Virtual

04/01/2009

O escritor imagina um personagem, também escritor, que à deriva diante de seu tablete de cristal líquido, em algum momento entre 1h15 e 4h30 de uma madrugada insone, descobre-se de repente num blog sem nome onde refulge um texto límpido e profundo como o mar em certos trechos mágicos do litoral, blocos de uma prosa poética que se encrespa, corcoveia, muda de forma enquanto o escritor, fazendo rolar a tela sob a ação de suas pálpebras estateladas, sente lhe subir uma excitação nada menos que sexual por ter desentocado tamanho tesouro, cuja obscuridade naquele endereço longo e cheio de barras só pode ser explicada pelo caos que a internet é, pandemônio capaz de abrigar lado a lado cordilheiras de bobagem e essa estranha jóia em que se fundem o sumo de vinte e cinco séculos e a última novidade petulante, veneno e antídoto, pedra e vento, como se não, de modo algum fosse apenas um sonho infantil o poder de destilar numa combinação de caracteres alfabéticos o ácido que dissolveria a desilusão do escritor, e por trás dela também a do escritor, desilusão com sua arte eunuca, seu talento nauseado, seus colegas oligofrênicos, angústia que explica a insônia desta noite e que, no entanto, continua lá quando ele acorda em seu escritório sob o sol alto, a ponta do nariz pressionando F7 no teclado, e não encontra mais o blog que o seduziu nem consegue recuperar na memória uma só das palavras que leu ou sonhou.

7 Comments

  • Alberto Martinet 04/01/2009 at 09:52

    Olá Sérgio,

    Texto de uma frase só! Merece candidatar-se ao Guinness. Parabéns pelo fôlego.

    Cordialmente

  • Cezar Santos 04/01/2009 at 15:37

    ecos borgeanos….

  • Cacá 04/01/2009 at 17:22

    Entre estupefato e maravilhado eu fiquei diante da descrição e devaneio. Que jóia de texto!
    abraços.

  • Mariana 04/01/2009 at 19:57

    Que coisa linda!

  • Rafael 04/01/2009 at 20:59

    Gosto muito do modo como você trabalha o vocabulário, Sérgio. Bom mesmo, parabéns.

  • Leonardo Pastor 04/01/2009 at 23:27

    A falta de ponto fez muito bem ao texto. Gostei.

  • Sérgio Rodrigues 05/01/2009 at 21:35

    Caros todos, agradeço as palavras bacanas. Gostaria de responder uma por uma, se responder elogio não fosse tão absurdo. Obrigado por ajudarem a alegrar essas meias férias – com laptop, claro – aqui em Santa Catarina. Um brinde com caipirinha e abraços.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial