O primeiro de uma série para ‘O filho eterno’?

23/09/2008

O prêmio Jabuti de melhor romance foi anunciado agora há pouco para “O filho eterno”, de Cristovão Tezza, que sempre foi tratado aqui como o grande livro brasileiro do ano passado. A notícia merece comemoração: não é sempre que prêmios acertam assim.

É meio chato lembrar isso, mas há menos de três semanas fiz um exercício besta aqui no blog, constatando que apenas três romances lançados no Brasil em 2007 eram finalistas tanto do idoso Jabuti quanto do jovem Portugal Telecom: além do de Tezza, favoritíssimo, eram eles “O sol se põe em São Paulo”, de Bernardo Carvalho, e “Antonio”, de Beatriz Bracher. Uma magra faixa de interseção em meio a tiros para todos os lados.

E não é que o galardão quelônio escalou os três títulos no pódio, nessa ordem e tudo?

O que isso prova? Talvez nada. Mas torço para que reflita uma revalorização da convergência crítica, da busca de um solo comum de referências em que o debate literário possa voltar a rolar direito. Nada a ver com consensos autoritários, mas, depois de tantos anos de w.o. acadêmico e pulverização blogueira, um idioma comum tem nos feito falta.

12 Comments

  • Felipe 23/09/2008 at 17:29

    Muito bom mesmo. E meu palpite é de que o Portugal Telecom vai para o Tezza também. Tomara.

  • Felipe 23/09/2008 at 17:31

    E o prêmio in memoriam para Marco Antonio de Carvalho, autor de Rubem Braga: um cigano fazendeiro do ar, é mais que merecido também.

  • Tibor Moricz 23/09/2008 at 18:46

    hmmm… sei não… mas acho que preferia o anterior.

  • fran 23/09/2008 at 20:09

    concordo plenamente contigo. não só o merecimento do filho eterno, principalmente pelo idioma em comum

  • Pedro Curiango 23/09/2008 at 22:04

    Sérgio: parabéns pela mudança. Os anos passam e uma nova cara sempre é melhor.

  • Drex Alvarez 23/09/2008 at 22:18

    Sérgio,

    Desculpe pelo off-the-topic, mas vc leu o artigo do Nelson Ascher sobre Machado de Assis na Veja desta semana?

    Achei muito interessante, e até mesmo nova, a perspectiva que ele levanta sobre a influência que teve o Machado na nossa produção literária. Para começar, ele acha que foi uma má influência. Acho uma boa bola pra levantar a discussão por aqui…

    Um abraço e parabéns pela nova pintura da casa,

  • Roland(filho de Iara larsen) 23/09/2008 at 22:57

    Excelente tomara que continue assim, parabéns mais uma vez

  • Andre Araujo 24/09/2008 at 09:23

    Reitero meus parabéns para o Tezza pela conquista do Jabuti. Porém, acho que o Portugal Telecom tem outro favorito, que é o Lobo Antunes. Estou sendo precipitado, ou é isso mesmo?

  • dayse 24/09/2008 at 09:54

    Linkei esta mate´ria pois o título dizia – Porque Cristóvão Tezza ganhou o prêmio Jabuti. Fiquei curiosa, pois sou paranaense sintonizada com a cultura. Porém ao ler o texto fiquei decepcionada, pois percebi que o texto não falava que que se propunha na chamada. Também percebi que o autor escreveu o texto de uma forma truncada e e de difícil compreeensão para mim que tenho bom nível cultural, que dirá para as pessoas que estão começandop a se interessa por literatua? ( textos como este distanciam o interesse das pessoas comuns por literatura). E o que é pior de tudo, paa mim ficou a impressão que o autor fala dele mesmo – enaltecendo a si mesmo.
    Que lástima….

  • Silvio... Silva 25/09/2008 at 10:35

    bobagem minha, mas achava ótimo o “jornalista e escritor, não necessariamente nessa ordem” no perfil.

  • diógenes o cínico 25/09/2008 at 10:54

    depois do incrível professor doutor “não-sou-lulista”, agora a phantástica paranaense “sou-do-high-society-cultural”

    porque bufões involuntários da inteligentsia e calças jeans nunca saem de moda

  • Wilhelm Worn 25/09/2008 at 15:04

    Para azedar um pouco a festa, tenho uma pergunta: o que restaria deste livro sem a informação implícita de que o autor, com o narrador, tem de fato um filho com síndrome de Down? Minha opinião (não peço que concordem com ela) é que restaria muito pouco. O livro depende dessa âncora na biografia. Não se sustenta de pé sozinho.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial