O romance morreu, viva o romance!

27/12/2009

O ensaio político “Anatomia de um instante”, de Javier Cercas, sobre o fracassado golpe de Estado de 1981 na Espanha, foi eleito por um time de críticos reunido pelo caderno “Babelia” o livro do ano no país – ou mais até do que isso, “uma das obras capitais da literatura de língua castelhana de nossa época”, segundo Alberto Manguel.

Cercas, conhecido do leitor brasileiro por dois excelentes romances baseados em histórias políticas reais, “Soldados de Salamina” e “A velocidade da luz” (já citados neste blog, aqui e aqui), inverte desta vez – pelo que pude entender, sem ter lido o livro – o peso da balança para o lado da não-ficção.

Estaríamos diante de mais um sintoma da tão alardeada crise do romance? Ou, ao contrário, de mais um sinal de que sua renovação se dá hoje no mundo inteiro – com o Brasil meio atrasado, como costuma ocorrer – no incontrolável contrabando que rola na fronteira entre os gêneros?

55 Comments

  • cely 27/12/2009 at 14:33

    É bem verdade que todos os gêneros tem seus aficcionados mas é verdade também que muitos leitores,preferem construir ,com a ajuda do escritor,uma outra realidade….Mais suportável e mais agradável que a que está aí.Isto não significa e nem justifica a alienação!Ficção ajuda a sonhar e Deus sabe como o Brasileiro precisa de sonhos para viver….Se a crise demorar mais um pouquinho pra chegar aqui eu não vou achar ruim.Mesmo porque já não tenho mais cabeça pra reviver e sair ilesa dos Holocaustos ……

  • Mara Rosa 27/12/2009 at 16:33

    O romance mudou de cara. Saiu das páginas dos livros pra via online. A internet tirou nosso tempo de ler e viajar nas páginas da imaginação para viajarmos nas janelas do msn. lembro do tempo que nao existia pc e eu passava horas da noite devorando os romances de sidney Sheldon. Hj passo horas tc com pessoas do Brasil inteiro.

    • wander 27/12/2009 at 21:28

      É, você lia bons romances mesmo!!!!! Mas pensando bem, continua nos EME-ESSE-ENES da vida. Vou aproveitar a indicação: Sidney Sheldon !!!!

  • Josino Bentes Monteiro 27/12/2009 at 17:21

    O Rmance nunca esteve em crise
    O que esta em crise é a Obediencia eo Respeito estes pede socorro para o bom relacionamento ser melhor

  • Josino Bentes Monteiro 27/12/2009 at 17:24

    Tudo que se puder fazer em prol a Obediencia a ao Respeito vamos fazer

    A Obediencia e o Respeito e a Determinação são ferramentas para uma vida Boa

  • Tibor Moricz 27/12/2009 at 18:22

    Eu achu qui o rumance nunca vai murrer. Adoru o rumance cu a jussara, eita mulé cheia de gostosura.

    • marcia 28/12/2009 at 09:29

      mas é o fim do mundo mesmo…

  • Tibor Moricz 27/12/2009 at 18:29

    Num posso isquecer da Rita de Cassia. Tem uns peitchos de enxer as mão.

    • marcia 28/12/2009 at 09:29

      socorro!!!!!

    • marcia 28/12/2009 at 09:31

      socorro!!!

    • marcia 28/12/2009 at 09:36

      e a cabeça cheia de vento :???????

    • marcia 28/12/2009 at 09:41

      e a cabeça cheia de….

  • cely 27/12/2009 at 18:43

    Sérgio,voce lê os comentários?????
    Se a resposta for positiva, dá pra entender a calvície precoce!!!!!

  • cely 27/12/2009 at 18:44

    Em tempo: precoce e charmosa!
    Viu que paquera descarada?

  • Rosemar 27/12/2009 at 19:05

    É primordial que o romance seja eterno, pois sem ele, como ficariam as relações homem/mulher? E pelo visto, a maioria dos usuários da internet está banalizando quando o assunto é conquista. Os homens não respeitam as mulheres como deveriam…nos veem sempre como objetos descartáveis…isso é muito triste. QUEREMOS ROMANTISMO, RESPEITO E AMOR, APESAR DA MODERNIDADE.

  • Isabel Pinheiro 27/12/2009 at 19:07

    Eu já ia dizer que o vencedor do Booker este ano foi um romance histórico, será que é tendência, etc., mas aí me toquei de que a escolha do Babelia foi mais “radical”, nem ficção é. Mas o romance não morre, não, Sérgio. :-)

  • Tibor Moricz 27/12/2009 at 19:22

    Vichi, a Rosemar arretou-se. Ti trato como fror, mulé. Si tu tiveres peitcho grande e bunda macia, pra mim tá tudo bão. Te faço sentir a mais boa mulé do mundo. Coisa pra lá di boa esse tar de romance.

    • marcia 28/12/2009 at 09:32

      melhorou….

    • marcia 28/12/2009 at 09:37

      não acredito…..

  • Ana Luísa 27/12/2009 at 21:22

    Olha, sei que vão me marretar mas a saga Crepúsculo vendeu mais de 90 milhões de cópias no mundo inteiro.
    As pessoas blogadas, internetizdas, twitizadas anseiam por um bom e velho romance, no melhor estilo Romeu e Julieta, do amor impossível , rasgado, visceral…
    Estamos carentes de expermentar sensações que não sejam instantâneas, mesmo que venham na forma de fábulas míticas. O romance ( espero) nunca vai morrer.

  • Rosângela 27/12/2009 at 22:02

    O Romance que mais aguardo é o romance da Igreja com Jesus. Um romance verdadeiro e não apóstata. Um romance cheio de fidelidade, verdade, humildade, onde Jesus o Único Deus Todo Poderoso é o Lindo e Fiel Amado.

    Bem, aproveitemos também para ler o livro: Garoto encontra garota. Estou sem o nome do autor, mas prometo trazer.

    • Trajano Chacon 27/12/2009 at 23:38

      Voltei só pra retificar o e-mail que saiu errado.

  • Trajano Chacon 27/12/2009 at 23:35

    Na verdade tudo está no fim: o romance, o livro, o romantismo, o bom caratismo, a mulher fiel e o amor. Tô com vontade de me jogar da primeira ponte em que eu passar. Nada tem mais jeito, tô muito desiludido!

    • marcia 28/12/2009 at 09:35

      não faça isso…..vc ainda encontra tudo isso que precisa !!!!

    • marcia 28/12/2009 at 09:39

      não faça isso!!!continue com ilusões é muio bom e o realpode acontecer qdo vc menos esperar….

  • Tibor Moricz 27/12/2009 at 23:54

    Estamos vivendo a crise do leitor que não sabe o que é um romance. Vão ler Sabrina, vão…

  • vivi 28/12/2009 at 00:08

    Viva o Romance!!!! EU ACREDITO, EU ACREDITO.

  • Trajano Chacon 28/12/2009 at 09:13

    Ô Sérgio, pra você saber que eu sei o que é um romance:
    a) Acabei de ler Veredicto em Canudos o qual achei excelente;
    b) Comecei a ler um romance regional do escritor Luiz Berto chamado “O Romance da Besta Fubana”;
    c) Quando este terminar, já está na fila “Os dedetives selvagens” daquele chileno quem zomba da masculinidade dos poetas.

    Abraços

  • Trajano Chacon 28/12/2009 at 09:15

    No comentário acima onde se lê “quem zomba”, leia-se “que zomba”.

  • Rosângela 28/12/2009 at 10:26

    Estmaos vivendo momentos de grandes romances, gente. Tem um livro fresquinho: “Esposa quer amor, marido quer respeito”. Lindo! E tem muita “mulherada” e “homarada” lendo, gostando, se confrontando e re-encontrando o tal romance perdido.

    E náo venham me dizer que isso é cafona. Cafona é sofrer amarguras de falta de amor e falta de respeito.

    Os cafonas ficarão por aí… achando tudo cafona… e os amantes respeitosos usufruirão dos arroubos verdadeiros, cheios de paz que para muitos é cafonice (usufruir desta verdade,) onde chagam a dizer: Palhaçada esta bobagem de respeito e amor…

    E tome traição e falta de respeito, e infidelidade… e

    Terapias… para suportar o insuportável.

    Viva o Romance com final feliz! Vivaaaaaaa Uau!

  • Rosângela 28/12/2009 at 10:35

    Estamos vivendo o momento da “não ficção”, sim. É Tempo das verdades fotocontadas… romanceadas, etc… cheios de verdade e finais felizes, sim. A procura está grande. E náo está computado nos best-sellers da midia, mas na literatura não oficial. Aquela que caminha à margem e cresce, pelos recônditos …

    Rick Joyner é um deles.. EXCELENTE.

  • Rosângela 28/12/2009 at 10:38

    No momento estou lendo “A espada e a tocha”. Lindoooooooo! Forte. Verdadeiro! e termina no meio…
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    …pois a história ainda náo acabou…

    A felicidade verdadeira não é relativa…

  • Rosângela 28/12/2009 at 10:41

    Nem sempre o que a midia conta é o que está verdadeiramente sendo vivido.

    O mundo se alimenta de más noticias:
    -inventadas
    -provocadas

    Mas as boas notícias são escondidas. E que bom que sejam mesmo… até que a luz manifeste e mostre a Verdade.

  • julio 28/12/2009 at 10:55

    romance esta em crise, esta crise comecou ha muito, o romance e crise, meu teclado nao acentua, o humano atingia graus de cultura muito alto, trocou por informacao, romance tem ser no twitter, porem continua na mesma lama moral que nos conta os textos antigos, tenho uma compreensao dos que ficarao num mundo com muita informacao de e pouca compreensao de nada. Ah, sim, temos os academicos, Heraclito que salve!!!

  • Mauricio Duarte 28/12/2009 at 11:12

    Heráclito não salva ninguém.
    Apele para Stendhal em O Vermelho e o Negro.
    Não é o Mengo não.
    (risos)

  • Paulo ILmar Kasmirski 28/12/2009 at 11:18

    Tudo ta começando a ficar como se todos os lugares fossem um só ao mesmo tempo, céu paraíso inferno terra mar ar

    Assim como romance nunca entrara em crise, ele sai da crise imaginada inexistente para existente

    Como se fosse um romance só, pela química que ta mudando tudo, ainda deixando uma pendência só tirando o capital o resto esta entrando num patamar que nunca devia deixar de estar

    O inconformismo presente só ira sair das nossas mentes qualificando os nossos descendentes, tirando a penúltima pendência que era para poucos, vai ser para todos nos a educação que forma a gente tirando, a nossa doce ignorância

    O clima ta mudando na natureza, e na natureza humana, acabou a era dos poucos agora e a era dos poucos somados as dos muitos virando tudo de todos

    No romance onde a ciência esta provando que a capacidade que qualquer um e a mesma em todos os lugares que existe vida, ate um animal tem a capacidade tanto quanto um de nos

  • Durval Augusto Jr. 28/12/2009 at 11:25

    Sou romancista e acho que a arte é (e sempre será) um instrumento de recriação da realidade. Notem bem: eu disse “recriação” e não “reprodução”. E o ser humano só poderá ser assim considerado, ou seja, um ser diferenciado dos outros animais, enquanto continuar vivenciando esse fenômeno de recriação da realidade, seja como autor, seja como espectador/leitor.

  • nsvilarinho 28/12/2009 at 11:31

    Nasci romântico e vivi numa época romântica, anos 60, 70…. Sempre gostei de músicas hoje canalhamente chamadas de brega, por alguns idiotas, (talvez nunca amaram, nunca foram amados, ou conviveram com pessoas amargas, que não vivenciaram sentimentos românticos. Não existem mais aqueles namoros “fieis”. Hoje não se sabe em que cama a mulher está e isso a coloca muito “em baixo”, usada. Aí ela parte pra nova relação. Amor nunca mais vi. Tenho pena, porque, depois de “pesquisar” bastante, graças a Deus encontrei minha alma gêmea. E ela é diferente do que se apresenta por aí. Digo que não existe mais mulher igual a ela, bonita, responsável, alheia a valores materiais, exceto os puramente necessários. Assim levamos nossa vida, apaixonadamente. Mas chegar a esse ponto não foi fácil. Há 34 anos enfrentamos barreiras. Vencemos todas com simplicidade e muuuuuuuiiiiiiittttttoooooo AMOR.

  • Fernanda 28/12/2009 at 11:42

    Sérgio, o romance não morreu nem vai morrer. Só vai continuar a se transformar, como sempre ocorreu com todos os gêneros literários.
    O que acontece é que o romance agora, apesar de ser ficção, tende a se mostrar como não-ficção, vivendo no que parece ser a fronteira entre o “imaginado” e o “real” (assim como o ensaio, apesar da aparência de objetividade e “realidade” que engana os desavisados).

  • Rosângela 28/12/2009 at 14:40

    Se o romance é retrato da vida e da época, que os “romanceiros” se preparem, pois está em alta os casos de Amor de Verdade.

  • cely 28/12/2009 at 15:19

    Socorro Sérgio,cadê o post de hoje !Muda o assunto por favor!Olha eu estou até aceitando que voce comente Nabokov…Qualquer coisa é é melhor que esta série de comentários insanos.

  • Tibor Moricz 28/12/2009 at 17:00

    Tô de acordo cu a Cely. Muinta gente burra aqui.

  • zanza 28/12/2009 at 19:27

    Que falta de interdisciplinidade!!!

    Uma amiga me confidenciou que esteve na UENF, um cara legal que ao falar muitas coisas, saiu-se com esta:

    Para trabalharmos com interdisciplinaridade, tem que se ter muita humildade.

  • zanza 28/12/2009 at 19:28

    Vamos questionar as idéias, mas vamos preservar a dignidade dos comentaristas. Ou não?

  • Rafael 28/12/2009 at 22:35

    Um biólogo que, pelo microscópio, observa criaturas primitivas, como bactérias, protozoários e amebas. Assim me sinto, lendo esta caixa de comentários.
    A todos desejo um feliz 2010, pois, depois do que aqui li, quero esquecer 2009

  • João Sebastião Bastos 28/12/2009 at 23:04

    Prezado Sérgio : que romance está morrendo ?

  • Tibor Moricz 28/12/2009 at 23:39

    Ninguém mais abre as portas do carro para as mulheres, nem as presenteia com flores, nem se encabula ao tocá-las a primeira vez nas mãos… o romance está mesmo morto.

    • Rafael 29/12/2009 at 08:24

      Engana-se, Tibor, enquanto o Roberto Carlos estiver vivo, o romance viverá!

  • cely 29/12/2009 at 10:10

    Rafael e Tibor,depois que interdisciplina virou bom comportamento ou bom relacionamento, que seja,só 2010 poderá nos salvar ou o Chapolin,quem sabe…..

  • Rosângela 29/12/2009 at 11:03

    Quando me referi a “Interdisciplinaridade/UENF/Blogueiros/ Comentaristas”, o fiz porque podemos ver que quanto mais alto o nivel de academicismo, menos tolerância. Os acadêmicos deveriam ser humildes, como deveriam ser os comentaristas intelectuais. Está sendo quase que desmascarada a soberba intelectual que ao mesmo tempo que endeusa a cultura simples hostiliza os que nela adentram.

    Se não se fala a mesma língua, vem logo uma hostilidade…
    Por isso me referi a Interdisciplinaridade e humildade.

    Na interdisciplinaridade, todos os conhecimentos estarão na berlinda.

    Trocando em miúdos:

    Blogs de Acadêmicos geralmente são hostis. Seja de que linha for… Uma coisa é crítica até ácida, outra coisa são ofensas… e isso não fica bem em pessoas de alto nivel de intelectualidade.

    Lembrei do que minha amiga falou sobre a UENF, e trouxe como exemplo…
    Se mesmo assim, nada tem a ver, perdoem minha ignorância. E minha falta de capacidade de me fazer explicar sem querer ofender.

  • Rafael 29/12/2009 at 12:11

    Mil vezes açoitado em praça pública que ser humilde. A humildade é o esconderijo dos tolos. De resto, que graça ser mais inteligente se não puder usar a inteligência para humilhar os outros. Como vê, discurso politicamente correto não funciona comigo.

  • cely 29/12/2009 at 12:20

    “Nunca na história deste blog tantos deveram tanta enxaqueca a tão poucos…”

  • Rosângela 29/12/2009 at 14:17

    Ai Meu Deus, quero ser canal de acabar com as enxaquecas de todos. Creiam. É verdade, Cely.

  • Tibor Moricz 29/12/2009 at 16:01

    Jesus Salva. Peçam e suas enxaquecas serão curadas.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial