Está provado: a literatura muda o mundo

20/05/2011

É um lugar-comum dos últimos cento e tantos anos, inclusive ou sobretudo entre escritores, reconhecer que a literatura não tem o poder de transformar a realidade e que sua relevância, se houver, deve ser buscada apenas dentro do círculo simbólico que ela instaura, e só enquanto o instaura. Uma relevância virtual, portanto. O impacto sobre a consciência do leitor individual, e olhe lá, seria o máximo a que uma obra literária tem o direito de aspirar, e mesmo esse impacto estaria restrito ao campo das iluminações efêmeras, raramente capazes de influenciar as ações do tal leitor no mundo.

Papo furado. As provas de que a literatura, como qualquer construção simbólica, interfere na chamada realidade concreta estão por toda parte. O erro é imaginar que esse impacto teria que se dar de forma previsível, programada, como acreditavam por exemplo os (será que ainda existentes?) cultores da ficção politicamente engajada. Os efeitos são sempre imprevisíveis. É possível que Jorge Amado não tenha conquistado um único leitor para a causa stalinista com seus panfletários romances da série “Subterrâneos da liberdade”. Já o impacto de Gabriela e Dona Flor sobre as carreiras de Sônia Braga e Bruno Barreto foi monumental, para não mencionar a fixação de uma imagem – e autoimagem – dos brasileiros como um povo de sexualidade à flor da pele.

Esqueça a linearidade de causa e efeito. Estamos no terreno da teoria do caos. Sob o bombástico título “O homem mais influente da história”, esse ótimo artigo (em inglês) de Stephen Marche para o jornal canadense “National Post” lista uma série de alterações promovidas no mundo pelas obras de William Shakespeare. Minha preferida é a seguinte: no dia 6 de março de 1890, um fabricante de medicamentos de Nova York chamado Eugene Schiefflin soltou 60 estorninhos – o pássaro da foto acima, de origem europeia e parente distante do nosso sabiá-do-campo – no Central Park. A ação era parte de seu plano maluco de introduzir no Novo Mundo todas as espécies de pássaros mencionadas por Shakespeare. Os descendentes daqueles 60 estorninhos são hoje cerca de 200 milhões e a espécie é considerada uma praga.

O modo mais fácil de refutar essa prova do poder da literatura é dizer que Shakespeare é Shakespeare, que ele escreveu num tempo mítico em que se amarrava cachorro com linguiça e que o mundo mudou demais. Claro que mudou, e que entre as mudanças se inclui um rebaixamento do peso relativo da literatura na cesta básica cultural do cidadão letrado. A mudança, porém, é quantitiva – não qualitativa. Para citar um único exemplo extraído já de nossos tempos cínicos, em que linguiças não dão boas coleiras e zombar da literatura é visto por muita gente como um atestado de refinamento intelectual: se J.D. Salinger não tivesse escrito “O apanhador no campo de centeio”, talvez John Lennon e não Paul McCartney estivesse se apresentando no Rio depois de amanhã.

*

É um golaço da Flip a presença de Antonio Candido na conferência de abertura, principalmente num momento em que se avolumam os sinais de crise da crítica acadêmica. Michel Houellebecq e David Remnick são baixas literárias graves e David Byrne, um reforço meramente pop, mas a programação final continua sendo uma das mais interessantes dos últimos anos.

24 Comments

  • Mara Paulina Arruda 20/05/2011 at 12:19

    Texto bacana! Um abraço.

  • Maria 20/05/2011 at 13:04

    ao ler um bom livro ninguem mais será o mesmo… O dificil é selecionar um bom livro diante de tantas obras das mais diversas, e analisando muitas obras que estão surgindo por aí, nada como um bom livro dos autores antigos.

  • Érica 20/05/2011 at 13:04

    Texto incrívell!!!

  • Maria 20/05/2011 at 13:17

    Eu só acho que o procon deveria fiscalizar e obrigar a autores de livros e produtores de filmnes a “mostrarem claramente” o conteúdo do livro ou filme ao comprador, pois há livros e filmes com homossexualismo e na sinopse do filme ou capa do livro não fala. Comprei alguns filmes e três deles era de homossexualismo, um se chama “sedução”, achei que era entre homem e mulher, na capa havia apenas uma mulher e quando eu comecei a assistir era de uma professora que se apaixonou pela aluna, fiquei chocada e parei de assistir. Os outros dois , um casamento de homens e da festa gay e outro também iniciou com um gay. Não somos obrigados a ver o que não queremos, temos o direito de assistir o que gostamos,o que nos dá prazer e alegria. Deveria ser obrigatório a ser exibição da verdadeira história do filme, asim quem gosta e quer ver compra, quem não gosta não precisa passar por este constrangimento.Além de ter que jogar dinheiro fora.
    O mesmo aconteceu com um livro que comecei a ler, a sorte foi que era de uma biblioteca, mesmo assim é desagradável. Esses livros recentes são muito duvidosos.

  • Democritus JR 20/05/2011 at 13:20

    Jorge Amado não é algo que se possa chamar de literatura.

  • maldini 20/05/2011 at 13:23

    q bom!

  • Felipe 20/05/2011 at 14:12

    Muito bom o texto, Sérgio!
    Quanto ao comentário da Maria, minha sugestão é você aproveitar de um elemento fundamental da cultura – e literatura, música, cinema – a informação. Busque por informações – e isso depende, sim, de um esforço seu, vontade – e escolherá melhor as coisas que consumir. Ademais, aproveite suas leituras para replanejar alguns parâmetros seus. Bem vinda ao dia vinte de maio de dois mil e onze, do século XXI. Abraços!

  • Edmilson Lourenço de Oliveira 20/05/2011 at 14:15

    Parabéns!!!

  • Luana 20/05/2011 at 14:20

    Muda mesmo, e, infelizmente para pior. Assim como as novelas (especificamente as da Globo) contribui para formação de uma sociedade adúltera, vivendo e valorizando a traição, prostituição, enfim tudo o que é torpe, contrário aos bons costumes. Tudo o que leva à um se não presente, mas com certeza futuro sofrimento e peridção.Para tudo isso e muito mais grande parte da literatura tem contribuído.

  • Edmilson Lourenço de Oliveira 20/05/2011 at 14:20

    Parabéns pelo texto.

    Essa mentira que estão propagando no país de que ser analfabeto é lindo, e vejam só, poético, muito triste isso, além de, agora, misturarem tudo na escola, a educação nos mostra os caminhos, mas, a escolha é pessoal de cada um, é um estupro que já na base estejam guiando nossas crianças a seguir cores, e ideais de bandeiras duvidosas, e partidos ilusorios, que agora estupram os jovens, para que eles engravidem e saiam parindo o fim como se fosse o começo. Parabéns pelo texto.

  • Henrique 20/05/2011 at 14:23

    Cara, que artigo! Fantástico: um dos melhores que já li. Transcreve sem rodeios aquilo que considero como o grande poder da boa literatura: mudar o mundo. Sempre fico muito revoltado quando ouço alguém menosprezar Machado de Assis (sim, por mais insano que pareça, existe gente que faz isso), por exemplo, alegando que ele é apenas um contador de estórias desprovidas de incidência no mundo.
    Esse é, inclusive, um dos pontos nos quais mais discordo de Thomas Hobbes, já que ele propunha que a literatura é um instrumento menor que a filosofia, enquanto tenho as duas como sendo equivalentes, com a mísera diferença de que a filosofia é conhecimento puro e que a literatura é conhecimento salpicado de emoção.
    Parabéns pelo artigo.

  • Henrique 20/05/2011 at 15:21

    Luana: você está louca? Em um artigo em que Shakespeare e Salinger são citados você fala de novelas, especialmente as da Globo? Por Deus, não!
    Por favor, da próxima vez tente interpretar melhor o texto e atribuir alguma coerência a seus comentários, e espero que deixe mais claro em que medida Aldous Huxley e George Orwell, por exemplo, nos guiam a um futuro mais sombrio.

  • Danilo Maia 20/05/2011 at 16:31

    Tenho pra mim que Luana e Maria são frutos da mente de algum gozador.

  • Felipe Holloway 20/05/2011 at 20:26

    Muda, não há dúvidas.

    Quando meus amigos e eu lemos O Clube da Luta, de Chuck Palahniuk, no ato pensamos em montar uma sessão de “terapia” análoga. E realmente o fizemos: uma vez por semana, nos reuníamos numa sala vazia pra sair no soco. A brincadeira terminou mal: um amigo deslocou o ombro e eu levei um corte feio no nariz.

    Hoje, quando me olho no espelho e vejo a cicatriz, sinto orgulho por ser das poucas pessoas que a literatura (guardadas as proporções entre Palahniuk e a literatura com L maiúsculo) mudou, inclusive, anatomicamente.

    Ah, sem contar que eu ainda sonho em trabalhar na IBM e criar um super-hiper-computador que recombine as letras do alfabeto de modo a conseguir, por interpolação, o registro de todos os livros possíveis (além de eliminar as cacofonias, repetições e aquela bagunça combinatória toda). A Biblioteca de Babel do Borges será, então, uma realidade e ninguém jamais precisará escrever outro texto – quer dizer, os escritores estarão sempre na iminência de serem processados por plágio pela IBM.

    Mas essa mudança vai demorar um pouco…rsrs

  • Cláudio 20/05/2011 at 20:50

    Tanto pode mudar que não foi à toa que escritores e suas obras foram tão perseguidas na Revolução Francesa e pela Inquisição.

  • Joao 21/05/2011 at 02:24

    Acho que é do Mario Quintana: “Livros não mudam as coisas. São as pessoas que o fazem. Livros só mudam as pessoas”.

  • Bento Moraes 21/05/2011 at 22:57

    Literatura: todos devem conhecer! Abraço

  • Adriano 22/05/2011 at 08:15

    Agora é Nóis fumo, nóis pesquemo na Lulalândia.

  • Lucas Pontes 22/05/2011 at 10:17

    Em um mundo no qual a maioria das pessoas se dizem tão modernas é meio paradoxal ainda termos que comprovar os benefícios da Literatura.

  • Ana Graña 02/06/2011 at 05:34

    Bom dia Sérgio. Gosto muito dos seus artigos, mas este artigo é simples e brilhante! Me encantei pela Literatura quando era criança, alguns livros mudaram minha vida. Monteiro Lobato me ensinou a imaginar, Machado de Assis a observar e sentir. Li Dom Casmurro várias vezes, minha interpretação mudava conforme a fase em que eu estava.
    Literatura é arte, alimenta a mente e a alma, basta mudar uma pessoa, esta leva o novo em seu caminho e começa um belo ciclo.

  • sergiorodrigues 02/06/2011 at 18:10

    É isso aí, Ana! Obrigado pela mensagem, bjs.

  • Lucas Frederico 17/12/2011 at 15:23

    Olá. Dificilmente deixo comentários em artigos ou reportagens. Entendo que um texto deve ser respondido com outro. Devido ao espaço, apenas digo que seu artigo poderia ter um desfecho melhor. Chamar Houellebecq de baixa literária é no mínimo tirar todo o crédito de suas opiniões anteriores sobre “literatura”. Bom, quem sabe que é importante sabe, não precisa dizer. Mesmo assim, sua abordagem é interessante.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial