Se ler, beba. Se beber, leia?

12/09/2006

Tudo bem: eu sei que o expediente da “venda casada” tem lógica comercial, mas dêem uma olhada neste link e vejam o que o Submarino anda recomendando a quem quer comprar o clássico “Raízes do Brasil” – apenas um exemplo entre muitos. Sérgio Buarque de Holanda e Johnnie Walker, tudo a ver?

Como diz um amigo meu: “O diabo é que nunca sugeririam um livro a quem fosse comprar uísque”.

21 Comments

  • smoker 12/09/2006 at 11:24

    eu diria que o “raízes do Brasil” combina muito melhor com uma boa pinguinha de alambique.
    mas se esta está distante, em Salinas existem boas marcas, que não farão feio em acompanhar o leitor.

  • smoker 12/09/2006 at 11:24

    Raízes, com maiúscula!

  • smoker 12/09/2006 at 11:29

    ahahaha

    eles sugerem uísque também para acompanhar Gilberto Freyre (Casa Grande & Senzala), e tequila para degustar junto com Caio Prado Jr. (Formação do Brasil Contemporâneo) ou Eric Hobsbawn (A Revolução Francesa).

    no que deram as harmonizações!!!

  • Te 12/09/2006 at 11:39

    Nada mais é do que unir dois prazeres. Para quem bebe, é claro. Nesse caso, podiam sugerir delícias como chocolates e biscoitos. O problema seria que quem lesse muito ficaria enorme de gordo!

  • pérsia 12/09/2006 at 13:47

    risos.

  • Marcelo Soares 12/09/2006 at 16:14

    Todo homem fica cordial depois de uma boa dose.

  • Código é o Cacete 12/09/2006 at 17:41

    Pô, mas sugeriram sim. Até um tempo atrás, quase qualquer compra que você fizesse no Submarino ganhava uma sugestão de venda casada com a droga do Código da Vinci. Alguém lembra?

  • Luis Fragoso 12/09/2006 at 17:59

    Em biografias ou livros sobre o Jãnio, a sugestão de compra casada seria com o quê, com Velho Barreiro?

  • lao 12/09/2006 at 18:38

    Putz..quando eu comprei 10 volumes para a biblioteca essa promoção não existia..
    Mas concordo com o amigo: pinga de alambique é a cara de Raízes do Brasil.
    abrs,

  • träsel 12/09/2006 at 21:21

    o problema de comer chocolate enquanto lê é melecar as páginas do livro.

  • Paulo Osrevni 12/09/2006 at 23:41

    Teve uma edição dos poemas do Robert Burns pela Relume Dumará que vinha com uma garrafinha de uísque, também. Não lembro qual era a marca, mas foi irresistível. Mal deu pra um copo, mas valeu a pena! (Principalmente porque eu comprei com 50% de desconto, então ficou baratim, baratim.)

  • Erwin 13/09/2006 at 08:19

    É uma sugestão sábia: …só bebendo, mesmo.

  • Vinícius Trindade 13/09/2006 at 13:33

    Livro com uísque? Isso podia virar um hábito.

  • Ted Martin 13/09/2006 at 13:39

    Alcoólatras do Brasil, Paulo Coellho é a melhor pedida prá quem tá perdido num deserto de cachaça. Aproveite prá cheirar enquanto tentar ler ou entender.

  • Pedro Curiango 13/09/2006 at 13:46

    Um amigo meu lembra que o autor do livro citado gostava (e muito!) de um bom uísque… Tudo a ver! Há várias anedotas, talvez apócrifgas, sobre o assunto.

  • sonho bom 14/09/2006 at 03:25

    Relacionar livros com bebida ou comida, é impossível, não combina. Já, qdo. no embalo de uma música apaixonada, sentimental, nada melhor e mais combinável.

  • pedro abreu 14/09/2006 at 08:34

    nos temos alguns belos presidios com bons detentos querendo conversar porque um babaca como voce nao vem visita-los.

  • Elisiario Sousa 14/09/2006 at 10:58

    Certos autores nem precisam do álcool. Dão ressaca eles mesmos.

  • Marco A. 14/09/2006 at 15:29

    Me lembrou Tim Maia: “Me deu motivo…”

  • manolo 15/09/2006 at 01:03

    o pior é a sinopse. era bebedeira ou preguiça?

  • Rumando Mallas 17/09/2006 at 23:04

    Falando nisso, tenho uns exemplares (encontrei-os no lixo) do Paulo Coelho. Não vendo. Dou.
    Pressionando o dorso, o leitor terá uma à disposição uma capsula de arsênico.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial