origem, como sugeriu alguém em comentário anterior, o que teriam hoje? Tivessem ficado na África, teriam morrido aos milhares nas inumeras guerras entre tribos, ou das milhares de doenças que assolou o continente, e muito provavelmente seus antepassados teriam morrido muito antes de dar a chance de gerá-los. E se vivo estivessem no continente Africano de hoje em dia, estariam melhores do que estão hoje no Brasil? Devo o que a quem?
    Considero verdadeiro e necessário apoiar a inclusão social, intelectual, cultural, etc., de todos aqueles que terão imensas dificultades em crescer, sejam eles da cor e raça que forem, devemos defender o ser humano, apoiar o ser humano, não ser racista é considerarmos todos iguais, e apoiar o crescimento de todos, pela condição social e de dificuladades de ascender socialmente.
    Sejamos negros, brancos, índios, pobres de muitas gerações, todos teremos as mesmas dificuldades de ascender socialmente, independende da raça. Existem brancos pobres de muitas gerações, como existem negros pobres de muitas gerações, devemos apoiar estes seres humanos em dificuldades.

  • Álisson da Hora 23/11/2008 at 02:31

    Sou negro, judeu e professor de português.

    Se eu fosse processar todo mundo que faz piada de negro, de judeu, e todo aluno que não sabe escrever a norma culta correta, estaria numa enrascada tremenda…

    A simplificação lingüística do politicamente correto salva as pessoas de suas vidas cretinas? Uma profissional do entretenimento sexual masculino, vulgarmente outrora chamada de puta, terá sua vida salva pelo fato de não a chamarmos mais pelo vulgo? Ou a gente precisa falar com o agenciador dela, vulgo cafetão, para ele aumentar a participação dele no apurado?

    eu adoro o humor negro, talvez seja melhor do que o humor de certos “afro-descendentes”, que não têm humor algum (como alguns militantes da tal “diversidade” [os gays], dos movimentos de nativos [os indígenas] ou dos socialmente ociosos [os vagabundos])

  • Narcizo Filho 23/11/2008 at 03:38

    Para responder algumas perguntas do participante Cyrano, você como tal não deve nada a ninguém, porem o que afirmei, é a divida que o europeu tem com o continente africano, e com o negro de forma geral. Cyrano, lhe darei uma dica, assista ao filme Hotel Ruanda e depois volte neste site para falar o que aprendeu. Não podemos nos enganar, a doença e a miséria existente no continente africano é fruto de uma política constituida por vários países europeus, a violência existente naquel local, dá mesma forma. Se você não sabe uma das causas da violência existente em paises africanos é fruto de políticas européias, não pense você que o negro é simplesmente negro em qualquer ponto do solo africano. São etnias diferentes assim como o alemão, o holandes, o francês, as etnias foram misturadas pelos europeus de forma proposital afim de criar problemas para que assim facilitasse sua atuação. Se você também não sabe, paises foram desconfigurados e reconfigurados de forma a atender o interesse europeu. Cyrano, as coisas não são simples assim como você pensa. Da mesma forma como os EUA financiam tropas no Iraq em seu favor por causa do petroleo, os europeus financiavam e corrompiam tribos, como você deseja chamar, para capitura de outras etnias em seu favor. Na Africa existia Reis também, e todos foram destituidos. Assista ao filme “Um principe em Nova Iorque”, dali dá para se tirar uma idéia. A divida que a comunidade cobra não é com você, e sim de um sistema que envereda a todos nós a um enfrentamento sem perceber, todos nós estamos embuidos dentro deste mesmo sistema que não nos deixa perceber o quanto exercemos um racismo velado.
    Se quiser saber mais, mergulhe denro da verdadeira história, não essa que é contana nas escolas, nos levando ao erro, essa sim esta constituida dentro desse sistema para nos manter enganados.

  • eu 23/11/2008 at 05:38

    Eu precisava ver um texto assim rapaz, EU NÃO ESTOU SÓ!!! :-) as vezes fico só queto na minha observando de boca aberta essas paranóias cada vez mais comuns. alguém inventou que DENEGRIR tem a ver com a “raça negra” e todo mundo aceita qualquer coisa sem discutir desde que seja “o que estão falando”, nada mais é do que o famoso “comportamento de manada” será que desligaram o cérebro e passaram a usar o cérebro alheio ? e fica essa babaquice que, apesar de chamarem de “poíticamente correto” , é o oposto do que isso significa.
    Verdadeiro racismo é achar a palavra negro feia e usar esses termos ridículos afroqualquercoisa. Enquanto isso ninguém reclama de palaras como mulato que vem de mula. e se agente agora falar humor afodecendente, coisa está afrodescendente aposto que eles nem reclamam ehehe!
    E seguindo o mesmo “raciocínio” devem achar o máximo um AFRODESCENDENTINHO BÁSICO, e “TIRA ESSA FARDA AFRODESCENDENTE QUE TÚ É MOLEQUE”, além disso meu computador agora é todo afrodescendente,monitor mouse teclado… até o windows vista virou negão 😀 então isso seira a prova que não ha racismo ? rsrsrs
    É preciso lembrar que negro é antes de mais nada uma cor, como toda cor costuma ser usada em metáforas, no caso noite/dia, claridade/escuridão e daí se parte pra idéias associadas a essas coisas. o racismo está em tentar associar essas metáforas com a cor da pela coisa que raramente se vê!

  • Mendonça 23/11/2008 at 07:59

    Estranho, este post.

    Até hoje nunca ouvi falar que seja lá quem for reclamou de que a expressão humor negro é racismo. É possível que existam pessoas que tenham isso como opinião pessoal, mas não é algo generalizado, a posição de uma coletividade.

    Muito barulho por nada. Pura diversão.

    Se alguém afirmar o contrário, prove: dê referências verificáveis.

    Senão, é melhor brincar com outra coisa.

  • jacaré 23/11/2008 at 10:10

    Ô Mendonça! Tu tá viajando? De que planeta veio? Eu tenho o maior medo de usar a expressão “humor negro” porque já fui seriamente repreendido por um afro-descendente desses que usam uma touca toda colorida. No caso eu havia falado de uma “lista negra”. Acorda, maluco! Você está no país das cotas.

  • Eu1971 23/11/2008 at 11:10

    Humor negro, é a realidade do Negro nesse país!!!!!
    Sim não somos racistas!!!!!!!!
    Os estatunidenses estes é que são, país de poucas oportunidades, negro lá não tem vez!!!!!
    Aqui o negro tem direito ao sol, a praia ao carnaval!!!!!!
    E precisa de mais negro!?!?!?
    Deixe que do país cuidam os brancos que sabem fazer isso muito bem!!!!!
    Humor moreninho, chega de racismo!!!!!!!

  • Adriano 23/11/2008 at 11:24

    Foda-se, quem reclamar do texto é obviamente preto.

  • Mendonça 23/11/2008 at 12:00

    Como verificar isso? Há um processo correndo? Há manifestações coletivas? Passeatas? Há alguma reivindicação de alguma entidade pedindo para retirar essa expressão da língua portuguesa? Pra causar tamanha movimentação uma opinião de uma ou outra pessoa isolada não basta. Só se for algo que provoque uma verdadeira comoção social.
    O resto é irrelevante, portanto sossegue e não confiram a esse assunto tanta importância. Não vale a pena.

  • andréa 23/11/2008 at 14:11

    sou negra e nunca vi na classificação de filmes “humor negro”,como sendo de referencia a minha etnia,alias adoro humor negro.

  • guto 23/11/2008 at 16:16

    Tipo de discussão mediocre dessa midia que promove a imbecilização do país ao promover as tais cotas preconceituosas e o tal “politicamente correto”. Deveriam é combater a venda em plenos anos 2000 de negros por negros como escravos na africa ou os genocídios de tutsis e hutus, somalis etc… etc.. etc.. Ai não aparece ninguem pra cobrar postura correta dos irmãos de cor!!! Bom mesmo é falar mal do Brasil e fazer carreira em cima do discurso fácil do racismo. Ta cheio de “artista” medíocre fazendo furtuna, uns ate abrindo TVs, revistas ou faculdades só para os irmãos da cor com dinheiro do governo, arrecadado de todos por sinal, que deveria representar igualmente a todos!!!

  • Rafael 23/11/2008 at 22:42

    hummm, um chute: este post foi para a capa do portal.

  • Eric Novello 24/11/2008 at 10:17

    E o prêmio ‘boa sacada’ vai para “humor afrodescendente”. :)
    Importante manter o bom humor em um tópico sobre humor, pessoal!
    De repente me lembrei tanto daquela história que só existem 3.000 leitores…

  • Cyrano Miname 25/11/2008 at 00:22

    Narcizo, você anda assistindo filmes demais cara, e deixando-se iludir pela romantização da questão, que sempre necessita formar os polos oprimido e opressor para criar o ambiente favorável a emocionalização do tema e atração das plateias.

    Não lembro ter estudado este tema na escola, mas seria muito bom te-lo discutido a luz da verdade, e não somente pela cartilha dos engajados, ou pela ótica dos que tem vantagem a obter sobre a permanencia dos negros como pessoas a parte da humanidade e que devem ter um tratamento especial pela incapacidade de crescer por seu próprio esforço.

    Mas já que o assunto é esclarecido pelos filmes, assista qualquer um em que o tema seja Darwin e a evolução das espécies, e se tiver saco, leia alguma coisa sobre o tema, você vai ter uma nova fronteira a explorar sobre a questão.

    Eu continuo preferir acreditar que negros ou brancos, todos somos seres humanos, e devemos ter direitos iguais que devem ser respeitados, além de sermos apoiados quando em situação de dificuldade em obter condições para crescer, sem o julgamento racial.

    Por esta ótica, todas políticas do Lula seriam mantidas, apenas não tendo a questão racial como fonte básica do julgamento de direitos. Os negros, por serem a maioria dos em dificuldades, acabariam sendo os mais beneficiados naturalmente, mas o seriam por serem “homens em dificuldades” e não por serem “negros em dificuldades”. Estariamos respeitando a inteligência e o esforço de todos seres humanos lutando pela melhoria da condição de vida sua e de seus filhos.

    E para terminar, atribuir a miséria africana aos europeus é forçar a barra. Todos, africanos, brasileiros ou europeus, somos o que nossos esforços, coragem e inteligência permitiu. O Brasil tem a mesma “idade” dos EUA, e por lideranças e liderados, estamos onde estamos e eles estão onde estão. O que vamos fazer, pedir para eles mandarem tudo de graça para nós, ou vamos nos esforçar inteligentemente para superá-los. É luta para muitas gerações. Mas e o Japão? o que permitiu o crescimento espetacular em tão poucos anos? E os povos africanos, o que faz a miséria permanecer intacta a séculos? E Cuba, como vai o seu povo e a revolução? E a China, como se desenvolveu a ponto de ultrapassar todos? Tem culpas e culpados nestas histórias? Para todos os “em dificuldades” tem remédio outro a não ser o esforço próprio e a evolução até onde a coragem, capacidade e a inteligência permitir?

  • Mendonça 25/11/2008 at 10:41

    Incrível como um simples comentário sobre o significado de uma palavra tola levou aos velhos chavões sobre a coragem, a inteligência e a inocência dos opressores, da incapacidade dos oprimidos, etc, etc; aquela velha conversa usada para justificar o injustificável.

    Palavras que buscam encobrir a crueldade, o ódio, o oportunismo, a deslealdade que encontramos na história mundial, e que nada tem a ver com coragem e inteligência e sim com o nível moral da humanidade, que assim permanece até os dias de hoje, nos quais presenciamos guerras travadas sob falsos pretextos de autodefesa, porém com objetivos unicamente econômicos e políticos, alimentados por mentiras, ceifando centenas de milhares de vidas, destruindo nações, dissipando trilhões de dólares e contribuindo para levar todo o planeta à recessão econômica e beneficiando uns poucos. Tudo por ganância.

    É isso que tem sido praticado durante toda a história da humanidade contra os que são considerados por tais agentes como “incapazes” de crescer. É só usar de frieza, injustiça e crueldade contra eles (os rotulados de “incapazes”).

    A miséria dos povos africanos foi arquitetada e implementada pelos “inocentes” europeus, usando esses mesmos recursos.

    Daí, muito do seu desenvolvimento (dos europeus e outros ocidentais) não foi pelo seu próprio esforço e sim pelo esforço alheio, dos que foram “convencidos” pela persuasão ou pela força.

    A América Latina, colonizada por europeus e depois mantida por mil e uma manobras nas mão de seus descendentes, foi escancarada por estes ao poder econômico estrangeiro, mantendo o resto da população em estado de pobreza por meio de uma distribuição de renda profundamente injusta e de uma pesada dívida. É aí que reside a “incapacidade” dos negros e latinos nas sociedades contemporâneas. Isso se repete em outros lugares e povos do mundo.

    Querem ver? Acessem: http://pt.wikipedia.org/wiki/Distribui%C3%A7%C3%A3o_de_renda

    A China se desenvolveu por ter se fechado a eles, depois de amargas experiências e como é praticamente um continente e também por outras razões, teve condições para isso, senão estaria no mesmo barco (e a China tem lá as suas mazelas, ainda). Cuba está isolada da comunidade ocidental há muitos e muitos anos, por querer fazer a mesma coisa.

    Não é tão simples como imaginam alguns.

    Não basta olhar os resultados de um processo. Temos que saber ler nas entrelinhas, evitando esta ou aquela versão particular e se afastando das doutrinas políticas e ideológicas.

    Pelo que está acontecendo hoje não é impossível que não só os povos e pessoas rotuladas de “incapazes” experimentem essas práticas, mas também a maioria dos seres humanos, independente de quem seja.

    Então acordarão para a realidade. A eleição de Obama parece ser um passo nessa direção. Quem pôs Obama na presidência, preferindo-o a Hillary Clinton e Mc Cain foram os brancos. Os negros são só 12% dos eleitores americanos. Os americanos parecem ter constatado que estão sofrendo o mesmo processo descrito acima e estão reagindo.

    A falha moral da humanidade que conduz a isso é o egocentrismo, que se apóia em um numeroso cortejo de outras falhas. É a maior causa desse mundo absurdo que vivemos.

    Se a humanidade não se auto destruir e acordar de vez, ainda veremos as diferentes etnias serem tratadas da maneira como é tratada a diversidade ambiental, uma ecologia social, as tais práticas devastadoras da humanidade serão consideradas crimes. Aí, talvez, tenhamos um mundo decente.

  • Hefestus 28/11/2008 at 14:32

    “De repente me lembrei tanto daquela história que só existem 3.000 leitores”

    É verdade, mas deve ter uns três milhões de comentaristas de post, Eric, não necessariamente sabendo ler (escrever, então, nem se fala).

  • Eu mesmo 21/04/2009 at 14:17

    Ao citarmos a palavra “negro”, não estamos nos referindo, sempre, ao “afro-descendente”. A palavra “negro” ou “preto” designa uma cor e também pode ser utilizada para conotar sentidos como “macabro”, “morte”, “obscuro”, “temeroso” e uma série de sentidos negativos, como em “humor negro” ou “peste negra”.
    Por outro lado, as conotações negativas da cor “negro” ou “preto” ajudam a estruturar o imaginário racista, por exemplo, no imaginário sobre as religiões africanas, chamadas genericamente “macumba”, que é tida como “magia negra” e traz, ao racista, sempre, a idéia de “morte”.

    Agora, podem se declarar racistas, comecem a confissão com “macumba é magia negra mesmo, coisa de desocupado, bem disse o padre. Chamem a polícia pra esse cara!”.

    assinaturas?

  • quilombonnq 22/05/2009 at 16:04

    REVOLUÇÃO QUILOMBOLIVARIANA!
    Viva! Chàvez! Viva Che!Viva! Simon Bolívar! Viva! Zumbi!
    Movimento Chàvista Brasileiro- Ações Afirmativas Afro –Ameríndia *Quilombismo *
    A comunidade negra afros-decendentes brasileira
    é solidaria e apóia o povo palestino Viva a Palestina!
    Manifesto em solidariedade, liberdade e desenvolvimento dos povos afro-ameríndio latinos, no dia 01 de maio 2008 dia do trabalhador foi lançado o manifesto da Revolução Quilombolivariana fruto de inúmeras discussões que questionavam a situação dos negros, índios da América Latina, que apesar de estarmos no 3º milênio em pleno avanço tecnológico, o nosso coletivo se encontra a margem e marginalizados de todos de todos os benefícios da sociedade capitalista euro-americano, que em pese que esse grupo de países a pirâmide do topo da sociedade mundial e que ditam o que e certo e o que é errado, determinando as linhas de comportamento dos povos comandando pelo imperialismo norte-americano, que decide quem é do bem e quem do mal, quem é aliado e quem é inimigo, sendo que essas diretrizes da colonização do 3º Mundo, Ásia, África e em nosso caso América Latina, tendo como exemplo o nosso Brasil, que alias é uma força de expressão, pois quem nos domina é a elite associada à elite mundial é de conhecimento que no Brasil que hoje nos temos mais de 30 bilionários, sendo que a alguns destes dessas fortunas foram formadas como um passe de mágica em menos de trinta anos, e até casos de em menos de 10 anos, sendo que algumas dessas fortunas vieram do tempo da escravidão, e outras pessoas que fugidas do nazismo que vieram para cá sem nada, e hoje são donos deste país, ocupando posições estratégicas na sociedade civil e pública, tomando para si todos os canais de comunicação uma das mais perversas mediáticas do Mundo. A exclusão dos negros e a usurpação das terras indígenas criaram-se mais e 100 milhões de brasileiros sendo estes afro-ameríndios descendentes vivendo num patamar de escravidão, vivendo no desemprego e no subemprego com um dos piores salários mínimos do Mundo, e milhões vivendo abaixo da linha de pobreza, sendo as maiores vitimas da violência social, o sucateamento da saúde publica e o péssimo sistema de ensino, onde milhões de alunos tem dificuldades de uma simples soma ou leitura, dando argumentos demagógicos de sustentação a vários políticos que o problema do Brasil e a educação, sendo que na realidade o problema do Brasil são as péssimas condições de vida das dezenas de milhões dos excluídos e alienados pelo sistema capitalista oligárquico que faz da elite do Brasil tão poderosa quantos as do 1º Mundo. É inadmissível o salário dos professores, dos assistentes de saúde, até mesmo da policia e os trabalhadores de uma forma geral, vemos o surrealismo de dezenas de salários pagos pelos sistemas de televisão Globo, SBT e outros aos seus artistas, jornalistas, apresentadores e diretores e etc. Manifesto da Revolução Quilombolivariana vem ocupar os nossos direito e anseios com os movimentos negros afro-ameríndios e simpatizantes para a grande tomada da conscientização que este país e os países irmãos não podem mais viver no inferno, sustentando o paraíso da elite dominante este manifesto Quilombolivariano é a unificação e redenção dos ideais do grande líder zumbi do Quilombo dos Palmares a 1º Republica feita por negros e índios iguais, sentimento este do grande líder libertador e construí dor Simon Bolívar que em sua luta de liberdade e justiça das Américas se tornou um mártir vivo dentro desses ideais e princípios vamos lutar pelos nossos direitos e resgatar a história dos nossos heróis mártires como Che Guevara, o Gigante Osvaldão líder da Guerrilha do Araguaia. São dezenas de histórias que o Imperialismo e Ditadura esconderam. Há mais de 160 anos houve o Massacre de Porongos os lanceiros negros da Farroupilha o que aconteceu com as mulheres da praça de 1º de maio? O que aconteceu com diversos povos indígenas da nossa América Latina, o que aconteceu com tantos homens e mulheres que foram martirizados, por desejarem liberdade e justiça? Existem muitas barreiras uma ocultas e outras declaradamente que nos excluem dos conhecimentos gerais infelizmente o negro brasileiro não conhece a riqueza cultural social de um irmão Colombiano, Uruguaio, Venezuelano, Argentino, Porto-Riquenho ou Cubano. Há uma presença física e espiritual em nossa história os mesmos que nos cerceiam de nossos valores são os mesmos que atacam os estadistas Hugo Chávez e Evo Morales Ayma,Rafael Correa, Fernando Lugo não admitem que esses lideres de origem nativa e afro-descendente busquem e tomem a autonomia para seus iguais, são esses mesmos que no discriminam e que nos oprime de nossa liberdade de nossas expressões que não seculares, e sim milenares. Neste 1º de maio de diversas capitais e centenas de cidades e milhares de pessoas em sua maioria jovem afro-ameríndio descendente e simpatizante leram o manifesto Revolução Quilombolivariana e bradaram Viva a,Viva Simon Bolívar Viva Zumbi, Viva Che, Viva Martin Luther King, Viva Osvaldão, Viva Mandela, Viva Chávez, Viva Evo Ayma, Viva a União dos Povos Latinos afro-ameríndios, Viva 1º de maio, Viva os Trabalhadores e Trabalhadoras dos Brasil e de todos os povos irmanados.
    O.N.N.QUILOMBO –FUNDAÇÃO 20/11/1970

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial