Mala direta

15/04/2009

Venho em nome de nossa empresa, a Write Right, oferecer nossos serviços diferenciados de soluções literárias com foco customizado nas necessidades de escritores situados em qualquer nicho mercadológico/estético/igrejístico. Dos minicontos aguadinhos aos grandes épicos pedregosos, da poesia formalista altamente ilegível às letras de música dããã de axé e pagode, nosso compromisso é agregar o máximo de valor às suas criações/diluições/cópias, provendo soluções formais imediatas de eficácia comprovada e gerando contatos de negócio (57 resenhistas na folha de pagamento!) que oportunizarão um aumento significativo de sua satisfação autoral e de seu prestígio social, sem perder de vista a maximização do market share de seu produto e a fidelização eterna de seus clientes/leitores/otários. Se você quer apenas escrever, não precisa da Write Right. Mas se quer ESCREVER SEU NOME NA HISTÓRIA, está esperando o quê, ô?

20 Comments

  • Tibor Moricz 15/04/2009 at 17:07

    Será que tem emprego pra mim, lá?

  • isaac 15/04/2009 at 19:14

    hahaha
    rapaz, o que tem de escritor articulado e com várias malas cheias de super apetrechos não está no gibi.

    james bond, perde!!!!

  • Noga Lubicz Sklar 16/04/2009 at 08:33

    parafraseando o Tibor, etc., etc.

  • david leinad 16/04/2009 at 09:04

    hahaha.
    qual o email da Write Right? estou precisando de uma ajudinha.

  • josé rubens 16/04/2009 at 09:43

    Prezado Sérgio,

    Hoje pode até causar certo espanto, talvez até ironia, mas não irá demorar o dia em que esta mala direta se tornará lugar comum nas caixas postais do aspirantes (ou nem tão aspirantes assim) a escritor. Voce já notou no que virou a indústria de teses acadêmicas? São vendidas sem o menor pudor, com todo aquele vocabulário do mundo corporativo (eca!!!). É o fim da picada!!!

  • Rafael 16/04/2009 at 10:34

    E eu, pobre mortal, triste sombra neste vale lágrimas, pensando que se tratava de algum material de divulgação do mais recente trabalho da inumerável equipe de assessores do nosso caríssimo amigo Hiago, espelho e flor da literatura profissional…

  • Inútil 16/04/2009 at 12:07

    Perfeito. Só faltou a oferta. Algo do tipo, encomende 12 contos e leve uma novela.

  • Inútil 16/04/2009 at 12:07

    Ou melhor: e leve GRÁTIS uma novela.

  • Tibor Moricz 16/04/2009 at 12:21

    Esse conto não está nem um pouco longe da realidade. Algumas editoras por demanda oferecem serviços diversificados, incluindo ghost writers. Pagando, você pode ter tudo.

  • Claudo Soares 16/04/2009 at 12:22

    Isso não é novidade alguma, afinal ghost writers existem desde sempre não. Tem uma piada [não me lembro a fonte] que diz mais ou menos assim: ‘um escritor vira para o outro e dispara: adorei seu último livro, quem o escreveu?’

    Venenos à parte, a história conta diversos casos de sugestões e insugestões e insurreições nessa linha: o segundo livro de Verne, Paris au XXe siècle, só foi publicado em 1989 [Hetzel não achou adequado publicá-lo em 1863 e Verne aceitou].

    Já Nabokov, ao receber a sugestão de um editor americano para transformar Luzhin em um violinista [já que a música, segundo esse editor, seria mais popular que o xadrez], mandou-o ás favas. O livro só seria publicado nos EUA décadas depois, mas Luzhin, e só assim o poderíamos entender, continuou [para seu bem e mal] um enxadrista.

    Seguem-se casos diversos em que revisores, copidesques e até editores reescrevem passagens com ou sem consentimento dos autores. O livro é bem diferente da obra. O livro é mercado. A obra é arte. Qual o ponto de equilibrio?

    Enfim, para resumir, o problema não está em apenas um player desse mercado, ou seja, a culpa não é só do escritor…

  • Xandão 16/04/2009 at 12:38

    Sérgio, se a Write Right escreveu Elza, transmita aquele meu elogio pra eles também. Os caras são bons.

  • Carlos 16/04/2009 at 13:59

    Sérgio, então vc estará presente em uma das mesas da FLIP? Legal! Essa edição da FLIP parece que vai ser boa. O único problema é o preço nas pousadas, tá o olho da cara!
    Até lá!

  • Bruno M. Oliveira 16/04/2009 at 14:55

    Caro Sérigo,

    por ora não estou precisando dos serviços de um ghost Writer, mas gostaria de umas dicas suas a respeito de Elmore Leonard.

    Sei que você é um admirador dele, e queria saber por que livro eu devo começar a lê-lo. São tantos, e eu quero começar com o pé direito. Se puder, por favor, oriente este leitor perdido.

    Abraço!

  • Mariana 16/04/2009 at 15:56

    beijins.

  • Sérgio Rodrigues 16/04/2009 at 17:33

    Bruno, recomendo começar por LaBrava. Não sei se tem tradução, mas, de qualquer maneira, Leonard é o tipo do autor que perde muito traduzido. Stick e Get shorty também são leitura de primeira.

    Xandão: a Write Right não tem nada a ver com o Elza. O livro já estava pronto quanto tomei conhecimento dos valorosos serviços deles.

    Carlos, postei um comentário sobre Elza na Flip agora há pouco. Até lá.

  • Mr. WRITER 17/04/2009 at 14:30

    “…e a fidelização eterna de seus clientes/leitores/otários”

    Rachei de rir nesse trecho.

    O que tem de “escritor” formando verdadeiros exércitos de “litores” (otários), não tá no mapa.

    Agora eu só queria saber quando sai o livro Sobrescritos de Sérgio Rodrigues.

  • Ricardo Bollani 17/04/2009 at 17:19

    pois eh, rafael, acho que vc eh um dos assessores ou um dos maiores fans de Hiago Rodrigues Reis de Queiros, pq em todos os coments vejo uma agulhadinha sua no escritor.

    ou vc eh o Sergio, fazendo criticas ao Hiago disfacadamente, ou eh o Hiago brincando com o blog do Sergio, ou soh pode ser mais um idiota desocupado, que soh sabe criticar!

    veja que legal, que o sergio postou sobre aquela jovem escritora e vc comentou o hiago(q eh jovem, mas nao novo escritor), depois o Segio postou aqui sobre a Write Right e vc falo do hiago (que administra O Literatico, um site pra escritores). vc eh a sombra do Sergio, ou a luz do Hiago.

    Acho que nao vou mais no blog do Hiago, pq vc fez desse o blog dele, neh?

    bjs pra vc, Rafael!, ou Sergio, ou Hiago.

  • Rafael 17/04/2009 at 19:06

    Prezado Ricardo,

    O Hiago é um bom assunto: para fazer piada. Mas, como escritor, é irrelevante e medíocre.

    Mais uma coisa. Poupe-me dos seus “eh”, “vc”, “fans”, “pq”, “coments”, “criticas”, “disfacadamente”, “soh”, “q”, “nao”, “falo”, “neh”, “bjs”. Isso é linguagem de gente preguiçosa. Se quiser ser respeitado, escreva “é”, “você”, “fãs”, “porque”, “comentários”, “críticas”, “disfarçadamente”, “só”, “que”, “não”, “falou”, “né”, “beijos”.

    Asseguro-lhe que não é difícil.

    Vale

  • Hiago Rodrigues Reis de Queirós 18/04/2009 at 11:41

    Ricardo: vocabulário curioso… mas cuidado, porque vai que os idiotas que opoiam o Acordo Ortográfico decidam incorporar estes “eh”, e “fans”. Daí cada pessoa que escreve será como um poeta, que usa das próprias regras (transgredindo) para passar sua mensagem.

    Rafael: que livro meu que você leu?, conhece minha biografia?, sabe, ao menos, o que é literatura?

    Meus amigos de infância, com quem jogava bola na rua, cresceram, assim como eu, que verei escritor. Um deles virou advogado, outro: editor, e outros dois jornalistas… e enquanto eles faziam faculdade, me ajudavam com os contratos e as edições dos meus livros, e só recebiam quando eu ganhava pelos livros vendidos. Minha assessoria é minha turma, meus colegas, que sempre me ajudaram, e que nunca foram contratados, e só respondem por assessoria, porque fica mais formal, só por isso. Se fosse a Turma do Hiago, seriam os leitores deste site: http://www.hiagorrdequeiros.webnode.com.

    … e gostaria de te agradecer: só você mesmo para ficar me ridicularizando aqui no blog, para que possa te responder e fazer mais propaganda com o meu nome. O Paulo Scalling, que é um dos assessores, vai viajar para os EUA para trabalhar num jornal de lá, e disse que se você quiser, pode ficar no lugar dele – só não espere dinheiro, faça pela amizade que temos… certinho?

    E como prova de que você está mais me fazendo publicidade do que prejudicando, convido a todos os que partilham da mesma idéia de que eu sou medíocre, a comprarem algum livro meu e só depois darem “sua opinião”, antes disso, será só especulação e provocações gratuitas.

    Venero pessoas como você: capazes de perder tempo discutindo em blogs. Não deve ser escritor, pelo jeito, mas um daqueles eruditos que pensam que sua tese é a síntese da literatura.

  • aurizangela oliveira da silva 09/10/2009 at 17:01

    eu gostaria de perguntar se essa e uma empresa seria, por que eu estou atrás de trabalhar e não gostaria de ser enganada por que se essa empresa for o que diz eu vou dar td de me para me esforça o melhor para garanti uma renda extra, vou mostrar aômeus amigos que eles estão enganados sobre ha empresa eu estou recomendando as muitas gente mais o povo procura se eu estou trabalhando eu digo ainda não muitos deles dizem que vai esperar eu começar para ver se e verdade por que tem gente falando mal dizendo que não passar de uma falça empresa desculpe pelas minhas palavras.obrigado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial