As lições da senhora Ros, ‘a pior escritora do mundo’

28/06/2014

É possível que a romancista e poeta Amanda McKittrick Ros (foto), uma professora nascida em 1860 na Irlanda do Norte, não tenha sido a pior escritora do mundo. Com certeza foi a escritora ruim que mais sucesso fez justamente pela ruindade de sua literatura. Esbarro em sua história fascinante no ebook Epic fail (Fracasso épico), de Mark O’Connell, que teve um trecho (em inglês) reproduzido há poucos dias na revista eletrônica Slate.

O surrealismo involuntário da prosa absurdamente artificiosa de Ros já foi apontado por sua legião de admiradores-detratores – com hífen porque são as mesmas pessoas, a admiração sendo no caso uma forma de gozação. A novidade do enfoque de O’Connell é lançar a hipótese de que Ros também tenha inventado sem querer o pós-modernismo ou pelo menos um de seus traços mais marcantes, a elevação irônica da ruindade galopante a uma forma de arte.

Não se trata de fenômeno isolado. Ros está para as letras como Ed Wood está para o cinema e Pedro Carolino, autor do hilariante “Novo guia da conversação em portuguez e inglez” (Casa da Palavra), para os estudos linguísticos. Mestre insuperável da purple prose, como os anglófonos chamam o estilo empolado típico da subliteratura, foi estudada e ridicularizada com fascínio e horror pela intelectualidade britânica nas primeiras décadas do século XX, em grupos de leitura como o de C.S. Lewis e J.R.R. Tolkien. Em 1923, ganhou um ensaio sério de Aldous Huxley:

Na senhora Ros nós vemos, como nos romances elisabetanos, o resultado da descoberta da arte por uma mente não sofisticada e sua primeira tentativa consciente de produzir um efeito artístico. É notável como na história de todas as literaturas a simplicidade é uma invenção tardia. As primeiras tentativas de qualquer pessoa de ser conscientemente literária sempre resultam na mais elaborada artificialidade.

É provável, porém, que o autor de “Admirável mundo novo” não tenha feito inteira justiça ao caso único de Amanda McKittrick Ros, autora dos romances Delina Delaney e Irene Iddlesleigh, em que se lê um trecho como este (a tradução, certamente aquém do original, é minha):

Fala! Irene! Esposa! Mulher! Não fiques sentada em silêncio e permitas que o sangue que agora ferve em minhas veias verta por cavidades de paixão irrefreada e goteje para me encharcar com seu matiz carmesim.

O’Connell observa que “uma coisa que fica clara na prosa de Ros é sua aversão a chamar as coisas pelo nome. Olhos são ‘globos de intenso brilho’. Quando seus donos estão infelizes, esses globos ficam ‘plenos de pesar’” (familiar, não?). Em pequenas doses, diz ele, a coisa tem graça, mas seu efeito cumulativo pode ser perigoso: “Os escritos de Ros não são apenas ruins (…): sua ruindade é tão potente que parece minar a própria ideia de literatura, expor o empreendimento inteiro de fazer arte a partir da linguagem como essencial e irremediavelmente fraudulento – ou, pior ainda, tolo”.

E mesmo isso não dá conta do que tornou Ros um personagem ímpar na história da literatura. Para tanto é preciso incluir no retrato sua proverbial ausência de senso de humor e sua certeza, aparentemente nunca abalada, de que era uma romancista genial. Diz O’Connell:

Essa característica é comum a várias encarnações contemporâneas do Fracasso Épico (…): uma recusa a ser dissuadida da crença em sua própria grandeza pelo coro grego de ridículo que foi o pano de fundo permanente de sua carreira. À falta de senso de humor de Ros correspondia uma imunidade quase miraculosa à insegurança – essa praga das carreiras literárias. Pelo menos em parte, isso se devia ao fato de nunca ter lido Defoe, Eliot e Dickens, ou na verdade praticamente qualquer autor além de si mesma. Em 1930, ela escreveu para seu editor Stanley T. Mercer perguntando-lhe quais ele julgava serem suas chances de ganhar o Prêmio Nobel de Literatura. “O que você pensa desse prêmio? Acha que eu deveria fazer uma tentativa?”

Há algo de cativantemente cômico, claro, na ideia de um escritor que deve sua carreira ao fato de ser horroroso, e o pastelão intelectual das várias escaramuças em que Ros se meteu é de primeira qualidade. Mas – e digo isso sem o menor traço de ironia – há também algo de paradoxalmente inspirador na completa (e completamente deslocada) confiança na magnitude de seu próprio talento. Escritores são pessoas famosas pela egolatria, mas também costumam ser atormentados pela insegurança. Foi a suprema autoconfiança de Ros que a levou a produzir uma obra tão sedutoramente ridícula, mas também o que a tornou impermeável à zombaria que provocava. Ela pode ter sido um completo fracasso na tarefa que designou para si mesma, mas havia uma certa grandeza em seu caráter.

Publicado em 30/01/2013.

6 Comments

  • Ros Angela 30/06/2014 at 21:49

    iiiii lá vem outra vez a dona Ros
    ..

    kkkkk Realmente
    ..Que cena!!!!!!

  • LUIZ CARLOS DE ALMEIDA 03/07/2014 at 12:52

    SERGIO, NA REALIDADE É UMA INFORMÇÃO QUE GOSTARIA DE TER: O LIVRO SOBRE A “JULES RIMET” QUE ESTÁ EM E-BOOK NA CIA DAS LETRAS,
    DEPOIS SAIRÁ IMPRESSO?

    • sergiorodrigues 03/07/2014 at 15:17

      Provavelmente sim, mas sem previsão por enquanto, Luiz Carlos.

  • perola celeste 06/07/2014 at 00:19

    Vale um “Que Cena!”?
    O David Luiz agradecer a DEUS em pleno gol? Orar em Campo… ser um menino do bem e da luz, essas coisas de discípulo de JESUS, quase um anjinho…

    Por que não pode, né?

    Que cena!!!

  • Ros 06/07/2014 at 00:21

    Bem que você poderia escrever algo sobre esta questão jogador e seus trejeitos pessoais…

  • Maria 07/07/2014 at 11:01

    Cara vc fala muitas bobagems ,sobre o BRASIL agora sobre futebol pior ainda ,assim como o cinema hoje E para vender pipoca ,o futebol hoje e para vender cuecas e chuteiras douradas mvc acha assim como 99999999999% da mídia brasilaira ,que ‘leitor’ e idiota e vcs jornalistas O máximo ,escritores etc Ainda as melhores cabeças e cérebros NAO ESTAO NAS mídias ,ate no Brasil pais de ignorantes e analfabetos NEM fubol conhecem o BR não e e nuca foi o pais do futebol ,gritar gol nas copas ,isto faz pais do futebol SO no BRASIL e com pessoas como vc que incentivam a IGNORANCIA
    pior ainda e a questão” tratar bem os turistas’ em que planeta vc vive?
    porque os brasileiros são tao ‘ cordiais’ por acaso vc e TRATADO A PONTAPES ,na argentina ou uruguay ou orlando ou ny? vcs não tem vergonha ,mesmo
    as equipes da copa difícil,qual a pior de todas o BR e das piores já vista ,porem se a copa não for fraudada cara a BOLA entra quando ela quer ,essas bobagems que escrevem sobre ‘genios’ da bola ?e ridículo
    gênio ainda devem ser tipo Einstein ou da vinci ou atemaquiavelliou Mozart etc

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial