O dia em que Patti Smith encontrou Virginia Woolf

01/02/2013

httpv://www.youtube.com/watch?v=0UzS0dwuuHg

No Pop Literário de hoje, Patti Smith, também conhecida como “madrinha do punk”, lê um pequeno trecho do romance “As ondas”, de Virginia Woolf – e improvisa mais do que lê – ao som do piano e do violão tocados por seus filhos Jesse e Jackson numa performance de 2008. O clima amadorístico-familiar da apresentação da cantora-compositora-poeta-fotógrafa-ativista consegue, de alguma forma periclitante, combinar com a pretendida homenagem à grande escritora inglesa cujo suicídio, em 28 de março de 1941, fazia aniversário naquele dia em que se inaugurava uma retrospectiva de fotografias e desenhos de Patti em Paris. Vale lembrar que depois disso ela se revelou uma prosadora de talento com a autobiografia “Só garotos”, que saiu aqui pela Companhia das Letras no fim de 2010. Consta que tem ainda um romance policial no forno. (Via Open Culture, onde se pode ouvir também a única gravação remanescente da voz de Virginia Woolf, lendo o trecho de um ensaio de sua autoria para um programa da BBC em 1937.)

2 Comments

  • Rosängela Maria 03/02/2013 at 12:49

    Puxa, Sérgio, agora vocë me pegou. No post anterior pude entrar no tradutor ( que por sinal é horrorível) e pescar um pouco ali. Mas agora, tá difícil fazer um comentário. A não ser que eu me contente em comparar essas duas aqui com a madames ros e suas sósias.

  • Rosängela Maria 04/02/2013 at 11:08

    Quer dizer que “puxa!” é palavrão disfarçado… http://veja.abril.com.br/blog/sobre-palavras/consultorio/caramba-puxa-e-outros-eufemismos/

    Por favor, leiam “Oh!” no lugar do palavrão. Obrigada!

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial