Jorge Amado: aos cem anos, a solidão?

10/08/2012

No centenário de Jorge Amado, comemorado hoje, a digestão do legado do escritor baiano ainda está longe de se completar. De um lado, sua obra de inédita popularidade sofreu uma espécie de canonização, com muito de kitsch como qualquer canonização. Basta ver o Bataclan ridiculamente luxuoso da nova adaptação de “Gabriela” na TV Globo: faz o Moulin Rouge parecer um bordel de província, como se as prostitutas de Ilhéus na época de ouro do cacau não fossem desdentadas, não tivessem pés cascudos, filhas destituídas da Idade Média brasileira que eram, e sim top models fazendo um bico para descolar uns trocados a mais.

O outro lado da moeda é o da negação pura de Jorge Amado, que ainda é a postura dominante nos círculos literários – e não apenas acadêmicos, embora estes tenham exercido forte influência nesse sentido. Atropelado pela novidade dos estudos culturais em que desembocou o pensamento de esquerda no último quarto do século 20, Amado – que na primeira metade de sua carreira foi nosso escritor mais assumidamente político, “se não bispo ao menos monsenhor” do stalinismo, em suas próprias palavras – viu-se escalado no papel de porta-voz do patriarcalismo e do sexismo, como se fosse uma espécie de José Sarney baiano, com Gabriela representando o exato oposto de tudo o que as mulheres livres devem ser.

Parece evidente que uma síntese ainda precisa ser encontrada. Há um soluço, um tropeço, uma descontinuidade pouco compreendida quando o bastão de romancista brasileiro ultrapopular é passado de Jorge Amado, com sua brasilidade à beira do folclore, para Paulo Coelho, cultor de um internacionalismo com sabor artificial de framboesa. Não é à toa que os mais efusivos elogios ao autor de “A morte e a morte de Quincas Berro Dágua” tenham vindo nos últimos anos de colegas estrangeiros, como Mia Couto e Mario Vargas Llosa. Se o também baiano João Ubaldo Ribeiro é provavelmente o último grande nome da linhagem épica de Jorge, o carioca Alberto Mussa é com certeza o único autor da minha geração a trabalhar num registro mais ou menos semelhante de construção – em vez de descontrução, palavra de ordem das últimas décadas – de mitos. Se os leitores nunca o abandonaram, a intelectualidade brasileira tem deixado Jorge Amado em quase completa solidão, ou pior, entregue aos recitadores de sotaque falso da teledramaturgia global.

*

Em 1957, numa nota incluída em seu livro de memórias “Navegação de cabotagem”, Amado escreveu: “A campanha de desestalinização come solta da União Soviética, não vai durar por muito tempo, a memória dos tiranos encontra sempre fanáticos a sustentá-la”. Nunca encontrei outra passagem em que ele chegasse tão perto de renegar o stalinismo, tema sobre o qual – assim como Oscar Niemeyer – costumava preferir o silêncio. Em seguida, conta ter recebido uma carta de Moscou, pedindo-lhe que devolvesse a medalha de ouro do Prêmio Internacional Stálin, que ganhara seis anos antes, substituindo-a pela medalha de ouro do Prêmio Internacional Lênin, que vinha no pacote.

Pois bem: Amado decidiu ficar com a medalha nova, mas não devolveu a antiga. É tentador ver nessa acomodação, nesse apagamento de contradições, o mesmo movimento espiritual que desembocaria no ano seguinte na publicação de “Gabriela, cravo e canela”, marco inicial de uma nova fase em que o eixo da luta de classes característico do realismo socialista dava lugar à exaltação sensualista da mestiçagem e do sincretismo, à moda de Gilberto Freyre.

Foi a partir daí que Jorge Amado inventou todo um país, oferecendo-o como espelho a todo o país – algo que é a vocação maior do romance e que nenhum outro escritor brasileiro conseguiu realizar com tanto sucesso. Nas palavras de Mia Couto, “Jorge Amado não escreveu livros, escreveu um país”. Um país que era verdadeiro e também falso, um pouco de cada coisa, mas essa seria uma longa conversa. De todo modo, gigantesco demais para ser contornado enquanto se assobia para o alto.

*

Em entrevista a Ricardo Setti, o escritor peruano Mario Vargas Llosa pintou um retrato bonachão do Jorge Amado que conheceu: autor consagrado, pai de uma certa pátria, aquele que surgiu após o referido apagamento das contradições: “Ele é, talvez, entre todos os escritores que conheci, um dos que mais vi sempre contente, e de quem não me lembro ter ouvido falar mal de nenhum outro escritor – mas sempre bem, e de todos!” Isso porque Vargas Llosa não lhe perguntou sobre o crítico Otto Maria Carpeaux, com quem Amado viveu uma das maiores inimizades da história da literatura brasileira, culminando numa troca de socos à porta do “Correio da Manhã”, no Rio de Janeiro, em 1959.

O Jorge Amado bonachão e o Jorge Amado pugilista também formam um par dialético à espera de síntese.

4 Comments

  • Luis 10/08/2012 at 16:38

    De Jorge Amado, já li Capitães de Areia e São Jorge dos Ilhéus. Honestamente, nunca entendi a razão de esse autor ter feito tanto nome na literatura. Compreendo que ele fosse bom vendedor de livros, pois escrevia de modo convencional e punha boas doses de sensualidade e de cor regional em seus romances, o que cai bem no gosto popular. Mas, francamente, esses dois livros que li tinham todas as características que uma obra literária mais ambiciosa jamais deveria ter: mensagem óbvia, panfletarismo político, maniqueísmo, via única de interpretação do contexto histórico e das ações dos personagens, didatismo, personagens com psicologia rasa e construída para reforçar a mensagem, metáforas óbvias e até bregas, e por aí vai. Se ele é negado nos círculos literários, ótimo, pois ele merece. E, quanto à política, lembremos que, como conta Leandro Narloch, Jorge Amado escrevia em favor de quem pagasse. Tanto que apoiou o nazismo por escrito!

  • jaime silva 10/08/2012 at 19:52

    Jorge Amado nunca falou sôbre sua cidadezinha, Ferradas, perto de Itabuna. Talvêz tivesse vergonha e preferiu falar de Ilhéus, como todos os grapiunas. – Eu sou do sul de Ilhéus, região do cacau – dizem todos. Mas Ferradas ficou muito aborrecida com esse tratamento, dispensado por tão ilustre filho.

  • Al White 10/08/2012 at 20:23

    Jorge Amado, em seu livro de propaganda stalinista “O Mundo da Paz”, afirmou existir o “Titoísmo”, destacou o perigo do Trotsquismo e negou a existência de discos-voadores, à época muito populares nos USA. Stalin, ele renegaria; os amigos Trotsquistas, ele apaziguaria dizendo que os ataques eram só da boca pra fora…

  • SIMNES 11/08/2012 at 18:35

    Ele é criticado mais pelo queriam que ele fosse. Foi criticado por sua ideologia. Por não retratar a realidade. Não observam que ele criou personagens interessantes e histórias envolventes. A obra de jorge Amado é um mundo com uma realidade própria. Poucos escritores do mundo tiveram capacidade de fazer algo semelhante. Acho que suas limitações sempre foram superestimadas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial