Livros roubados, livros bandidos e outros links

28/03/2011

“Os livros de que me lembro melhor são os que roubei na Cidade do México entre as idades de dezesseis e dezenove…” Roberto Bolaño discorre (em inglês) sobre os prazeres de ser um ladrão de livros.

*

Roubando ou não, você é um acumulador de livros, do tipo que se julga incapaz de se desfazer de um único volume, por pior que ele seja? Então saiba que sua doença tem nome: bibliomania. Conheça alguns truques que, sem prometer cura, podem aliviar os sintomas.

*

Mas se você acha que é novo esse sentimento de estar soterrado por livros, veja esta: “Temos razões para temer que a Multidão de Livros que aumenta a cada dia (…) faça cair os séculos seguintes num estado tão lamentável quanto aquele em que a barbárie lançou os anteriores a partir da decadência do Império Romano.” A frase é do erudito francês Adrien Baillet, biógrafo de René Descartes, que a escreveu no início do século 18.

*

“Diante da ciência, nós escritores somos como crianças com a cara colada no vidro de uma janela, tentando descobrir o que lá dentro.” Ian McEwan, um escritor que sempre levou a ciência a sério, num debate em Barcelona, semana passada, segundo reportagem do “El País”.

4 Comments

  • J.Paulo 28/03/2011 at 15:54

    Também já “peguei emprestado sem pedir” muito livro. Esse ato em si, nunca me causou muito embaraço; não como o que me aconteceu recentemente; ao trazer mais um livro “emprestado” de certo sebo, ao chegar em casa verifiquei, não sem assombro e decepção, que um mesmo livro (a obra) já tinha sido minha vítima, diferenciado-se do outro, recém trazido, apenas na edição. Mas redime-me – fui até uma biblioteca aqui perto de casa e doei-o.

    Posso ficar seguro que, pelo menos da sua parte, você não vai mover nenhum esforço, (repassando essa mensagem a órgãos competentes, por exemplo), no sentido de punição a uma confissão tão atrevida, né, Sérgio?

  • zanzoreia 28/03/2011 at 16:38

    Iiiiii… Cê num sabe! De repente achei que você fosse o ladrão! “Ó! O Sérgio roubando livros???? No exterior????” E já imaginei você ali, disfarçada e gulosamente, ROUBANDO os livros… Parei a leitura. OLhei bem sua foto. E pensei: Não é possivel! Ele não tem cara de roubador de livros. Se roubou com certeza colocou máscara.

    Puxa! Que bom. Uma segunda leitura no parágrafo acabou meu dilema litero brasileiro.

    Nâo foi o Sérgio. Uffa! Ainda bem não foi.

    E se fosse?
    Um arrependimento cairia bem.

    E se não houvesse arrependimento?

    Cada cabeça uma sentença.

  • Rodrigo 28/03/2011 at 17:51

    Assisti à mesa, se é que se pode dizer assim haja visto que havia apenas duas poltronas no palco, do McEwan e do cientista. Fui com grande expectativa pelo escritor, de quem li e adorei Solar, Atonement e Saturday. Mais os dois primeiros do que o último. Náo chegou a ser uma rotunda decepçáo, mas deixou bastante a desejar. O cientista proferindo platitudes do alto de sua inabalável episteme, e McEwan esforçando-se para exibir sua “british witty” com excesso de gracejos e pouca tenacidade. A reportagem do El Pais faz um resumo dos melhores momentos, mas a partida ficou aquém do que eu esperava.
    A boa surpresa foi a mesa anterior, com a dinamarquesa Jane Teller, essa sim, disse coisas a respeito da relaçao entre ficçao e realidade muito mais interessantes do que a reverencia científica da dupla que lhe sucedeu. Para ela a boa ficçáo pode ser mais verdadeira do que a realidade porque cativa a imginaçáo do leitor e estabelece um vínculo, uma relaçáo produtiva, enquanto a realidade muitas vezes, como diz um personagem do seu livro “Nada”, náo vale a pena. Fiquei afim de conhecer, náo sei se ela é publicada no Brasil. Pela desenvoltura com que discorreu sobre sua relaçáo com a litertura, me deixou curioso.

  • Daniel Aço 30/03/2011 at 19:25

    Comprar, Trocar e Afanar Livros é título de um texto meu, publicado recentemente:

    http://recantodasletras.uol.com.br/cronicas/2825981

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial