Pamuk ganha o Nobel

12/10/2006

O prêmio Nobel de literatura para o romancista turco Orhan Pamuk só é surpreendente porque não foi surpresa alguma. Pamuk, de 54 anos, era o favorito este ano e vinha aparecendo entre os principais candidatos há algumas edições do prêmio, mas o Nobel, que gosta de uma surpresa, raramente premia favoritos.

Embora o presidente da Academia Sueca tenha negado o caráter político da premiação (leia a notícia do “New York Times”, em inglês, mediante cadastro), é difícil desvinculá-la da recente controvérsia que cercou o nome de Pamuk, submetido a um processo (já encerrado) na Turquia por crime de opinião, após afirmar em entrevista que o país massacrou 1 milhão de armênios na Primeira Guerra Mundial – veja nota da época no Todoprosa aqui.

Pamuk devolve o prêmio, digamos assim, a um país majoritariamente muçulmano, depois que o egípcio Naguib Mahfouz morreu em agosto deste ano. Como a de Mahfouz, pode-se ver sua literatura como uma rica fusão cultural entre Ocidente e Oriente.

O autor turco é conhecido dos leitores brasileiros. Esteve no país ano passado, como convidado da Festa Literária Internacional de Parati, e tem seu romance “Neve” chegando às livrarias nos próximos dias – sim, a Companhia das Letras também o considerava favorito. A mesma editora lançou em 2004 “Meu nome é Vermelho”. Seu primeiro livro de projeção internacional, “O castelo branco”, saiu aqui pela Record em 1993.

10 Comments

  • Ian McEwan 12/10/2006 at 12:52

    É justo.

  • Saint-Clair 12/10/2006 at 14:05

    Nunca li – agora, vai ficar ainda mais difícil. Os livros dele vão ficar caríssimos.

  • josé paulo kupfer 12/10/2006 at 14:27

    Sergio,

    Ia indicar o “abre” de “Meu Nome é Vermelho” para seus “Começos inesquecíveis”. Mas agora perdeu a graça. Continua valendo a indicação do começo de “O Sorriso Etrusco”, de Jose Luis Sampedro.
    Não sei se Pamuk vale um Nobel, mas o livro é bem bom.

  • Clarice 12/10/2006 at 16:12

    Saint-Clair,
    Onde vc mora? Sou do Rio. Se vc quiser a gente compra em conjunto. Sério. Se alguém mais quiser…
    Não é político?
    Já ofereceram Nobel até para presidiário em vésperas de execução.
    Atualmente a boa-fé é algo raro.
    Ningúém nem nada dá ponto sem nó. Nada é ao acaso.

  • Clarice 12/10/2006 at 16:14

    Ao menos é por uma boa causa.

  • SPARKSjrs 12/10/2006 at 19:07

    Eu acredito que a premiação de Pamuk tenha sido uma decisão política da comissão do Nobel. Suas qualidades literárias podem ser inegáveis, mas a minha aposta é que tanto a imprensa como o público se dedicarão mais a discutir as polêmicas que o escritor suscita. E essas polêmicas são das boas…

  • clelio 13/10/2006 at 16:34

    Ele assinou aquele manifesto imbecil do Tárik Ali?

  • Sérgio Rodrigues 13/10/2006 at 17:53

    Clelio, Pamuk e Tariq Ali estiveram na Flip em anos diferentes.

  • uijevorx gira 19/02/2007 at 05:15

    wotsxgl piejunt pdvex wybxmgl uvhnso eaqtnufzj xtzr

  • sgaiqepkh zvcnykbip 19/02/2007 at 05:15

    maku swfv smwrg fjalz hqcl kebwzhgp qtpsu http://www.yitrhcov.xuoylri.com

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial