Livros do ano? Me vê meia dúzia

21/12/2011

“Habitante irreal”, de Paulo Scott – Atolada num ambiente besta que se assemelha a uma guerrinha entre fiéis e infiéis (existe ou não existe, é divina ou é uma fraude, vamos à missa ou não vamos?), a literatura brasileira contemporânea corre o risco de nem se dar conta de que acaba de ganhar um livraço. Acerto de contas com os sonhos e desilusões de uma geração, o romance de Scott revela-se um cruel espelho político-social de impasses coletivos e, no caminho oposto, um objeto que se quer tão xamânico quanto a bizarra máscara construída pelo personagem Donato, o “índio mais não índio do qual já se teve notícia”, com o propósito de dar voz aos mortos. (Leia mais..)

“Diário da queda”, de Michel Laub – Sem grandiloquência e acomodadas confortavelmente no arco da narrativa, ideias grandiosas tornam notável o novo romance de Laub. Cobrindo três gerações, desde a história do avô do narrador em Auschwitz, e apontando com comedida esperança para uma quarta, “Diário da queda” é uma pequena joia ficcional que, ao tratar sem temor ou reverência a pesada herança da literatura pós-Holocausto, adiciona uma dimensão histórica universal à costumeira obsessão do autor com o passado e esmiúça de forma emocionante a lógica da vitimização e sua capacidade de perpetuar iniquidades. (Leia mais.)

“o remorso de baltazar serapião”, de Valter Hugo Mãe – O primeiro livro do autor português de origem angolana a ser lançado no Brasil tem tiradas próximas do realismo mágico e linguagem de sabor regionalista. Isso prova não haver no mundo da literatura nada que se possa excluir de antemão do campo da novidade artística. Estranho e memorável, o romance tira sua força do fato de trilhar caminhos perigosos. Está menos para Guimarães Rosa do que para Raduan Nassar em sua fusão de linguagem e história num magma violento de pulsões quase pré-humanas, no marco zero do humano. O xodó da Flip 2011 pode ser bom de marketing, mas tem algo a dizer. (Leia mais.)

“Como funciona a ficção”, de James Wood – Egresso da crítica literária jornalística, Wood corre o risco de ser considerado um fabricante de “papel de bala”, na já célebre definição da acadêmica Flora Sussekind. Afinal, o cara não apenas ama a literatura, mas também, pecado supremo no catecismo universitário, sabe escrever e deseja ser compreendido pelo leitor comum. O que dificulta situá-lo no quadro dessa guerrinha cansada é que Wood também figura no quadro de professores de Harvard. Quando ele declara na introdução o desejo de que seu livro “faça as perguntas do crítico e dê as respostas do escritor”, sem romper com o “instinto criativo”, entende-se a ambição de um projeto que tem tanto a ensinar a jornalistas quanto a acadêmicos. (Leia mais.)

“O senhor do lado esquerdo”, de Alberto Mussa – Ao abraçar de forma gulosa e programática a dimensão histórico-mítica da narrativa, Mussa se firma como o antípoda por excelência do nosso escritor típico, habitante de um eterno presente esvaziado. Que outros discutam se essa postura é conservadora ou progressista, retrógrada ou libertadora, como se tais coisas fossem incompatíveis. É a postura responsável pelo sucesso artístico de um dos bons livros do ano, novela policial saborosa que surge numa conjuntura de reerguimento anímico do Rio de Janeiro, para o qual deseja contribuir de modo ostensivo e, nos melhores momentos, comovente. (Leia mais.)

“Liberdade”, de Jonathan Franzen – Se quiséssemos lançar mão de categorias romanescamente tão rasas quanto aquelas que ajudam a estruturar sua visão de mundo, poderíamos dizer que “Liberdade”, o superaclamado livro de Franzen, é um romance democrata no conteúdo e republicano na forma. Isso seria um pouco injusto, mas só um pouco – na medida exata em que, políticas ou não, todas as metáforas que buscam dar conta do atacado passam por cima do que as contraria no varejo. Como ocorre o tempo todo no livro, aliás. (Leia mais.)

14 Comments

  • Mônica de Pinho Pinaud 21/12/2011 at 14:25

    Olá, que tal acrescentar o “E nós não fomos felizes para sempre”? Modéstia de autora à parte (rs), mas foi o ganhador do PrÊmio Interarte de Melhor Romance de Humor, 2011!
    Um forte abraço!

  • Xroeder 21/12/2011 at 16:45

    Eu apenas tiraria o Franzen, e colocaria o Herzog do Bellow, que saiu este ano aqui. No resto, redondaço.

  • clara lopez 21/12/2011 at 20:01

    Sérgio, de sua lista, me interessa o primeiro pela polêmica gerada por aqui mesmo, vou lê-lo em algum momento; os outros, nem tanto, salvo qualquer coisa do valter hugo mãe, de quem li há pouco a máquina de fazer espanhóis, que considero magistral, a melhor coisa, que li esse ano.
    um abraço, feliz natal e ótimo 2012 para você e sua família,
    clara

  • Elianete 21/12/2011 at 21:40

    Boas dicas! Sugiro ainda um livro p quem ainda não sabe usar o computador e a internet mas tem vontade de aprender: Desvendando a Informática na Melhor Idade, Editora Publit, de minha autoria. Feliz Natal pra todos!

  • Vanessa 22/12/2011 at 10:04

    Adquiri “Como funciona a ficção” e achei um tanto burocrático, mas talvez eu é que esteja de saco cheio de teorias literárias. :)
    http://garotadistraida.wordpress.com

  • J.Paulo 23/12/2011 at 02:21

    Sérgio, nos diz uma coisa: você costuma ler quantas horas diárias?

  • André Alvarez 23/12/2011 at 20:46

    Acabei de acabar o “Diário da Queda”. Livraço. Há tempos não me emocionava durante uma leitura.

  • Alessandro 28/12/2011 at 12:33

    Só isso? Além desses livros, não teve mais nada de interessante em 2011? Está certo que a literatura brasileira se transformou em um “clubinho da ficção realista para poucos”, mas será que não teve nenhum outro livro que merecia estar nesta lista? E o novo do Umberto Eco é somente best seller por causa das obras anteriores do autor, principalmente O Nome da Rosa? Que aninho fraco heim….

  • Rômulo Alcoforado 17/09/2014 at 18:23

    Chatíssimo, o “Liberdade”.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial