Sapato

20/12/2008

Os sapatos que o jornalista iraquiano Muntazer Al Zaidi atirou em George W. Bush com excelente pontaria – mas não tão boa quanto o reflexo do presidente americano ao se desviar dos petardos – têm tudo para ficar na história como a imagem mais marcante de um melancólico fim de mandato. O peso simbólico da cena já era evidente antes mesmo de sermos informados de que, na cultura árabe, é um insulto humilhante atirar calçados contra alguém. Pouco importa que, na Europa da Idade Média, um costume de origem obscura considerasse o mesmo ato um gesto simpático, equivalente a um voto de boa sorte.

Para os propósitos desta coluna, a elevação de um objeto tão corriqueiro ao estrelato do noticiário político internacional é uma oportunidade única para abordar um aspecto bem diferente da questão: a posição singular ocupada pelo sapato, que é um artefato dos mais – digamos assim – pedestres e rasteiros, mas ao mesmo tempo um dos grandes mistérios etimológicos ocultos em nosso vocabulário cotidiano.

Os etimologistas nunca conseguiram sequer chegar perto de um acordo sobre a origem do termo português sapato, do espanhol zapato, do francês savate, que significa sapato (ou chinelo) velho, e do italiano ciabatta, pantufa, chinelo – todos surgidos entre os séculos 12 e 13. A aposta que sempre concentrou mais fichas, embora não se possa chamá-la de vitoriosa, foi o árabe zabat (segundo Antenor Nascentes) ou sabbat (como prefere Silveira Bueno). Mas o primeiro estudioso enumera outras teses, numa lista que inclui desde o grego diabathron, calçado feminino, até o persa xabat, passando pelo turco chabata e pelo vasconço zapata. (As grafias reproduzidas aqui são as do dicionário de Nascentes.)

O que isso prova? Nada, é claro. A não ser que, muito antes de voar na direção de Bush, o sapato já era uma pedra no sapato dos filólogos.

Publicado na “Revista da Semana”.

13 Comments

  • Alexandre Demidoff 20/12/2008 at 12:35

    Senhor Sérgio
    Não devemos dar idéias. Imagine se a moda pega!
    Há tantas “figurinhas” a merecer sapatadas que não haverá
    couro no mundo para tantos sapatos.
    Todavia, o que chamou a minha atenção no seu texto foi uma
    certa semelhança na forma de pronunciar a palavra “sapato”
    em culturas diversas. Isso me permite pensar em uma origem
    única, que foi se disseminando entre as culturas citadas.
    Aos filólogos preocupados com essa específica questão
    sugiro que a dividam com arqueólogos e historiadores.
    Não percebo quanto importante pode ser esse conhecimento,
    mas estou certo de que no rastro da sua busca, fatos
    históricos relevantes podem ainda aparecer.
    Calorosas saudações
    Alexandre

  • Técnico de som 20/12/2008 at 13:10

    Bush sendo escorraçado à sapatadas como uma barata… O que mais nos reserva o futuro próximo ? O mar vai virar sertão e o sertão vai virar mar ? Tem muita gente dizendo que isso vai acontecer em 2012. Taí um bom assunto para comentar . Fica a sugestão.

  • Thiago Maia 20/12/2008 at 18:05

    Quero me despedir de todos antes das festas, deixando um grande abraço, principalmente aos Acostumados: SR, Isabel, Cezar, Claudio, Saint-clair, Tibor, Fernando Torres, Eric, Tiago A., Outro Paulo, Noga etc.
    Largo também, como minha última tacada de 2008, o desejo de que aquele que se sente bem com o atual regionalismo dos sertões não deixe de ler ou reler a novela Cabo Josino Viloso, de Francisco J. C. Dantas, editora Planeta, 2005. Li de anteontem pra hoje e quis recomendar.

  • Colafina 20/12/2008 at 18:59

    Um gesto que será lembrado por gerações!
    Milhões de mãos, espalhadas pelo mundo, atiraram aqueles sapatos…

  • Lombardi Mancin. 20/12/2008 at 19:29

    O problema não é só o tresloucado do Bush, mas a sociedade que aceitou suas loucuras e continuou apoiando sua psicose até agora.

    A sociedade no geral tem preguiça de pensar e delega à mídia este simples detalhe desde muito antes de Nero passando por Hitler até Bush e só depois que o tempo passa e os genocidas já não existem mais é que a mídia começa a investigar relatar, descobrir e exigir justiça, mas ai já é tarde e a conivente humanidade em sua maioria só pode se lastimar.

    Todos são coniventes, todos somos assassinos juntamente com Bush e seus comparsas porque só pensamos em nossos umbigos porque somos uma manada em estado de sonolência sendo tangida por meia dúzia de pegureiros.

    Se pelo menos o 4º poder estivesse na mão de homens isentos e escrupulosos a vontade da maioria seria respeitada e a justiça seria feita, porém a mídia promete que um dia virá o salvador que fará justiça no dia do juízo final para que a manada continue cabisbaixa e humilde esperando este salvador que queimará com fogo e enxofre todo o injusto e dará um novo céu e uma nova terra aos que forem bonzinhos assonorentados e humildes.

    Tudo está escrito, e o que está escrito o homem não tem coragem de divergir porque foi catequizado assim por isso eles continuam catequizando a humanidade dentro de seus preceitos cada dia mais brutalmente deixando a manada cada dia mais cabisbaixa acenando com um ‘sim’ a cada passo.

    Eles também vão aos templos e às igrejas e praticam todos os ritos para servirem de exemplo e se certificarem de que a manada caminha na vereda traçada, por isso cada dia mais surgem novos templos e novas comunidades apoiadas e até criadas pelos donos do poder.

    Bom seria se o homem descobrisse a força da união e mesmo ciente de que tudo tem um fim pudesse conviver em paz e harmonia sem viver na ingênua esperança de uma vida eterna ou no medo de que se não for bonzinho poderá sofrer eternamente num lago de fogo e enxofre.

  • Célia 20/12/2008 at 20:55

    Enquanto homens exercem seus podres poderes morrer e matar de fome de raiva e de sede são muitas vezes gestos naturais!!!!!!!!! Precisamos reagir essa é a hora ,quem sabe faz a hora não espera acontecer!!!!!!!!!

  • Joceni da Cunha 20/12/2008 at 22:11

    Bush deixará o cargo certamente muito desgastado por todas as incoerências, internas e externas, do seu governo. Mas num pais que se orgulha tanto de sua democracia, é bom não esquecermos, que em última analise, a grande responsável pelas sandices de Bush, é sem dúvida a sociedade americana, que permitiu e apoiou suas ações.

  • vera ferreira 20/12/2008 at 23:45

    Concordo ipsis liters com Colafina(20:59h) e Joceni Cunha (22:11h). Pena que só atiraram sapatos.

  • anderson_666 21/12/2008 at 00:31

    No momento, estou sem palavras para me expressar. No entanto, posso escrever; o que eu senti quando vi aquele sapato voando em direção do presidente Bush, não foi nada mais e nada memos, do que um desabafo: de muitas pessoas, de muitos choros sufocados, de muitas mortes de pessoas inocentes, de pais, de mães, de filhos. Quantas pessoas no mundo todo, se uniram em pensamentos para que aquele sapato fosse jogado na direção do presidente “Bush”. E a pessoa escolhida foi justamente aquele jornalista; mas a culpa disso tudo não é so do presidente, é também do congresso norte americano, da indústria bélica norte americana e principalmente do povo norte americano. Para nós, foi muito comodo ver a guerra; sabe por que minha gente, porque foi no país dos outros e não no nosso. Para nós, não existiu guerra, mas sim um jogo de “video game”; sabe por que meus amigos, porque a midia sensacionalista mostrou a guerra como um jogo, ou seja, uma brincadeira de bandidos contra mocinhos. Hei alguns de vocês ainda se lembram daqueles filme antigos, em que os indios americanos sempre eram os bandidos, agora não se tem mais indios em guerra. Portanto, meus caros jogadores ainda teremos tempo de jogar mais um pouco, quem saber: 1 ou 2 anos….
    O que eu posso dizer neste momento é
    ” A Humanidade é má, até JESUS chorou”.
    Antes que eu me esqueça, aonde está o jornalista e sua família, não podemos esquecer, que já estamos perto do “NATAL”, e ele como todos nos devermos passar o dia de “NATAL” com a nossa família, ou, o que restou dela….. Não meu caro presidente “Bush”

  • Paulo 21/12/2008 at 00:39

    Acho que nem o reflexo do presidente esta tão bom assim, o rapaz ensaiou uma semana até lança-lo, outra coisa ele notou que iria receber a sapata. O rapaz que lançou o sapato no chuverinho e não ganhou velocidade.Se ele fosse metalurgico com aquelas botas de pico de aço… ai sim, pelo menos a bancada ele derrubava…né.

  • Ser 21/12/2008 at 07:13

    Desculpe , mas acho q vou receber um montao de pedradas, porém, nao posso me furtar de dar meu testemunho. O Bush é um descerebrado ……mas…..eu moro na Europa e aqui estamos sempre em contato com as pessoas dos paises em que estao em guerra, que vem pra cá trabalhar. Pra maioria deles Bin Laden é um heroi…..
    Quer sabe, a humanidade ( me incluo) é um lixo…..

  • Macieira 21/12/2008 at 10:01

    Esse iraquiano merecia uma estátua como herói nacional em praça pública. Não só por atirar os sapatos em um verme como Bush, mas também porque ajudou a alavancar as vendas de sapatos es seus país, espero que o referido repórter seja julgado e solto e que ganhe o título de cidadão mundial, pelo exelente serviçi prestado a humanidade. No Brasil não aconseljo a jogar sapatos em nehum político, seria uma maravilha para a indústria de calçados do país. Seria melhor com armas de fogo, a indústria bélica não ia dar conta de tanta munição, é tanto canalha, safado e ladrão, em especial em Brasília nos tres poderes, que nem a Taurus, Rossi e tantas outras, não iam dar conta na produção de armas.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial