Quando a literatura abraçou o mercado

06/08/2006

A editora inglesa Penguin está comemorando os 60 anos da coleção Penguin Classics. A festa é justificada: a empresa criada por Allen Lane em 1935 fez tanto sucesso com sua estratégia editorial revolucionária que se tornou a maior responsável por trazer a literatura – um tanto tardiamente – para a era da comunicação de massa.

A idéia de publicar conteúdo de qualidade em brochuras industrialmente baratas – suporte reservado até então à subliteratura e a reedições sem cuidado de textos caídos em domínio público – estreou no mercado em 1935. Trazia textos de autores (então) contemporâneos, como Agatha Christie e Ernest Hemingway.

Só na década seguinte os clássicos entraram na dança, e o público, para surpresa de muita gente, continuou comparecendo. “O amante de Lady Chatterley”, de D.H. Lawrence, lançado em 1960, chegou a vender o número até então inconcebível de 3,5 milhões de exemplares.

Para comemorar a data, a Penguin preparou uma lista dos cem melhores títulos da história da coleção – leia a reportagem do “Times”, em inglês, aqui.

10 Comments

  • Raquel 06/08/2006 at 10:33

    Sérgio,
    a Penguin é uma delícia.
    Já pensou se tivéssemos uma similar em português, ou uma espécie de “filial brasileira” e ler clássicos com quase 500 páginas, novo em folha (note-se as letras pequenas e entrelinha mínima) por seis reais? como eu comprei na última bienal(a única coisa que valeu, que lugar medonho). A edição é barata, papel jornal, folhas soltas coladas, mas bem coladas e suportam o manuseio por muito tempo.
    Os ingleses devem se orgulhar da Penguin, mesmo hoje pertencendo a um grupo internacional, que manteve o nome pela força e o significado do pequeno pingüim.
    Para mim a Penguin é uma prova de civilização.
    Bom domingo, Raquel

  • Martina 06/08/2006 at 14:11

    E aqui, quando tentam fazer alguma coisa parecida, pra sair barato, nos dão os horrorosos livros da Martin Claret, que poderiam entrar para uma outra lista: as capas mais feias da história.

  • Leticia Braun 06/08/2006 at 14:24

    É, Martina, aqui no BR se confunde pop com baixo custo de produção. É uma pena! Isso vale tanto pra Martin Claret quando para aqueles clássicos brasileiros que volta e meia saem atrelados a jornais.

  • santinha 06/08/2006 at 16:08

    Sérgio, conseguí entrar em contato com os Clássicos, através da Nova Cultural Ltda. Quando lançou as Obras-Primas, fiquei encantada. Livros magistralmente confeccionados ( papel de primeira, capas duras e artísticamente ornadas em ouro). Lançados, semanalmente, em banca de jornal.Eu nem acreditei; Cervantes, Victor Hugo, Dante, Dostoiéviski, Chordelos de Laclos, Raul Pompéia, Machado de Assis, Eça de Queirós e por aí vai….foram quarenta livros. Apesar do preço módico, não pude comprar alguns. Com todo seu prestígio, vc. poderia pedir para relançarem a coleção, uma fantástica coleção. Ainda brindava os leitores com fascículos falando da vida e obra de seus autores. Maravilha! Pena que fiquei sem alguns.

  • santinha 06/08/2006 at 16:21

    Ainda sobre a Coleção Obras – Primas, palavras do patrocinador:
    O prazer de ler é resultado de estímulos constantes, que aos poucos se torna uma questão de gosto, de escolha pessoal, de atitude.
    Para chegar a essa escolha é necessário ter acesso ao livro(…)Incentivar o hábito de leitura é traçar um futuro diferente e melhor para todos e cada um de nós.
    ” (…) É um orgulho patrocinar esta obra e torná-la acessível a um número cada vez maior de leitores brasileiros.(…)”
    Murilo Passos- Diretor-Superintendente
    SUZANO
    Uma empresa que assume seu papel.
    Parabéns para a Suzano e a Editora Nova Cultural Ltda.

  • fat james 06/08/2006 at 16:27

    Se não estou enganado, o Amante de Lady Chatterley vendeu muito porque a publicação estava proibida na Inglaterra até essa data.

  • Paulo Osrevni 07/08/2006 at 13:06

    Eu diria que é a melhor editora do mundo… talvez esteja exagerando, mas se tivéssemos algo parecido por aqui estaríamos muito bem. Tem a L&PM pocket, vá lá…

  • Leticia Braun 07/08/2006 at 15:11

    A L&PM tem umas coisas bem bacaninhas, mas é como a Raquel falou: você quer ler até o fim da linha e, ó, crec! Lá se foi a encadernação.

  • Tenha muito medo 09/08/2006 at 15:06

    A coleção de 70 anos da Penguin é maravilhosa. E eu morro de medo das capas da Martin Claret.

  • Stella Machado 12/08/2006 at 20:00

    Amo a Penguin. Pena que a nossa concepção da apresentação de um livro seja tão diferente da britânica. Ouvi de um livreiro que os leitores brasileiros não gostam de papel-jornal e dão preferencia aos livros branquinhos, com capa mais firme e orelhas, mesmo que custem mais caro.
    Para mim, desde que seja livro bem feito, o que importa é o conteúdo.
    Ainda temos de adquirir o hábito de ler, e não achar que o livro é supérfluo ou artigo de luxo. No que me toca, os filhos e a neta já estáo bem encaminhados, graças a Deus.
    Uma filha que está no Chile escreveu apenas para dizer que tinha encontrado uma edição comemorativa do quarto centenário do “Don Quijote”, capa dura e preço acessível.
    Isso não deixa qualquer pai ou mãe feliz, desde que gostem de ler?
    Mas dá uma inveja…

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial