Sérgio Rodrigues: ‘As sementes de Flowerville’

11/11/2006

Momento de autopromoção explícita: o titular deste blog tem um enorme telhado de vidro, inversamente proporcional à cobertura capilar que lhe resta. Autor do livro de contos “O homem que matou o escritor” (Objetiva, 2000) e da coletânea de crônicas “What língua is esta?” (Ediouro, 2005), está lançando na semana que vem seu primeiro romance, “As sementes de Flowerville” (Objetiva, 136 páginas, R$ 28,90). Os leitores do Todoprosa que moram no Rio ou estiverem passando por aqui nesta terça-feira, dia 14, estão convidadíssimos para um aperto de mão e dois dedos de prosa: a noite de autógrafos rola a partir das 19h na Livraria Argumento do Leblon (Rua Dias Ferreira, 417). Abaixo, um trecho do livro, que, instigado por um amigo a definir em duas palavras, resolvi chamar na intimidade de “farsa futurista”. O que é um rótulo tão idiota quanto qualquer outro, mas tem a vantagem de prometer alguma originalidade. Quantas farsas futuristas têm sido lançadas no Brasil?

Adelina começa a sentir contrações no meio da tarde do feriado de Sete de Setembro. Quando chega a noitinha e as dores estão vindo de dois em dois minutos, Sebastião corre com o vigor de seus vinte anos até a casa da parteira, bate palmas. Grita, se desespera, e nada. Uma vizinha aparece na janela com creme cor de abacate na cara e diz que a parteira foi passar o feriado com a filha que mora em outra cidade, só volta no dia seguinte. Sebastião responde, com vontade de chorar, que no dia seguinte é tarde. A mulher faz cara de foda-se e bate a janela.

É nessa hora que decide, o plano surgindo inteiro de uma vez, levar Adelina ao hospital. Se o trânsito ajudar, podem chegar lá em meia hora. A poucos passos da casa da parteira vê o Opala de quatro portas estacionado.

Quase entra com o Opala barraco adentro: freia no último instante, levantando poeira na rua de terra. Adelina está deitada na cama, olhos de louca, empapada de suor. Sebastião pega aquilo tudo no colo – a barriga de Adelina, o suor de Adelina, a respiração de Adelina, além da própria Adelina – e corre até o Opala. Ela geme no banco de trás. Ele arrasta uma nuvem de pó favela abaixo, vai escurecendo depressa, no meio do caminho acha que atropelou um cachorro, parece o Marechal, o velho vira-lata do Zoinho, seu amigo de infância, que pena, e daí.

Vai dar certo.

Não, não vai dar certo.

No asfalto, lembra-se de conferir o mostrador de combustível – na reserva. No chão da reserva. Vão ficar na estrada a qualquer momento. Adelina berra mais alto.

Não é justo, pensa Sebastião.

– Puta que o pariu! – grita. – Tá de sacanagem, maluco!

Adelina zurra, arfa, bale, zune.

– Vai tomar no cu, filho-da-puta!

Está rindo, Sebastião. Insulta Deus e ri, histérico. Que grande filho-da-puta. Pisa mais fundo no acelerador, não porque acredite na possibilidade de vitória contra o Escroto Supremo, mas para apressar a derrota, acabar logo com isso. O que seria, então? Um parto na estrada, noite escura já, só os faróis para jogar sua luz dura sobre a natividade, aquela sangueira toda?

Que fosse. Que ganhasse o puto, o Sacana-Mor, e a ele, Sebastião, só restasse o insulto, mas – o que era aquilo? Uma miragem?

Sente tudo desanuviar e pensa: obrigado, Sacana. Surpreso, também, pois não tinha a mais vaga lembrança daquele estabelecimento comercial que agora via se aproximar, passando o Ferro-Velho Moreirinha: o Auto-Posto Bela Cintra.

Um grandalhão cabeludo estava parado junto à bomba, de camisa social desabotoada até a barriga. Seu peito era forrado por um carpete negro em que um cordão de ouro se destacava como jóia em estojo de veludo. Não tinha cara de frentista.

– Completa, emergência!

Adelina gemia feito uma ambulância. O cara nem se mexeu.

– Não tá vendo? Minha mulher tá tendo um filho!

O sujeito deu um passo à frente e espiou pelo vidro do Opala com seu narigão esburacado. Viu Adelina, viu os olhos dela. Não tinha como não ter visto. Depois deu um passo atrás outra vez e disse:

– Eu quero ver o dinheiro.

Puta azar, Sebastião não estava acreditando. O cara era estranho, parecia cana.

– Tá, então não completa. Mas faz o favor de botar uma gasolina, é uma emergência, eu pago, o meu filho tá nascendo…

– O dinheiro. Mostra o dinheiro que eu boto a gasolina.

– Caralho, bota dez merréis, você acha que eu não tenho dez merréis? O meu filho…

– Eu não acho, não, eu sei! Eu sei que tu não tem nem dois merréis, que dirá dez, seu ladrão safado! – o cara falou grosso e rouco e tirou da cintura um trinta-e-oito, que apontou para Sebastião. – Seu filho não me interessa porque filho de ladrão safado vai ser ladrão safado também. Ou mostra o dinheiro ou some da minha frente, seu macaco de merda.

Sebastião tentou se lembrar se já vira o sujeito, se tinha feito mal a ele alguma vez na vida, fosse por querer, sem querer, qualquer coisa. Mas não conseguiu achar na memória nada que se relacionasse com aquele rosto de nariz escroto, expressão retorcida agora numa careta de nojo e prazer enquanto chutava a sua cara, a sua barriga, e depois, puxando Adelina do carro, a barriga dela também, repetidas vezes, pondo toda a força que tinha em cada pontapé e morrendo de rir.

Isso foi há trinta anos.

28 Comments

  • Mr Writer 11/11/2006 at 00:32

    Parabéns!!!

  • zás 11/11/2006 at 00:33

    INSTIGANTE…Poxa, nem dá pra contar o finalzinho?????

  • Mr. Writer 11/11/2006 at 00:36

    Vou comprar… espero gostar tanto do livro todo quanto do trecho exposto e tanto quanto gosot do blog, só não vou ganhar autográfo.
    Abraços

  • Alexandre Heredia 11/11/2006 at 01:50

    Porrada. Gostei do estilo cru, sem medo de chocar. Tá de parabéns.

    Pena que não estarei no Rio dia 14.

    E você, estará em SP no dia 2/12? Vai ter o lançamento de um livro legal lá, o “Visões de São Paulo” (que este maldito rascunhador compulsivo participa), na Casa das Rosas, a partir das 19hs.

    Se estiver por aqui no dia, apareça!

    Maiores informações: http://www.tarjaeditorial.com.br

    Abraços,
    Alexandre Heredia

  • Simone 11/11/2006 at 03:40

    Comprarei. E ó: tenho algo que pode ser uma farsa futurista: penadosyrebeldes.blogspot.com

  • João Paulo 11/11/2006 at 06:43

    Bem, eu só comprarei. Parabéns pelo lançamento e sucesso!

  • William Oliveira 11/11/2006 at 12:02

    Bom, Sérgio, você tá com um telhado de vidro e tanto. De todo modo, muito embora essa escrita visceral contenha muitos aspectos de facilidade, acredito ser pouco provável que o restante da obra caia nisso. O resto, bom, o resto é intriga de escritores invejosos.

  • Noga Lubicz Sklar 11/11/2006 at 14:44

    se a intenção foi a porrada o texto valeu, me pegou no estômago, Sergio. já tão combalido pela vida real, tadinho. vai ver que com toda a nossa mania de ateismo insultar deus não é lá muito bom negócio. mas pra vc, claro, espero que o sucesso seja o resultado, já que curto vc e o seu blog.

  • Clarice 11/11/2006 at 15:38

    Mais uma leitora interessada. Comprarei e lerei.

  • João Paulo 11/11/2006 at 17:32

    Sérgio: Meu lerei, ficou implícito, certo?

  • thiago 11/11/2006 at 21:20

    Se tiver pra vender já na feirinha da FFLCH eu até compro…

  • Glória, a Celeste 12/11/2006 at 07:29

    vou tentar passar lá, pertinho do lugar onde trabalho… é sempre bom ver a cria voando, né?? 😉

  • Clarice 12/11/2006 at 12:57

    João Paulo,
    Hoje em dia não dá para comprar livro para não ler. Os dois últimos posts estão aí para provar. Deve ter sido a primeira grande contenda.

  • Rafael Rodrigues 12/11/2006 at 13:23

    ô ô ô Mr Writer! pegasse meu antigo pseudônimo? hahaha brincadeira. o livro do Sérgio eu ainda estou no início, mas já gostei, logo de cara.

  • Glória, a Celeste 12/11/2006 at 18:48

    Clarice, não sei se vc foi a muitos lançamentos de livros… mas muitas vezes se vai para prestigiar o autor… não para comprar o livro na hora…. ou até apenas para pegar o autógrafo… heheh

  • Clarice 12/11/2006 at 19:15

    Glória,
    Já fui à lançamento de livro. Conheço o protocolo. De vernissages também.

  • Clarice 12/11/2006 at 19:16

    Tem uns troços esquisitos!
    Vá entender!

  • Clarice 12/11/2006 at 19:21

    Sérgio, vou encapar o teu livro apesar de a capa estar muito bonita. É que mulher não é muito a minha. Podia ter duas versões como o “Memórias de um Cucaracha” do Henfil, que saudade. Uma com barata para os homens outra sem para as mulheres. Uma boca de mulher para homens e… para mulheres. Mulher em geral é um bicho muito chato. Mesquinho. Eu faço rezas todos os dias de manhã para a mulézinha que habita se afastar de mim. Mas vez ou outra ela aparece. Como agora. A toda ação corresponde… :)))))))

  • Saint-Clair Stockler 12/11/2006 at 19:32

    Vou comprar o dia que tiver dinheiro. Gostei do seu livro de contos. Parabéns e sucesso!

  • Trajano Chacon 12/11/2006 at 21:36

    Sérgio, eu gosto muito do que você escreve, mas sou meio carola e aí não me dou bem com essa forma de tratar o Ser Supremo!

  • Alexandre Heredia 12/11/2006 at 23:38

    Caro Trajano:

    o dia que um escritor tiver medo de sacrilégio, um sacrilégio será cometido.

    Independentemente da posição religiosa do autor, você deve ler o personagem, e não confundir tudo numa moral deturpada por muitas surras na sacristia.

    Abra essa mente. Não dói.

    Abraços,
    Alexandre Heredia

  • Carlos Marques 13/11/2006 at 15:35

    Parabéns, Sergio. Graças a este seu blog tão agradável, vou dar meu voto de confiança e buscar seu livro. Há algum lançamento planejado para Sampa?

  • André Laurentino 13/11/2006 at 15:40

    Sérgio,
    Que boa notícia, rapaz. Troco meus canapés com vinho branco pela amostra grátis do Blog. Vou ao Rio hoje, mas volto na manhã do dia D, antes das 19h. Compro o meu em SP mesmo, e leio explicitamente, ô Cuenca. Como internet não tem tom de voz, aqui vai um emoticon de sacanagem 😉

  • joao gomes 13/11/2006 at 15:51

    e entao… sebastiao bateu o carro e foram todos (o proprio a mulher e o casal de gemeos) para Flowerville felizes para sempre????

  • Julia Michaels 13/11/2006 at 18:22

    gostei muito, Sérgio e tenho muita pena de não poder estar no lançamento. te desejo muito sucesso!

  • Sérgio Rodrigues 14/11/2006 at 12:07

    Obrigado Júlia, Dedé, Simone, Alexandre, Glória, Noga e todo mundo que deixou aqui suas mensagens de interesse pelas “Sementes”. A quem é do Rio, lembro que o lançamento é hoje à noite. Espero vocês lá.

    Dedé, meu amigo, acho que o João Paulo da leitura implícita e o Cuenca não são a mesma pessoa.

    Simone, gostei da sua farsa futurista. É bem mais futurista que a minha. Um beijo.

  • PW 14/11/2006 at 15:00

    Boas vindas à farsa futurista, que de farsas passadistas nós já estamos cansados!

  • ADriano 17/11/2006 at 12:31

    Mais um “estilo nu e cru”. Não posso reclamar, pois algum literata-moderninho dirá logo “mas a realidade é isso aí mesmo, não vamos fugir dela…”. Bem, não vou julgar por um trecho (aliás que idéia, não fará a menor diferença eu julgar ou não). Quem venha o livro.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial