Pop de sexta: a morte de Diadorim

27/04/2012

httpv://www.youtube.com/watch?v=CWmoYRqVNLk

A narração de Mário Lago e a direção de Walter Avancini fazem desse pequeno clipe – concebido como uma daquelas recapitulações sumárias dos folhetins televisivos, destinadas a situar o espectador na trama antes que comece um novo episódio – uma espécie bastante inspirada de resumo e, claro, também um spoiler de “Grande sertão: veredas”.

Vi na época, em 1985, a minissérie da TV Globo baseada no clássico de Guimarães Rosa. Lembro-me de ficar incomodado com a beleza delicada demais, feminina demais de Bruna Lombardi no papel de Diadorim, que me parecia exigir bem mais ambiguidade, embora aprovasse Toni Ramos como Riobaldo e Tarcísio Meira como um canastroso Hermógenes.

Revendo hoje este trechinho, com sua magia que dura até o surgimento daqueles hediondos créditos globais, até Bruna me pareceu uma escolha iluminada, como iluminada ela surge, nua, no clímax da revelação.

Bom fim de semana a todos.

4 Comments

  • mdv 28/04/2012 at 01:31

    Créditos globais que informam, entre outras coias, que a trilha é de Julio Medaglia não podem ser hediondos. E Mario Lago era beeem melhor que aquela vozinha fajuta de mineiro “sertanejo”.

    • sergiorodrigues 28/04/2012 at 11:29

      Acho que ficou claro que hedionda é a forma hans-donneriana dos créditos, não o conteúdo.

  • Pedro David 30/04/2012 at 15:11

    Eu vi esse trecho há algum tempo e lembro de achar não só interessante como fundamental a solução de narrar a história em terceira pessoa, com o Cumpade Quelemém. Agora, tenho dúvidas. Há razões para isso, ou é apenas uma das tantas banalizações que a televisão promove a troco de um suposto e por vezes mentiroso conhecimento das dinâmicas cognitivas dos pobres ?

  • Humberto 30/04/2012 at 16:32

    Também vi a série em 85 e a revi há pouco tempo em DVD. Na época, também me incomodava a beleza de Bruna, mas agora, revendo a série, não me incomoda mais, acho-a bem ajustada na personagem. Acredito que na época, havia um preconceito muito forte contra ela (bonita e ex-modelo, pecados mortais para uma atriz de tv)e éramos influenciados por isso. Hoje, distanciados daquele contexto, podemos apreciar melhor o seu trabalho.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial