A eloquência do silêncio

04/01/2014

silêncioA importância do silêncio numa narrativa de ficção se manifesta de diversas formas, incluindo as óbvias elipses e subentendidos, pois, como disse Erico Verissimo (que cito de memória), “um dos segredos do romancista é nunca explicar demais”. Tudo aquilo que não é dito oferece à imaginação do leitor – coautor pouco comentado de qualquer obra literária – espaço para se espraiar, ligar os pontinhos, produzir e não apenas decifrar sentido. Embora geralmente esquecido, até mesmo o silêncio que vem antes da primeira frase do texto, como os milênios de não-ser que precedem o nascimento de qualquer bebê, é tão fundamental quanto o clímax de uma história. O silêncio que vem depois do fim, então…

Vamos começar pelo começo. Entramos em “Viva o povo brasileiro”, de João Ubaldo Ribeiro, um dos grandes romances de nossa literatura, vendo o herói ser fuzilado. A sugestão de uma longa história passada, mas calada, insinua-se na estranha precedência de uma conjunção adversativa a adversar o ignorado:

Contudo, nunca foi bem estabelecida a primeira encarnação do Alferes José Francisco Brandão Galvão, agora em pé na brisa da Ponta das Baleias, pouco antes de receber contra o peito e a cabeça as bolinhas de pedra ou ferro disparadas pelas bombardetas portuguesas, que daqui a pouco chegarão com o mar.

Se repararmos bem, veremos que o longo futuro da história também já se encontra, cifrado, nessa abertura. Mas por que o relato não começa antes? Como José Francisco foi parar na Ponta das Baleias naquele momento fatal? Que vida teve? Será que sabia tocar rabeca, amou uma ou várias mulheres, contraiu caxumba na infância? Quem são seus pais, seus avós, seus antepassados remotos? Por que começar justamente ali?

Porque o resto – tal é o poder que tem o texto literário de transformar em determinismo as opções autorais mais arbitrárias – é silêncio.

Se o silêncio que antecede a primeira palavra de uma história costuma passar despercebido, aquele que vem depois do ponto final é de uma eloquência ensurdecedora. Dificilmente haverá um escritor que não tenha, em algum momento, se deparado com esta queixa, que por sinal é muitas vezes infundada: “Mas a história não termina…”.

Que o leitor, sobretudo aquele de um tipo mais ingênuo, exija como final de qualquer relato ficcional um arremate claro que junte todas as pontas da trama, de preferência num laçarote vistoso e provido de uma inequívoca moral, é compreensível. O problema é o autor acreditar que deve obrigatoriamente se curvar a tal demanda, deixando de compreender o quanto de reverberação pode acrescentar à sua história, em certos casos, um silêncio brusco, aparentemente prematuro e definitivamente perturbador.

Não me refiro aqui ao simples ato de apontar um futuro em branco, um pós-texto qualquer, deixando ao leitor um convite ao preenchimento do vazio da página, como se vê por exemplo no engenhoso – e famoso – fim de “Uma aprendizagem”, de Clarice Lispector:

… eu penso o seguinte:

Ocorre que, a essa altura, o conflito central do livro de Clarice já se resolveu, Lóri e Ulisses estão na cama, o que torna a indeterminação do futuro uma esperteza estilística – além de um espelho da vida real, claro, comentário irônico sobre a tentação do impossível “felizes para sempre” que insiste em rondar as expectativas daquele nosso leitor ingênuo.

Contudo – como diria João Ubaldo –, o silêncio brusco, aparentemente prematuro e definitivamente perturbador exige mais do que isso. É preciso que o conflito que moveu a narrativa, ou pelo menos uma parte dele, fique sem solução. É preciso obrigar o leitor a apostar num dos desenlaces possíveis e ao mesmo tempo condená-lo à tortura eterna de não saber se ganhou ou perdeu.

Um dos exemplos mais antigos e bem-sucedidos que conheço desse tipo de fim está na novela “A interdição”, de Honoré de Balzac (no volume 4 de “A comédia humana”, na nova edição da Biblioteca Azul), uma de minhas leituras de fim de ano. A história gira em torno do processo de interdição que move uma rica parisiense – uma daquelas mulheres ambiciosas, vaidosas, calculistas e ordinárias que Balzac adorava pintar – contra o ex-marido, de olho em sua fortuna, sob a alegação de que o sujeito enlouqueceu.

Aqui sou obrigado a incluir um spoiler, o que imagino não ser grave no caso de um livro lançado em 1836, mas vale o alerta: o ex-marido é um nobre dotado não apenas de lucidez, mas também de um caráter admirável que o leva a atos de um desprendimento vertiginoso. O juiz encarregado do caso, não menos probo, percebe isso tão claramente que chega a se emocionar. A história se encaminha para um fim previsível e reconfortante: o processo de interdição é ignóbil, será rejeitado, que beleza.

Aí entra o gênio de Balzac. Sob uma desculpa rota, quem sabe um mal-entendido, o juiz honesto é afastado na última hora do caso. Em seu lugar nomeia-se um juizinho novato, arrivista, venal. Fim.

Como assim – fim? E o processo que dá título à narrativa? Qual é o veredito? Não sabemos. Ao condenar moralmente o novo juiz, as últimas linhas nos levam a supor que o nobre homem será lesado pela ex-mulher sem caráter, mas a verdade é que não temos como saber. O silêncio chega primeiro, transformando “A interdição”, que do contrário seria apenas uma boa novela, numa novela memorável.

(Em outro ponto do imenso painel de “A comédia humana”, Balzac, que gostava de voltar a personagens de livros anteriores, nos informará que a litigante de má-fé perdeu o processo, afinal. Isso não diminui em nada a reverberação que o fim de “A interdição” deixa na cabeça do leitor.)

13 Comments

  • Aciel Ashantis 04/01/2014 at 13:41

    Olá, Sérgio, li seu artigo crente que você não deixaria de mencionar o mestre do silêncio da literatura brasileira, Machado de Assis, com o intrigante D. Casmurro.

  • Luiz Carlos Nogueira 04/01/2014 at 19:10

    Como disse o grande Paulo Leminski: “Repara bem no que não digo”

  • Sara 05/01/2014 at 03:41

    Belo texto. Também sempre fui atraída por obras literárias que valorizam os “silêncios narrativos”. Outros dois exemplos que admiro são o Castelo de Kafka (que, além de iniciar-se in-media-res, termina no meio de uma conversa – final perfeito para a obra) e o magnífico gancho do início de Cem Anos de Solidão do Gabo: “Muitos anos depois, diante do pelotão de fuzilamento, o Coronel Aureliano Buendía havia de recordar aquela tarde remota em que seu pai o levou para conhecer o gelo.”

  • beneditocglima 05/01/2014 at 07:19

    Sem dúvida alguma,a presente matéria é de agrado total,para nós que lecionamos e escrevemos.

  • Zanine Tomé 05/01/2014 at 08:26

    Tal “silêncio” pode ser percebido também no cinema, como no final espetacular do soberbo filme iraniano “A Separação”!

  • Athayde 05/01/2014 at 11:38

    Sérgio, só quero te dizer uma coisa: seus artigos são, para mim, ensinamentos preciosos. Um abraço.

  • Marília 05/01/2014 at 17:52

    Elipses e subentendidos fazem o encanto da obra literária, sendo um dos recursos dos melhores autores. O leitor perspicaz capta esses silêncios e os transforma de múltiplas maneiras, em êxtase, durante a leitura. Temos, então, pelo que deixou de ser explícito, algo que diferencia e engrandece a linguagem literária. Excelente post!

  • Paulo 06/01/2014 at 00:23

    “Se o silêncio que antecede a primeira palavra de uma história costuma passar despercebido, aquele que vem depois do ponto final é de uma eloquência ensurdecedora”.

    Isso me lembro do começo de A Pessoa em Questão, de Nabokov, em que ele fala o mesmo do vazio anterior ao nascimento (que raramente nos incomoda) e o aterrorizante vazio do que vem após a morte.

  • Casca Fina 06/01/2014 at 10:26

    De fato, eu precisava dessa aula.
    Seja porque, na vida real, não gosto de evasivas, subentendidos, meias palavras, seja porque projeto esse não gostar aos textos literários.
    Gosto e tenho necessidade de princípio, meio e fim.
    Esta aula clareou-me o entendimento, embora continue preferindo a clareza do pensamento e a objetividade de cada parágrafo.
    Assim.

  • wagner 06/01/2014 at 20:26

    Ótimo artigo, fez-me lembrar o excelente A Montanha Mágica de Thomas Mann. O único final cabível é, por vezes, o silêncio.

  • Alex R.F. 09/01/2014 at 20:09

    Sérgio, acabei de ler o penúltimo capítulo de Os Imperfeccionistas e o caso se aplica perfeitamente ao post. Dê uma olhada! Não sei se o livro é do seu agrado…
    Aproveitando minhas férias, vi você dando as caras no Redação Sportv.
    Abraços.

  • Joao Teixeira do Rosario 21/07/2015 at 09:12

    Quem fala tudo o que sabe compromete-se com a verdade que quer transmitir e priva o ouvinte ou leitor de exercer sua criatividade e dar asas à sua imaginação, de torna-se um coautor, O que mais encanta não é o que se torna evidente mas o mistério.

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial